O que é o TCFD?
Explore a solução TCFD da IBM Inscreva-se para obter atualizações sobre sustentabilidade
Ilustração com colagem de pictogramas de perfil facial, folha, nuvem
O que é o TCFD?

A Task Force on Climate-related Financial Disclosures, ou TCFD, é uma organização global criada para desenvolver um conjunto de divulgações recomendadas relacionadas ao clima que empresas e instituições financeiras podem utilizar para melhor informar os investidores, acionistas e o público sobre seus riscos financeiros relacionados ao clima.

O objetivo dessas divulgações é trazer transparência aos riscos climáticos relacionados às empresas. A ampla divulgação dos riscos financeiros relacionados ao clima permite decisões de investimento, crédito e subscrição de seguros mais informadas e pode ajudar a facilitar a transição para uma economia mais sustentável e de baixo carbono.

O Conselho de Estabilidade Financeira (Financial Stability Board – FSB), com sede na Suíça, estabeleceu a TCFD em 2015. Em 2017, a TCFD emitiu um "relatório final" detalhando 11 recomendações voluntárias, conhecidas como o framework do TCFD. Relatórios de status anuais subsequentes fornecem orientações sobre a implementação das recomendações da TCFD e acompanham sua adoção em todo o mundo.

Em novembro de 2022, o TCFD recebeu apoio de mais de 4.000 organizações em 101 jurisdições, com um valor de capital de mercado combinado de US$ 27 trilhões. O número de empresas que divulgam informações alinhadas ao TFC aumentou em 26% entre 2017 e 2021.

Embora as recomendações do TCFD tenham começado como diretrizes voluntárias de divulgação, elas estão se tornando rapidamente parte do arcabouço regulatório obrigatório em muitas jurisdições, incluindo a União Europeia, Singapura, Canadá, Japão e África do Sul.

A Nova Zelândia e o Reino Unido estão exigindo divulgações de riscos climáticos de acordo com a estrutura do TCFD até 2023 e 2025, respectivamente. Em março de 2022, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) publicou uma proposta de legislação sobre divulgações de riscos relacionados ao clima que incorpora os principais aspectos da estrutura do TCFD.

Aprofunde-se com nosso guia exclusivo sobre a CSRD da UE

Com divulgações ESG começando já em 2025 para algumas empresas, certifique-se de estar preparado com nosso guia.

Cadastre-se pare receber o playbook de práticas para um gerenciamento de ativos mais inteligente.

Quais são os riscos relacionados ao clima de uma empresa?

A estrutura TCFD divide os riscos relacionados ao clima de uma empresa em duas categorias principais.

Riscos físicos

Os riscos físicos estão relacionados aos impactos físicos das mudanças climáticas. Alguns riscos físicos são críticos, impulsionados por eventos climáticos extremos específicos, como furacões, inundações, incêndios florestais ou secas. Outros são crônicos, associados a mudanças de longo prazo nos padrões climáticos, como aumento contínuo das temperaturas, elevação do nível do mar e ondas de calor mais longas e frequentes. Os riscos físicos podem ter impactos financeiros súbitos e significativos se afetarem operações, transporte, cadeias de suprimentos ou a segurança de funcionários ou clientes.

Riscos de transição

Os riscos de transição são riscos inerentes à transição para uma economia de baixo carbono. Estes incluem riscos associados a políticas, regulamentos e requisitos de divulgação relacionados ao clima em questões como emissões de gases de efeito estufa (GEE), iniciativas de neutralidade de emissão de carbono, políticas de imposto sobre carbono, custos de energia e combustível e políticas energéticas nacionais ou globais. Os riscos de transição podem ter um impacto financeiro direto contínuo e também podem impactar a reputação de uma organização.

