5 mitos sobre o IBM Power Systems: Migrar do x86 para o Power é caro, difícil e arriscado

By | 7 minute read | 28/07/2020

“A migração dos bancos de dados Oracle para os IBM Power Systems é cara, difícil e altamente arriscada.”

Esse conselho foi dado por uma empresa de consultoria conhecida a um cliente que estava planejando migrar seus bancos de dados essenciais do x86 para os Power Systems.

Esse tipo de comentário é comum, e não faz diferença se a migração é para o AIX ou para o Linux. Os mitos podem ser propagados por concorrentes, consultores ou até mesmo por equipes técnicas em uma organização que não querem a mudança. Independentemente da origem, esse é um mito fácil de ser derrubado.

Neste post, da nossa série “5 mitos sobre o IBM Power Systems”, quero mostrar por que isso é um mito usando alguns exemplos de clientes cujos negócios cresceram após a migração para os Power Systems executando o Linux.

Aplicações de código customizado

Aqui estão três exemplos de clientes que extraíram o código da aplicação do x86, recompilaram-no no Power Systems e executaram-no sem precisar fazer nenhuma mudança. O desempenho inicial foi significativamente melhor e, com a otimização, aumentou até 8X mais em relação à solução baseada no x86.

Earth Signal

A Earth Signal Processing LTD é especializada em processamento de dados sísmicos de solo 2D e 3D, de alta resolução, ajudando os clientes a encontrar petróleo com uma computação ultrarrápida e ultradensa.

Conversei com Kevin Rakos, administrador de sistemas da Earth Signal, que me informou que as aplicações da empresa são escritas em C muito simples e usam o C++ somente quando necessário. O código é:

  • Endian neutro, permitindo a execução em sistemas big endian ou little endian, sem exigir mudanças.
  • Em conformidade com ANSI/POSIX.
  • Não otimizado para a plataforma x86.

Kevin disse que há aproximadamente dois milhões de linhas de código (800 programas e cerca de 150 bibliotecas) e que a recompilação no Power demorou cerca de uma hora. O software foi executado sem exigir nenhuma mudança, e a Earth Signal atingiu 40% de melhoria de desempenho sem nenhuma otimização. Os sistemas POWER8 cabem em um décimo do espaço de rack necessário para a solução x86. A Earth Signal também observou 40%de redução nos requisitos de energia e de resfriamento.

Kevin também mencionou que ao migrar esse código para o POWER9, eles observaram 100% de melhoria de desempenho sem recompilar nem otimizar o código.

Veja o estudo de caso (em inglês) para sabe mais detalhes.

 

LiveMon

A LiveMon é um fornecedor mundial de soluções de monitoramento inteligentes e altamente escaláveis que fornecem aos clientes alertas em tempo real (24×7) para assegurar que os sistemas críticos estejam sempre disponíveis e que a pesquisa de log ocorra em terabytes por segundo.

A LiveMon criou a primeira versão de seu sistema de monitoramento no x86 e no Linux. O CEO da LiveMon, Marc Pertron, queria outra opinião e, após uma breve avaliação, migrou sua aplicação para uma plataforma POWER8.

A aplicação da LiveMon é escrita em FPC (Free Pascal Compiler) e na linguagem de assembly, e foi altamente otimizada para a plataforma x86. Marc disse que o código base tinha cerca de 200 mil linhas e foi recompilado no sistema POWER8 em menos de duas horas. O suporte para little endian no POWER8 permitiu que o código x86 fosse executado sem modificação, e o desempenho inicial foi o dobro do desempenho da solução x86. A otimização adicional permitiu uma melhoria de desempenho 8X maior.

Até mesmo a migração do compilador foi executada em dois dias.

Confira este vídeo (em inglês) onde Marc descreve a experiência da LiveMon com a migração para o POWER8.

Vuble

A Vuble é uma plataforma de publicidade em vídeo que desenvolve soluções de análise, otimização e medição que simplificam o processo de comercialização de mídia. Utilizando dados comportamentais e do ambiente, a Vuble analisa, otimiza e mede cada impressão ao longo do processo de compra e comercialização de mídia.

Para a Vuble, a migração foi ainda mais fácil porque não exigiu nenhum tipo de recompilação. A Vuble executa o Ubuntu Linux e usa uma pilha básica de LAMP (Linux, Apache, MySQL, PHP) que conta com pacotes pré-compilados disponíveis para as distribuições PPC64 do Linux.

