Vamos repensar o IT DevOps
Assista ao vídeo (03:20)
linhas conectadas com pontos

E se você tivesse que projetar seu processo de DevOps de TI para uma nova empresa? O que você automatizaria para fazer melhores previsões e acelerar o fornecimento de aplicativos?

Repensando as operações em nuvem

Ver todos os capítulos

Em vez de falar sobre a quantidade de dias entre as implementações, você deveria falar sobre a quantidade de atualizações por período de tempo. Chris Farrell Vice President, Automation Value Services IBM

"Muitas empresas existem por causa de aplicativos, o que significa que o desempenho do aplicativo é a medida mais crítica fora da receita", diz Chris Farrell, vice-presidente de software de serviços de valor em automação na IBM. "Quando o seu aplicativo é o seu negócio, a velocidade é tanto uma arma quanto um indicador da qualidade do seu aplicativo."

Neste mundo de hiperimplementação, Farrell diz que é fundamental que as organizações "invertam o script" sobre como pensam em alcançar a integração contínua e a entrega contínua (CI/CD). "Em vez de falar sobre a quantidade de dias entre as implementações, você deve falar sobre a quantidade de atualizações por período de tempo", diz ele. “Quanto mais curto o período de tempo, mais você avança na linha.”

Se eu fosse projetar o processo de DevOps de TI para uma nova empresa, eu me concentraria em automatizar a última etapa, o monitoramento. Chris Farrell Vice President, Automation Value Services IBM

A série da IBM "Rethink & Automate" convida os líderes a repensarem processos comuns de negócios e TI, por meio de uma perspectiva inovadora e adotando a automação. O processo típico de DevOps é um conjunto cíclico de oito etapas: planejamento, programação, criação e teste, seguido de liberação, implementação, operação e monitoramento.  Quando um dos oito passos fica mais lento, todo o pipeline fica mais lento.

"Fora do mundo "nativo digital", melhorar a velocidade pode ser ainda mais crítico para as grandes empresas estabelecidas", escreve Hans A.T. Dekkers da IBM em "A velocidade da arquitetura mais inteligente", um artigo publicado pelo IBM Institute for Business Value. "Quando vemos a expectativa de vida média das empresas no S&P 500 cair de 60 anos (na década de 1960) para menos de 20 anos (hoje), com uma tendência acelerada de faturamento ainda maior, estamos vendo os efeitos de ter, ou não, velocidade."

Comece agora mesmo

Descubra novas maneiras de melhorar seu processo de DevOps de TI em um Workshop gratuito de inovação de automação.

Solicite um workshop

Para alcançar a CI/CD, os desenvolvedores precisam construir uma vez, implementar em algum lugar e gerenciar o pipeline constantemente. Veja como a Farrell reprojetaria o ciclo típico usando automação, observando que quaisquer melhorias exigem "um compromisso completo com DevOps e um desejo de alcançar a entrega contínua".

Migre do monitoramento para a observabilidade

"Isso pode surpreender as pessoas, mas se eu fosse redesenhar o processo DevOps do zero, meu primeiro foco seria o último passo: monitoramento", diz Farrell. "Você deve se livrar das ferramentas do espaço de monitoramento tradicional e migrar para a observabilidade o mais rápido possível. Lembre-se de que quanto mais cargas de trabalho você aplicar a observabilidade, mais rapidamente e com mais precisão qualquer membro de Ops pode navegar de um problema até sua causa raiz, sem envolver desenvolvedores e outros especialistas no assunto."

Você precisa sair do espaço de monitoramento tradicional e migar para a observabilidade. Chris Farrell Vice President, Automation Value Services IBM

Em TI, a observabilidade refere-se a ferramentas e práticas de software para agregar, correlacionar e analisar um fluxo constante de dados de desempenho de um aplicativo distribuído, juntamente com o hardware e a rede em que ele é executado, para que você possa solucionar problemas e depurar o aplicativo e a rede de forma mais eficaz. A observabilidade é uma evolução natural do monitoramento do desempenho do aplicativo (APM) para lidar melhor com a natureza cada vez mais rápida, distribuída e dinâmica das implementações de aplicações nativas em nuvem.

