O que é uma rede neural?
Explore a solução de rede neural da IBM Inscreva-se para receber atualizações sobre tópicos de IA
Face da IA processando informações e aprendendo a imitar os humanos.
O que é uma rede neural?

Uma rede neural é um programa de aprendizado de máquina, ou modelo, que toma decisões de uma forma semelhante ao cérebro humano, utilizando processos que imitam a maneira como os neurônios biológicos trabalham juntos para identificar fenômenos, avaliar opções e chegar a conclusões.

Toda rede neural é composta por camadas de nós, ou neurônios artificiais: uma camada de entrada, uma ou mais camadas ocultas e uma camada de saída. Cada nó se conecta a outros e possui seu próprio peso e limiar associados. Se a saída de qualquer nó individual estiver acima do valor de limiar especificado, esse nó é ativado, enviando dados para a próxima camada da rede. Caso contrário, nenhum dado é passado para a próxima camada.

As redes neurais dependem de dados de treinamento para aprender e melhorar sua precisão ao longo do tempo. Uma vez ajustadas para precisão, tornam-se ferramentas poderosas em ciência da computação e inteligência artificial, permitindo-nos classificar e agrupar dados com alta velocidade. Tarefas de reconhecimento de fala ou reconhecimento de imagem podem levar minutos em vez de horas quando comparadas à identificação manual por especialistas humanos. Um dos exemplos mais conhecidos de uma rede neural é o algoritmo de pesquisa do Google.

Às vezes, as redes neurais são chamadas de redes neurais artificiais (ANNs) ou redes neurais simuladas (SNNs). Elas são um subconjunto de aprendizado de máquina e estão no coração dos modelos de deep learning.

Crie fluxos de trabalho de IA responsáveis com controle de IA

Aprenda os fundamentos e as melhores práticas para ajudar suas equipes a acelerar a IA responsável.

Conteúdo relacionado

Registre-se para receber o ebook sobre IA generativa

Como funcionam as redes neurais?

Pense em cada nó individual como seu próprio modelo de regressão linear, composto por dados de entrada, pesos, um viés (ou limiar) e uma saída. A fórmula ficaria mais ou menos assim:

∑wixi + bias = w1x1 + w2x2 + w3x3 + bias

output = f(x) = 1 if ∑w1x1 + b>= 0; 0 if ∑w1x1 + b < 0

Depois que uma camada de entrada é determinada, os pesos são atribuídos. Esses pesos ajudam a determinar a importância de qualquer variável, com os maiores contribuindo de forma mais significativa para a saída em comparação com outras entradas. Todas as entradas são então multiplicadas pelos seus respectivos pesos e somadas. Depois, a saída é processada por uma função de ativação, a qual determina o resultado final. Se essa saída exceder um determinado limite, ela "dispara" (ou ativa) o nó, enviando dados para a próxima camada na rede. Isso faz com que a saída de um nó se torne a entrada do próximo nó. Esse processo de passagem de dados de uma camada para a próxima define essa rede neural como uma rede feedforward.

Vamos detalhar a aparência de um único nó usando valores binários. Podemos aplicar esse conceito a um exemplo mais tangível, como se você deve surfar (Sim: 1, Não: 0). A decisão de ir ou não ir é nosso resultado previsto, ou y-hat. Vamos supor que haja três fatores influenciando sua tomada de decisão:

  1. As ondas são boas? (Sim: 1, Não: 0)
  2. A escalação está vazia? (Sim: 1, Não: 0)
  3. Houve um ataque recente de tubarão? (Sim: 0, Não: 1)

Em seguida, vamos supor o seguinte, fornecendo as seguintes entradas:

  • X1 = 1, já que as ondas estão bombeando
  • X2 = 0, já que as multidões estão fora
  • X3 = 1, já que não houve um ataque de tubarão recente

Agora, precisamos atribuir alguns pesos para determinar a importância. Pesos maiores indicam que variáveis específicas são de maior importância para a decisão ou resultado.

  • W1 = 5, já que grandes ondulações não ocorrem com frequência
  • W2 = 2, já que você está acostumado com multidões
  • W3 = 4, já que você tem medo de tubarões

Finalmente, também assumiremos um valor limite de 3, o que se traduziria em um valor de tendência de –3. Com todas as várias entradas, podemos começar a inserir valores na fórmula para obter a saída desejada.