 

 

Os riscos climáticos também são riscos financeiros, e mais medição e divulgação são cruciais para construir uma economia mais sustentável e resiliente e um futuro mais seguro. Michael R. Bloomberg Presidente da força-tarefa Fundador da Bloomberg L.P. e Bloomberg Philanthropies. Leia o press release
As recomendações do TCFD

As recomendações do TCFD são voluntárias. Eles são emitidos como diretrizes para auxiliar as empresas a identificar e divulgar - em seus relatórios financeiros e arquivamentos, relatórios de sustentabilidade e relatórios anuais - os riscos, oportunidades e potenciais impactos financeiros que enfrentam devido às mudanças climáticas

Essas recomendações são amplamente aplicáveis a organizações em todas as jurisdições e setores, incluindo bancos, seguradoras, empresas de gerenciamento de ativos e outras organizações do setor financeiro. Entidades do setor financeiro têm uma camada adicional de responsabilidade em divulgar não apenas seus próprios riscos climáticos, mas também os riscos enfrentados pelas empresas nas quais investem.

Temas e princípios

As recomendações da TCFD são organizadas em torno de quatro (4) temas ou áreas para divulgação e sete (7) princípios para uma divulgação eficaz. Os quatro temas são:

Governança: a empresa deve divulgar a supervisão do conselho e o papel do gerenciamento na avaliação e gerenciamento dos riscos e oportunidades relacionados ao clima.

Estratégia: a empresa deve divulgar seus riscos e oportunidades relacionados ao clima (curto, médio e longo prazo) e os impactos potenciais que eles têm em seus negócios, estratégias, planejamento financeiro e governança corporativa. A empresa também deve descrever sua resiliência diante de diferentes cenários climáticos, por exemplo, uma análise de cenário climático de 2°C ou inferior.

Gerenciamento de riscos: a empresa deve divulgar seus processos para identificar, avaliar e gerenciar riscos climáticos e como esses processos são integrados aos seus processos e estratégia de gerenciamento de riscos gerais.

Métricas e metas: a empresa deve divulgar as métricas e metas que utiliza para medir o sucesso no combate aos riscos relacionados com o clima e no aproveitamento de oportunidades relacionadas com o clima. A empresa também deve divulgar o seu plano de transição, incluindo ações e atividades que permitiriam emissões líquidas zero até 2050. Isso inclui a divulgação de métricas e metas em relação a três categorias de emissões de GHG ou escopos:

  • As emissões do escopo 1 resultam diretamente de operações pertencentes ou controladas por uma organização relatora.

  • As emissões do escopo 2 estão associadas à geração de energia comprada, como eletricidade, calor ou vapor. Essas são emissões indiretas, mas podem ser possuídas e controladas diretamente pela organização que relata.

  • Emissões do escopo 3 são aquelas que as organizações não controlam diretamente, mas que ocorrem como resultado de suas operações ou cadeia de valor. O Carbon Disclosure Project (CDP), que ajuda empresas, cidades e estados a gerir seu impacto ambiental, estima que as emissões do escopo 3 representam, em média, 75% das emissões de gases de efeito estufa das empresas (link externo ao site ibm.com).

A metodologia do Protocolo de Gases de Efeito Estufa é o padrão mais amplamente adotado para calcular as emissões de GEE. As emissões de escopos 1 e 2 são frequentemente mais fáceis de calcular, pois as informações relevantes estão prontamente acessíveis à empresa que relata. As emissões de escopo 3 podem ser mais difíceis de calcular porque são geradas por terceiros (por exemplo, um parceiro da cadeia de suprimentos ou holding de investimento) para os quais a empresa relatora tem visibilidade ou controle limitados.

Os princípios para divulgação eficaz, projetados com o propósito de auxiliar as organizações a realizar as divulgações financeiras relacionadas ao clima mais transparentes e consistentes possíveis, estas diretrizes incluem:

  • Principal 1: as divulgações devem apresentar informações relevantes

  • Princípio 2: as divulgações devem ser específicas e completas

  • Principal 3: as divulgações devem ser claras, equilibradas e compreensíveis

  • Principal 4: as divulgações devem ser consistentes ao longo do tempo

  • Princípio 5: as divulgações devem ser comparáveis entre organizações dentro de um setor, indústria ou portfólio

  • Principal 6: as divulgações devem ser confiáveis, verificáveis e objetivas

  • Princípio 7: As divulgações devem ser fornecidas em tempo hábil
Relatórios TCFD e ESG

A divulgação de ESG (ambiental, social e governança) é de extrema importância para as organizações atualmente, à medida que os mercados financeiros se tornam cada vez mais conscientes na tomada de decisões de investimento sustentáveis.Os investidores desejam avaliar cuidadosamente os riscos e oportunidades decorrentes de questões ESG e alocar capital para empresas que sejam transparentes em relação aos seus objetivos e desempenho em matéria de ESG e sustentabilidade.