Fora do monitoramento, cada passo do processo DevOps já tem muitas ferramentas que aceleram, integram e automatizam o processo. “As ferramentas de monitoramento tradicionais enfrentam dificuldades com pipelines acelerados e stacks de tecnologia moderna, especificamente porque a configuração manual, a reconfiguração e/ou a redistribuição tornam as coisas mais lentas”, diz Farrell. A plataforma de observabilidade oferece compreensão, visibilidade com contexto e se ajusta a quaisquer mudanças em tempo real, o que significa que está sempre atualizada.

A observabilidade é mais democrática. Ela foi criada para ajudar todos que têm interesse em aplicativos a ver os dados que precisam. Chris Farrell Vice President, Automation Value Services IBM

A observabilidade também une aplicativos e infraestrutura, o que é necessário à medida que os limites entre o código do aplicativo, a infraestrutura baseada em código e as stacks de hardware se confundem. "Se você pensa na necessidade de velocidade em todo o pipeline, as plataformas precisam ser tão flexíveis e rápidas quanto o próprio código do aplicativo", diz Farrell.

Automatizar a observabilidade para obter mais velocidade e resultados

“A necessidade de adotar a observabilidade é absoluta, mas precisa ser automatizada”, diz Farrell. Uma plataforma de observabilidade automatizada com um mecanismo de análise permite que a própria plataforma forneça compreensão, recomendações e remediação de problemas. Você não precisa mais perder tempo diagnosticando problemas, isso é feito automaticamente.

A automação em todo o processo de DevOps de TI fornece vários outros benefícios além da velocidade. Feedback contínuo significa que os desenvolvedores podem tomar medidas rápidas e decisivas para a melhoria contínua. A detecção aprimorada de erros permite que os desenvolvedores façam a correção antes que os erros causem o que Farrell descreve como impactos "catastróficos". E, finalmente, a integração do sistema melhora a colaboração da equipe, permitindo que todos os profissionais de TI e DevOps de uma equipe alterem o código, respondam aos feedbacks e corrijam problemas sem atrasar seus colegas.

Como medir o sucesso Três maneiras pelas quais as empresas podem avaliar a velocidade e a frequência no DevOps de TI Velocidade do desenvolvedor

Também chamado de "velocidade de entrega de software", um termo para a velocidade de desenvolvimento e atualizações (e o que as organizações devem focar para melhorar seu processo de DevOps)

Prazo de entrega do conceito à receita

O tempo que leva para o software (ou qualquer atualização) começar a gerar capital

Sentir e responder

Com que eficiência uma empresa (e seus aplicativos associados) pode responder às mudanças no ambiente de negócios

De acordo com o relatório DORA 2018 Accelerate: State of DevOps (Link reside fora do ibm.com), as "organizações de elite" têm implementações de código 46x mais frequentes, um lead time 2.555 vezes mais rápido desde o commit até a implementação, uma taxa de falha de mudança 7x menor e são 2.604 vezes mais rápidas na recuperação de incidentes. Você pode ver o benefício exponencial de implementações mais frequentes, levando a versões aceleradas de novo software, e resoluções de incidentes milhares de vezes mais rápidas. "Uma das minhas correlações favoritas é a redução da taxa de falha de mudança, mesmo com a implementação mais rápida", diz Farrell.

Quando as organizações automatizam as oito etapas do processo, elas podem esperar mais qualidade e melhor satisfação do cliente. Mas, Farrell diz que seu benefício favorito é a velocidade. "Um exemplo que eu vi foi em um banco. Eles levariam aproximadamente de 10 a 12 meses para ter uma ideia de um produto antes que ele fosse lançado. Depois que adquiriram seus novos processos de DevOps, esse prazo mudou para duas semanas”, diz ele. "Você vê resultados absolutos e diretos do sucesso no mercado."

Próximos passos

Aprimore o monitoramento de desempenho dos seus aplicativos.

Descubra a facilidade de uso do IBM Instana Observability Faça experimentos na área de testes
Próximo capítulo

 

Vamos repensar as operações em nuvem.

Leia o capítulo 4
Cap. 1: Repensando o recrutamento Cap. 2: Repensando as operações de varejo Cap. 4: Repensando as operações em nuvem Cap. 5: Repensando o serviço ao cliente