Y-hat = (1*5) + (0*2) + (1*4) – 3 = 6

Se usarmos a função de ativação mencionada no início desta seção, podemos determinar que a saída deste nó seria 1, já que 6 é maior que 0. Neste caso, você iria surfar; mas se ajustarmos os pesos ou o limite, podemos obter resultados diferentes do modelo. Quando observamos uma decisão, como no exemplo acima, podemos ver como uma rede neural pode tomar decisões cada vez mais complexas, dependendo da saída de decisões ou camadas anteriores.

No exemplo acima, usamos perceptrons para ilustrar parte da matemática em jogo aqui, mas as redes neurais utilizam neurônios sigmoides, que se distinguem por terem valores entre 0 e 1. Como as redes neurais se comportam de forma semelhante às árvores de decisão, cascando dados de um nó para outro, ter valores de x entre 0 e 1 reduzirá o impacto de qualquer alteração em uma única variável na saída de um nó específico e, consequentemente, na saída da rede neural.

Conforme começamos a pensar em casos de uso mais práticos para redes neurais, como reconhecimento ou classificação de imagens, vamos aproveitar o aprendizado supervisionado, ou conjuntos de dados rotulados, para treinar o algoritmo. Ao treinarmos o modelo, desejamos avaliar sua precisão utilizando uma função de custo (ou perda). Isso também é comumente chamado de erro médio quadrado (MSE). Na equação abaixo,

  • i representa o índice da amostra,
  • y-hat é o resultado previsto,
  • y é o valor real, e
  • m é o número de amostras.

= =1/2 ∑129_(=1)^▒( ̂^(() )−^(() ) )^2

Em última análise, o objetivo é minimizar nossa função de custo para garantir a precisão do ajuste para qualquer observação dada. Conforme o modelo ajusta seus pesos e viés, ele utiliza a função de custo e o aprendizado por reforço para alcançar o ponto de convergência, ou o mínimo local. O processo pelo qual o algoritmo ajusta seus pesos é através do gradiente descendente, permitindo que o modelo determine a direção a tomar para reduzir os erros (ou minimizar a função de custo). Com cada exemplo de treinamento, os parâmetros do modelo se ajustam para convergir gradualmente para o mínimo.  

Consulte este artigo do IBM Developer para obter uma explicação mais detalhada dos conceitos quantitativos envolvidos nas redes neurais.

A maioria das redes neurais profundas é feedforward, o que significa que elas fluem em apenas uma direção, da entrada para a saída. No entanto, você também pode treinar seu modelo por meio de retropropagação; ou seja, movem-se na direção oposta da saída para a entrada. A retropropagação nos permite calcular e atribuir o erro associado a cada neurônio, permitindo ajustar e ajustar os parâmetros do(s) modelo(s) adequadamente.

Disponível agora: watsonx.ai

O estúdio empresarial totalmente novo que reúne aprendizado de máquina tradicional com novos recursos de IA generativa impulsionados por modelos de base.

tipos de redes neurais

As redes neurais podem ser classificadas em diferentes tipos, que são usados para diferentes propósitos. Embora esta não seja uma lista completa de tipos, os exemplos a seguir representam os tipos mais comuns de redes neurais que você encontrará para os casos de uso mais comuns:

O perceptron é a rede neural mais antiga, criada por Frank Rosenblatt em 1958.

As redes neurais feedforward, ou perceptrons de múltiplas camadas (MLPs), são o foco principal deste artigo. Elas são compostas por uma camada de entrada, uma ou mais camadas ocultas e uma camada de saída. Embora essas redes neurais também sejam frequentemente chamadas de MLPs, é importante notar que elas são na verdade compostas por neurônios sigmóides, não perceptrons, já que a maioria dos problemas do mundo real é não linear. Os dados geralmente são impulsionados nesses modelos para treiná-los, e eles são a base para visão computacional, processamento de linguagem natural e outras redes neurais.

As redes neurais convolucionais (CNNs) são semelhantes às redes feedforward, mas geralmente são utilizadas para reconhecimento de imagens, reconhecimento de padrões e/ou visão computacional. Essas redes utilizam princípios da álgebra linear, especialmente a multiplicação de matrizes, para identificar padrões dentro de uma imagem.

