Modernizar a infraestrutura dos mercados financeiros
A CLS constrói uma plataforma de liquidação para moldar o futuro da troca estrangeira

Todos os dias, bancos, corporações e investidores negociam moeda no valor de trilhões de dólares no mercado de câmbio estrangeiro—em total confiança de que, quer estejam negociando libras esterlinas para pesos mexicanos ou francos suíços para forints húngaros, eles receberão a moeda pela qual pagaram. Uma das principais razões para essa confiança é a CLS, uma empresa cujos serviços de liquidação estão no centro do ecossistema global de FX.

A segurança dos modernos mercados de câmbio é um fenômeno relativamente recente. Em 1972, quando o banco alemão Bankhaus Herstatt entrou em colapso, muitas de suas contrapartes de FX enfrentaram sérias perdas. Em resposta, o ecossistema global de FX começou a procurar maneiras de mitigar o risco sistêmico e, em 2002, por meio de uma cooperação sem precedentes em toda a comunidade, a CLS foi estabelecida com 39 organizações membros e sete moedas.

Hoje, os membros da empresa incluem mais de 70 das instituições financeiras mais importantes do mundo, e mais de 25.000 usam seus serviços para liquidar transações de câmbio em 18 das moedas mais negociadas do mundo.

Em um nível alto, o valor que a CLS oferece está em fornecer uma plataforma que garanta que as instruções de pagamento para ambos os lados de uma negociação FX sejam liquidadas simultaneamente, eliminando o risco de que uma parte entregue a moeda que vendeu, mas não receba a moeda que comprou. Ao mesmo tempo, o CLS fornece compensação multilateral de pagamentos, o que reduz o montante de capital que cada participante do mercado precisa pagar para liquidar suas negociações, reduzindo as necessidades de financiamento em uma média de 96%.

Volumes enormes

 

Em média, a CLS liquida US$ 5,5 trilhões em instruções de pagamento FX por dia

Redução de custos

 

A compensação multilateral do CLS reduz os requisitos de financiamento em 96%, em média

Diante da adversidade, as equipes da CLS e da IBM® colaboraram de forma próxima. A dedicação dos dois lados foi excepcional. Ritesh Gadhiya Chefe de aplicativos de liquidação CLS
Liquidação em escala

Desde que o CLS começou a operar em 2002, a empresa construiu seus negócios em torno do CLSSettlement, uma plataforma de liquidação desenvolvida, hospedada e gerenciada pela IBM. A plataforma tem sido extremamente bem-sucedida, ajudando a CLS a expandir seus negócios para lidar com uma média de mais de USD 5,5 trilhões e um milhão de instruções por dia. Mesmo em períodos de atividade incomum no mercado, o sistema tem funcionado de forma admirável. Por exemplo, em 2020, ele administrou um volume máximo de mais de 2,6 milhões de instruções no valor de USD 13,4 trilhões em um único dia. Para colocar esses números em perspectiva: USD 13,4 trilhões são aproximadamente equivalentes a todo o produto interno bruto anual da China em 2018.

Apesar de seu sucesso, o sistema era um produto de seu tempo. O código do aplicativo foi fortemente associado a middleware legado que era difícil de suportar e limitou a agilidade da empresa no desenvolvimento, teste e lançamento de novos serviços.

Para facilitar a evolução dos mercados de FX nos próximos anos, a CLS embarcou em uma iniciativa para modernizar a plataforma CLSSettlement — migrando para uma nova infraestrutura, reescrevendo o aplicativo principal de C para Java e assumindo maior propriedade de seu desenvolvimento. O objetivo da iniciativa foi permitir a convergência entre a plataforma e a Plataforma de Serviços Unificados (USP) da empresa, que já suporta outros produtos CLS, como CLSClearedFX e CLSNow.

Essa iniciativa de convergência exigiu uma mudança fundamental na relação entre a CLS e a IBM, desde uma relação cliente/fornecedor até uma parceria muito mais colaborativa. Para ajudar a impulsionar essa mudança, os executivos seniores da empresa assumiram um papel ativo no patrocínio do projeto e o colocaram sob o controle de um diretor de programa dedicado, que utilizou a experiência da IBM para implementar planos e governança eficazes para entregar com sucesso essa transformação ambiciosa.

