Voltar ao início

Edifícios mais inteligentes

Dado o impacto ambiental dos mesmos, é tempo de projectarmos da terra para cima

Edifícios ecológicos

Edifícios ecológicos são edifícios inteligentes


Se estiver sentado num edifício de escritórios comum enquanto lê este artigo, tire alguns instantes para escutar o barulho à sua volta e respire.

O sistema AVAC, as luzes, a água, os elevadores, a energia e o arrefecimento necessários para a tecnologia, o aquecimento e o arrefecimento necessários para as pessoas: tudo isto contribui para tornar os edifícios numa fonte significativa de emissões de gases com efeito de estufa—e um dos principais utilizadores de energia. Na verdade, até 2025, os edifícios irão utilizar mais energia do que qualquer outra categoria de "consumidor." (Já actualmente, nos Estados Unidos, representam 70% do consumo de energia.) E 40% da actual produção mundial de matérias-primas tem como destino os edifícios. São cerca de 3 mil milhões de toneladas ... anualmente.

Os edifícios são responsáveis por 70% do actual consumo de electricidade nos Estados Unidos.

 

Entre quatro paredes: o inquérito IBM sobre edifícios mais inteligentes

Apenas um terço das pessoas afirmam que os seus edifícios são ecológicos. 27% das pessoas que trabalham em escritórios afirmam que os seus edifícios se ajustam automaticamente ao ambiente com base na ocupação. 14% afirmam que os seus edifícios utilizam fontes de energia renováveis. 65% ajudariam a redesenhar o local de trabalho de modo a torná-lo mais ecológico. Tempo acumulado despendido num elevador ou à espera de um nos últimos 12 meses: 125 anos.

Os edifícios de escritórios dos Estados Unidos não conseguiram acompanhar a revolução na automatização que atravessa a vida moderna, de acordo com um novo inquérito realizado pela IBM aos trabalhadores de escritório americanos (PDF, 294KB). O inquérito abrangente indica que as ineficiências incorporadas nos edifícios de escritórios estão a ter consequências negativas em termos de perda de produtividade e aumento de custos.

O inquérito revelou ainda uma enorme vontade, entre os trabalhadores, de ajudar a transformar os seus escritórios em ambientes mais inteligentes.

Los Angeles surgiu como a clara vencedora no estudo IBM Smarter Buildings, o qual inquiriu 6.486 trabalhadores de escritório em 16 cidades dos Estados Unidos, sobre questões que variam desde a segurança e automatização dos edifícios de escritórios a questões relacionadas com a conservação e nível de segurança dos elevadores. Os inquiridos responderam a uma série de questões sobre os edifícios de escritórios onde trabalham.

Ao nível nacional, apenas 33% dos inquiridos classificaram os seus edifícios de escritórios em termos de responsabilidade ambiental como "um pouco elevada," "muito elevada" ou "extremamente elevada". Além disso, 65% afirmaram que participariam na transformação do espaço de trabalho nos respectivos edifícios de escritório de modo a torná-lo mais ecológico.


Elevadores: o custo do tempo. Este gráfico compara a quantidade total de tempo, calculado em anos, que os trabalhadores de escritório em 16 cidades dos Estados Unidos despenderam à espera de um elevador ou dentro de um ao longo dos últimos doze meses. Fonte: Inquérito IBM sobre edifícios mais inteligentes, Abril de 2010.

A análise dos resultados do inquérito indicou muitas outras descobertas a nível nacional relativamente ao nível de inteligência dos edifícios nos Estados Unidades:

  • 79% dos inquiridos afirmam que conservam recursos como, por exemplo, água ou electricidade como parte da rotina diária no trabalho.
  • 75% afirmam que existiria uma maior probabilidade de conservarem recursos no trabalho se fossem recompensados pelo esforço.
  • 31% afirmam que os seus edifícios de escritórios possuem casas de banho de baixo consumo de água.
  • Mais de um quarto (26 por cento) dos inquiridos afirmam que são utilizados materiais sustentáveis e de baixa emissão para promover uma melhor qualidade do ar interior nos respectivos edifícios de escritórios.
  • 14% referem que os respectivos edifícios de escritórios utilizam energia solar ou outra fonte de energia renovável.
  • 13% ficaram presos num elevador dos respectivos edifícios nos últimos 12 meses e, desse grupo, 33% ficaram presos entre 5 e 10 minutos, e outros 22 % ficaram presos durante mais de 10 minutos.



Índice dos edifícios mais inteligentes: a IBM compilou os resultados do inquérito num Índice dos Edifícios Mais Inteligentes, o qual classifica a eficiência em cada cidade numa escala de 1 a 10, sendo que 10 corresponde ao melhor. Elevada: Los Angeles; Quase elevada: São Francisco; Boston; Atlanta; Média: Seattle; Houston; Dallas; Chicago; Denver; Nova Iorque; Detroit; Baixa. O índice abrange 10 elementos: tempos de espera de elevador. acesso à Internet, acesso por cartão de identificação, luzes que se apagam automaticamente à noite, existência de sensores que ajustam as luzes e a temperatura quando as pessoas entram e saem das salas, utilização de fontes de energia renováveis, casas de banho de baixo consumo de água, utilização de produtos amigos do ambiente, opinião dos inquiridos sobre o quão amigo do ambiente é o edifício, vontade de os inquiridos participarem na nova concepção do edifício. Fonte: Inquérito IBM sobre edifícios mais inteligentes, Abril de 2010.