Redes neurais recorrentes (RNNs) são identificadas por seus loops de feedback. Esses algoritmos de aprendizado são principalmente utilizados ao lidar com dados de séries temporais para fazer previsões sobre resultados futuros, como previsões do mercado de ações ou previsões de vendas.

 

Redes neurais versus deep learning

Deep Learning e redes neurais costumam ser usados de forma intercambiável em conversas, o que pode gerar confusão. Como resultado, vale ressaltar que o "deep" em deep learning se refere apenas à profundidade das camadas em uma rede neural. Uma rede neural que consiste em mais de três camadas, que incluiriam as entradas e a saída, pode ser considerada um algoritmo de deep learning. Uma rede neural que tem apenas duas ou três camadas é apenas uma rede neural básica.

Para saber mais sobre as diferenças entre redes neurais e outras formas de inteligência artificial, como aprendizado de máquina, leia a postagem do blog “AI vs. Machine Learning vs. Deep Learning vs. Neural Networks: What’s the Difference?

História das redes neurais

A história das redes neurais é mais longa do que a maioria das pessoas pensa. Embora a concepção de "uma máquina pensante" remonte aos tempos da Grécia Antiga, vamos focar nos eventos-chave que levaram à evolução do pensamento sobre redes neurais, cuja popularidade tem variado ao longo dos anos:

1943: Warren S. McCulloch e Walter Pitts publicaram “Um cálculo lógico das ideias imanentes à atividade nervosa (link externo ao ibm.com )” Esta pesquisa procurou compreender como o cérebro humano poderia produzir padrões complexos através de células cerebrais conectadas, ou neurônios. Uma das principais ideias que surgiram deste trabalho foi a comparação de neurônios com um limite binário com a lógica booleana (ou seja, 0/1 ou declarações verdadeiro/falso).   

1958: Frank Rosenblatt é creditado com o desenvolvimento do perceptron, documentado em sua pesquisa, "The Perceptron: A Probabilistic Model for Information Storage and Organization in the Brain" (um modelo probabilístico para armazenamento e organização de informações no cérebro) (o link está fora do ibm.com). Ele leva o trabalho de McCulloch e Pitt um passo adiante, introduzindo pesos na equação. Utilizando um IBM 704, Rosenblatt conseguiu fazer com que um computador aprendesse a distinguir as cartas marcadas à esquerda das cartas marcadas à direita.

1974: Enquanto vários pesquisadores contribuíram para a ideia de backpropagation, Paul Werbos foi a primeira pessoa nos EUA a notar sua aplicação dentro de redes neurais dentro de sua tese de doutorado (link reside fora ibm.com).

1989: Yann LeCun publicou um paper (link reside fora de ibm.com) ilustrando como o uso de restrições na backpropagação e sua integração na arquitetura de rede neural pode ser usado para treinar algoritmos. Esta pesquisa conseguiu com sucesso utilizar uma rede neural para reconhecer dígitos de códigos postais escritos à mão fornecidos pelo Serviço Postal dos EUA.

Soluções relacionadas
Soluções de deep learning

Crie redes neurais complexas. Experimente em escala para implementar modelos de aprendizagem otimizados dentro do IBM Watson Studio.

Explore soluções de deep learning
IBM Watson Studio

Crie e escale a IA confiável em qualquer nuvem. Automatize o ciclo de vida da IA para ModelOps.

Conheça o IBM Watson Studio
watsonx.ai

Dê o próximo passo para começar a operacionalizar e ajustar a escala da IA generativa e aprendizado de máquina para os negócios.

Explore o watsonx.ai
Recursos AI in the enterprise, 2021: Unleashing opportunity through data

Inscreva-se em nosso e-book para obter insights sobre as oportunidades, desafios e lições aprendidas com a infusão de IA nos negócios.

IA, aprendizado de máquina, deep learning, redes neurais: qual é a diferença?

Esses termos são frequentemente usados de forma intercambiável, mas quais diferenças tornam cada uma tecnologia única?

Redes neurais do zero

Obtenha uma compreensão profunda das redes neurais, suas funções básicas e os fundamentos da construção de uma.

Dê o próximo passo

Treine, valide, ajuste e implemente IA generativa, modelos de base e recursos de aprendizado de máquina com o IBM watsonx.ai, um estúdio empresarial de próxima geração para construtores de IA. Crie aplicações de IA em menos tempo com menos dados.

Explore o watsonx.ai Agende uma demonstração em tempo real