Superando desafios juntos

Assim que a equipe começou a se formar após um workshop de projeto organizado pelo CLS em Nova Jersey, tudo mudou. A pandemia de COVID-19 colocou a maior parte do mundo em lockdown, o que significou que os escritórios de projetos em Nova Jersey e Nova York, nos EUA, Portsmouth e Londres, no Reino Unido, e Pune e Chennai, na Índia, tiveram que fechar e as equipes tiveram que trabalhar de casa.

Apesar desses desafios trazidos pela pandemia, a equipe conseguiu adaptar sua metodologia de entrega e aproveitar o novo modo de operações para melhorar a comunicação e a flexibilidade dentro da equipe distribuída.

Além disso, a liderança do projeto deu aos membros da equipe a flexibilidade de definir seus próprios horários para trabalhar em torno de cuidados infantis e obrigações familiares. O resultado foi uma maior produtividade, pois muitos membros da equipe começaram a trabalhar em horários que maximizavam a sobreposição entre as regiões geográficas, em vez de se aterem ao horário de trabalho local regular.

"Nós entendemos que não importa quando ou onde as pessoas trabalham - todos nós trabalhamos de forma assíncrona", explica Rachel Lum, sócia executiva da IBM. "Essa foi a cultura que promovemos, e todos a aceitaram."

A cultura positiva rapidamente promoveu uma mentalidade de "uma equipe" e, embora CLS e IBM se concentrassem em diferentes aspectos do projeto, tornou-se comum que os membros da equipe de ambas as organizações trabalhassem juntos como um só.

"Em meio à adversidade, as equipes da CLS e da IBM trabalharam muito juntas", diz Ritesh Gadhiya, chefe de aplicativos de liquidação da CLS. "A dedicação de ambos os lados foi excepcional."

Espaço zero para erros

O objetivo do projeto era construir e implantar um aplicativo moderno que pudesse lidar com a vasta escala e complexidade da liquidação de câmbio de forma impecável – e como o serviço de liquidação CLS é uma parte crítica da infraestrutura do mercado financeiro mundial, não havia espaço para erros.

Como resultado, a equipe planejou tomar todas as precauções possíveis para mitigar o risco e garantir que o novo aplicativo atendesse perfeitamente aos requisitos dos mercados de câmbio.

A equipe começou construindo plataformas extremamente bem testadas e padronizadas que foram comprovadas em escala por milhares de outras organizações de serviços financeiros. Eles desenvolveram o novo aplicativo em Java em execução no Red Hat® Enterprise Linux® e usando uma variedade de middleware IBM, incluindo IBM® MQIBM WebSphere® Application ServerIBM Workload Scheduler e IBM Security® Verify Access.

A equipe do CLS e da IBM testou rigorosamente o aplicativo internamente e com cada um dos 74 bancos membros — um processo extremamente complexo e desafiador que envolveu a coordenação e a confirmação das mudanças necessárias nos sistemas de cada banco, bem como a realização de alterações no novo aplicativo CLS em si. Esta fase de testes foi entregue dentro do prazo, o que o CLS considera uma grande conquista.

“O projeto gerou algumas inovações na forma como testamos nossos sistemas”, diz Gadhiya. “Por exemplo, construímos um mecanismo de teste de modelo de risco (RMTE) que usamos para executar simulações de mais de 28.000 cenários e o equivalente a 100 anos de dados de produção para testar nossos algoritmos.”

Corrida paralela

Depois que os testes abrangentes de integração deram à equipe um alto nível de confiança no novo aplicativo, a próxima fase foi executar o sistema em paralelo com a plataforma legada. Um monitoramento e uma análise rigorosos foram usados para confirmar que ambos os sistemas produziriam consistentemente os mesmos resultados para o mercado.

Essa fase paralela foi projetada para permitir migrações de dados frequentes para redefinir o estado do novo aplicativo caso seu comportamento divergisse do sistema existente. No entanto, na prática, ao longo da execução paralela de seis meses, a equipe só precisou usar essa funcionalidade uma vez para resolver um problema de software.