Pierre Claudon, CTO da Vuble, contou: “Usamos esses servidores para os serviços da web, portanto, não havia nada para ser recompilado. A transição foi muito rápida e fácil, pois estava, praticamente, apenas migrando arquivos de um servidor para outro.”

A Vuble observou uma redução de 5X no número de servidores físicos, uma redução de 15% nos tempos de resposta e uma redução de 94% na administração do servidor.

Claudon aponta outro benefício que realmente ajudou a derrubar o mito de que a migração do x86 para o Power é cara, difícil e arriscada: “Nós também definimos um cenário híbrido de desenvolvimento e produção. Os desenvolvedores continuam a escrever o código nas mesmas estações de trabalho x86 que sempre usaram e, em seguida, implementam-no nos servidores Power Systems.”

Veja o estudo de caso (em inglês) completo para saber mais.

Bancos de dados

Os bancos de dados geralmente são migrações de baixo risco. Aqui está um exemplo de como o risco pode ser baixo.

Empresa de varejo anônima

Uma grande varejista norte-americana com um ambiente de banco de dados híbrido, que inclui o DB2/LUW, o MongoDB e o Redis, precisou passar por uma migração do banco de dados. Ela tinha uma aplicação em lote em execução em um sistema x86 que estava consumindo todos os ciclos disponíveis no sistema. Uma prova de conceito foi definida para analisar como seria o desempenho dessa aplicação em uma plataforma POWER8/Linux. A aplicação foi executada com uma rapidez 12X maior do que no sistema x86 e Linux, com apenas 10% de utilização do processador, além disso, as tarefas que levavam mais de 24 horas foram concluídas em menos de uma hora.

O programa básico de dump e restauração do MongoDB foi usado para migrar o banco de dados do x86 para o POWER8, e o processo foi concluído em um dia útil, sem incidentes.

SAP HANA

Coop

O Coop Group é uma das maiores cadeias de supermercado na Suíça, com mais de 2.200 filiais. Como muitos dos primeiros consumidores do SAP HANA, o Coop comprou a versão do dispositivo x86 porque essa era a única solução disponível no mercado no momento.

O Coop precisou de uma solução nova e mais flexível devido às pressões do mercado, uma taxa de crescimento de 30% ao ano e limitações na arquitetura x86 que forçaram o grupo a reduzir o volume de dados que eram inseridos na aplicação de análise SAP.

O Coop substituiu seu cluster de escalabilidade horizontal de oito nós por uma única LPAR em execução em um de seus quatro servidores E880 de escalabilidade vertical executando o IBM PowerVM e o SUSE Linux e observou uma melhoria de desempenho 5X maior nas análises, com 85% a menos de núcleos. A migração foi concluída em menos de dois meses, sem incidentes.

Leia o estudo de caso (em inglês) para obter mais detalhes.

As vantagens são claras

Há custo e risco em qualquer projeto de migração, e isso precisa ser mensurado em relação ao custo e ao risco de não realizar a migração. Nos exemplos acima, os riscos da migração eram mínimos, e a análise de custo-benefício realizada por esses clientes justificou a migração para a solução baseada no Power. Em muitos casos, pode haver mais riscos em deixar as aplicações na plataforma x86 do que em migrá-los para os Power Systems.

Esses cinco clientes representam milhares de clientes que migraram suas aplicações e bancos de dados baseados no x86 para os IBM Power Systems. Novamente, os benefícios para o cliente são claros:

  • Aumento de desempenho.
  • Aumento de confiabilidade.
  • Diminuição da área de cobertura (número de núcleos e sistemas físicos).
  • Diminuição do custo de administração dos sistemas.

Minha pergunta para qualquer empresa que executa um ambiente x86 seria esta: “Como a Earth Signal, se você pudesse migrar para uma solução baseada no Power e obter 40% de melhoria de desempenho, reduzir os custos de energia e resfriamento em 40% e fazer tudo isso em um décimo do espaço de rack dos sistemas x86 atuais… Por que não fazer isso?”.

O IBM conta com um time de especialistas prontos para ajudá-lo a aproveitar ao máximo o Linux no Power System e para auxiliá-lo em qualquer sobre a migração de aplicações e bancos de dados baseados no x86 para os IBM Power Systems. Agende uma conversa com o especialista aqui.