As recomendações da TCFD fornecem um framework reconhecido globalmente para as organizações divulgarem seus riscos relacionados ao clima, oportunidades e impactos financeiros. Embora possa parecer que o framework foi projetado para tratar de riscos climáticos, as divulgações recomendadas pela TCFD abrangem os três pilares do relato ESG: ambiental, social e governança.

Com divulgações alinhadas à TCFD, os investidores obtêm uma visão consistente e comparável dos impactos financeiros das mudanças climáticas e outros aspectos fundamentais do ESG. Esses aspectos incluem a governança de uma organização em torno de riscos relacionados ao clima e seus processos gerais de avaliação e gerenciamento de riscos. As organizações podem se beneficiar ao adotar as recomendações e princípios estabelecidos pelo framework da TCFD.

O TCFD e o ISSB

O International Sustainability Standards Board (ISSB) foi formado em 2021 para desenvolver padrões globais para divulgações relacionadas à sustentabilidade que ajudariam investidores e possíveis stakeholders na tomada de decisões sábias sobre alocação de capital.

O ISSB se esforça para consolidar e melhorar as diretrizes internacionais de relatório já implementadas, como a TCFD. Isso permite que as empresas alinhem suas divulgações a um único framework de relatório global, em vez de acompanharem múltiplas diretrizes de relatório.

Por exemplo, a ISSB anunciou recentemente que as empresas devem usar a análise de cenários relacionados ao clima para identificar riscos e oportunidades relacionados ao clima e relatar sua resiliência climática. Embora a ISSB utilizará a orientação existente do TCFD para auxiliar os preparadores na realização de análises de cenários relacionados ao clima, também fornecerá orientações mais específicas sobre quais cenários climáticos uma entidade deve utilizar com base em sua indústria e jurisdição.

Saiba mais sobre a estrutura TCFD

A TCFD incentiva as organizações a saber mais sobre sua estrutura e recomendações de divulgação, incluindo seu relatório de status mais recente (link externo ao site ibm.com) O site da TCFD (link externo ao ibm.com) também hospeda recursos como estudos de caso, relatórios, cenários, vídeos instrutivos e muito mais.

Soluções relacionadas
IBM envizi™ ESG suite

Acelere a sustentabilidade gerenciando todos os seus indicadores de governança ambiental, social e corporativa (ESG) em uma única plataforma.

Conheça o IBM Envizi ESG Suite

Soluções de sustentabilidade da IBM

Faça escolhas informadas para a sua empresa. Crie um plano acionável que aproveite ao máximo seus dados. Use a sustentabilidade como catalisador para uma transformação empresarial rentável.

Conheça as soluções de sustentabilidade

IBM Consulting® Sustainability Services

Aproveite a combinação certa de pessoas, processos e tecnologia para transformar a ambição de sustentabilidade em ação e tornar-se um negócio mais responsável e lucrativo.

Explore os serviços de sustentabilidade
Recursos Guia para relatórios de emissões do escopo 3

Com mais de uma década de experiência ajudando os líderes de sustentabilidade a simplificar os relatórios ESG em relação a todos os escopos, a IBM Envizi recomenda essa abordagem aprovada pelo IHG para simplificar a contabilidade e os relatórios do escopo 3.

O que é Net Zero?

Neutralidade de carbono indica o ponto em que as emissões líquidas globais de GEE causadas pelo homem, incluindo CO2 e CH4, foram reduzidas ao mais próximo possível de zero, com quaisquer emissões residuais remanescentes removidas definitivamente da atmosfera.

O que é sustentabilidade nos negócios?

A sustentabilidade nos negócios refere-se à estratégia e às ações de uma empresa para eliminar os impactos ambientais e sociais adversos causados pelas operações de negócios.

Dê o próximo passo

Simplifique a captura, a consolidação, o gerenciamento, a análise e a emissão de relatórios dos seus dados ambientais, sociais e de governança (ESG) com o IBM Envizi ESG Suite.

Explore o Envizi Agende uma demonstração em tempo real