"O software se estabilizou muito rapidamente quando iniciamos a fase de execução paralela, e a qualidade dos dados da CLS é extremamente alta, então descobrimos que havia muito pouca necessidade de correções ou migrações de dados", diz Patrick Smith, gerente de programa da IBM. "Na verdade, mesmo quando a CLS teve o maior dia único de transações em sua história, o novo aplicativo foi copiado com quase três vezes a carga de trabalho normal e os resultados foram como esperado. Ficamos muito satisfeitos porque provou que poderíamos cortar mesmo com um nível muito alto de transações sem problemas."

No final da fase paralela, a ênfase mudou cada vez mais para preparativos para o evento final de corte da produção. A equipe realizou vários ensaios em grande escala, cada um com duração de 20 a 30 horas e envolvendo muitas partes interessadas de toda a equipe de projeto distribuído. Mais uma vez, a necessidade de trabalhar de forma eficaz dentro das restrições impostas pela pandemia global não apenas criou desafios, mas também levou a novas ideias e melhorias nos processos.

Por exemplo, em vez de depender de equipes estabelecidas para supervisionar cada etapa do processo de corte, a equipe criou um modelo muito mais resiliente, com vários recursos disponíveis em vários locais para agir como backups, caso algum membro individual da equipe sofra de conectividade, energia ou outros problemas em estágios críticos. Este é um modelo que a CLS poderá usar para futuras mudanças e atividades de transformação.

Uma plataforma para o futuro

Depois de todos os testes e ensaios, a equipe estava confiante de que poderia avançar com o corte final de produção – mas em um projeto dessa escala e importância, ainda havia uma sensação de nervosismo no ar.

"Não importa o quão bem preparado você esteja, nunca se sabe o que pode acontecer no dia do go-live", diz Gadhiya. "Toda a equipe estava tão empenhada no projeto que queria acompanhar a transição à medida que ela acontecia, por isso criamos uma sala de controle virtual ao vivo na qual todos podiam se conectar e ver como estávamos progredindo."

Na verdade, havia pouca necessidade de ansiedade. O corte foi um sucesso completo, com zero problemas de alta gravidade e apenas um punhado de pequenos soluços que foram rapidamente resolvidos.

"Ficamos agradavelmente surpresos com a suavidade do corte", diz Gadhiya. "Acreditamos que somos a primeira empresa do setor de infraestrutura do mercado financeiro a tentar um projeto de modernização nessa escala e, junto com a IBM, mostramos ao setor que esse tipo de mudança é possível."

A nova plataforma da CLS mitiga os riscos de negócios, removendo middleware legado em favor de uma solução flexível e padrão do setor, com componentes vagamente acoplados que facilitam o desenvolvimento, os testes e o gerenciamento independente. Isso ajudará a acelerar o desenvolvimento de novos produtos e serviços, permitindo que a CLS mantenha sua posição como inovadora nos mercados cambiais.

A plataforma também oferece recursos aprimorados de monitoramento de desempenho, capacidade e segurança, permite a automação de tarefas de gerenciamento de sistemas que antes eram manuais e aumenta a resiliência geral. Por exemplo, no caso de uma interrupção, o CLS poderá retomar as operações bem dentro do objetivo de tempo de recuperação (RTO) de duas horas especificado pelos Princípios de Infraestrutura de Mercados Financeiros (PFMI).

Gadhiya conclui: "A conclusão da convergência marca o início de uma nova era para o CLS, dando-nos uma plataforma única e moderna que podemos usar para construir e executar vários serviços e desenvolver novas iniciativas. Facilitar o crescimento e a evolução de nossos sistemas nos coloca em uma posição mais forte para trazer novas ofertas ao mercado e ajudar nossas partes interessadas a mitigar o risco de liquidação de forma ainda mais eficaz."

Logotipo CLS
Sobre o CLS

Criado pelo mercado de câmbio, para o mercado de câmbio, o CLS (o link reside fora do ibm.com) oferece uma infraestrutura de liquidação global que reduz o risco sistêmico e fornece padronização para os participantes em muitas das moedas mais negociadas do mundo. Seus membros incluem mais de 70 das instituições financeiras mais importantes do mundo, e mais de 25.000 participantes usam seus serviços de liquidação.

Dê o próximo passo

Para saber mais sobre as soluções IBM apresentadas nesta história, entre em contato com seu representante da IBM ou com o IBM Business Partner.

Veja mais histórias de casos Entre em contato com a IBM State Bank of India

A ascensão de um tigre financeiro

Leia o estudo de caso
TD Ameritrade

Investir no futuro com automação de processos de negócios

Leia o estudo de caso
Verizon

Dupla de tecnologia leva corajosamente os recursos 5G ao limite

Leia o estudo de caso
Legal

© Copyright IBM Corporation 2022. IBM Corporation, IBM Consulting, New Orchard Road, Armonk, NY 10504

Produzido nos Estados Unidos da América, março de 2022.

IBM, o logotipo IBM, ibm.com, Cloudant, IBM Security e WebSphere são marcas comerciais da International Business Machines Corp., registradas em diversas jurisdições em todo o mundo. Outros nomes de produtos e serviços podem ser marcas comerciais da IBM ou de outras empresas. Uma lista atual das marcas comerciais da IBM está disponível na web em ibm.com/trademark.

A marca registrada Linux® é utilizada de acordo com uma sublicença da Linux Foundation, a licenciada exclusiva de Linus Torvalds, proprietário da marca em nível mundial.

Red Hat® é marca registrada da Red Hat, Inc. ou de suas subsidiárias nos Estados Unidos e em outros países.

O conteúdo deste documento (incluindo referências de moedas ou preços, que excluem impostos aplicáveis) é válido a partir da data de publicação inicial e está sujeito a alterações pela IBM a qualquer momento. Nem todas as ofertas estão disponíveis em todos os países em que a IBM opera.

Os dados de desempenho e exemplos de clientes citados são apresentados apenas para fins ilustrativos. Os resultados práticos de desempenho podem diferir com base nas configurações específicas e nas condições de operação. É da responsabilidade do usuário avaliar e verificar a operação de qualquer outro produto ou programa com produtos e programas IBM. AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO FORNECIDAS SEM QUALQUER GARANTIA, EXPRESSA OU IMPLÍCITA, INCLUINDO SEM QUAISQUER GARANTIAS DE COMERCIALIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO A DETERMINADO FIM E QUALQUER GARANTIA OU CONDIÇÃO DE NÃO INFRAÇÃO. Os termos e condições que regem a garantia dos produtos IBM estão especificados nos contratos sob os quais eles são fornecidos.

O cliente é responsável por garantir a conformidade com as leis e regulamentações aplicáveis a ele. A IBM não fornece conselho jurídico ou representa ou garante que seus serviços ou produtos garantirão que o cliente esteja em conformidade com qualquer lei ou regulamento.

Declaração de boas práticas de segurança: a segurança do sistema de TI envolve proteger sistemas e informações por meio da prevenção, detecção e resposta a acessos inadequados de dentro e fora da empresa. O acesso indevido pode resultar na alteração, destruição, apropriação indevida ou uso indevido de informações ou pode resultar em danos ou uso indevido de seus sistemas, inclusive para uso em ataques a terceiros. Nenhum sistema ou produto de TI deve ser considerado completamente seguro e nenhum produto, serviço ou medida de segurança pode ser completamente eficaz na prevenção de uso ou acesso impróprio. Os sistemas, produtos e serviços IBM são projetados para fazer parte de uma abordagem de segurança legal e abrangente, que necessariamente envolverá procedimentos operacionais adicionais, e podem exigir outros sistemas, produtos ou serviços para serem mais eficazes. A IBM NÃO GARANTE QUE NENHUM DE SEUS SISTEMAS, PRODUTOS OU SERVIÇOS ESTEJA IMUNE NEM QUE TORNARÁ SUA EMPRESA IMUNE A CONDUTAS MALICIOSAS OU ILEGAIS POR PARTE DE TERCEIROS.