Comments (3)
  • Add a Comment
  • Edit
  • More Actions v
  • Quarantine this Entry

1 localhost commented Permalink

Prezado Luis Herrera,<div>&nbsp;</div> compreendo sua preocupação e seu pensamento. Agora vamos ver os mesmos pontos com outra visão, utilizando seu exemplo.<div>&nbsp;</div> Enquanto essa mesma empresa que investiu alto em pessoal, infra, hardware etc e criou um novo software do zero, uma outra também fez investimentos em pessoal, infra, hardware etc mas, por outro lado, utilizou código aberto, já pronto e disponível, desenvolvendo um software semelhante ao que a a primeira criou. Qual você acha que terá um custo de desenolvimento menor? E qual ficaria pronto primeiro, caso as equipes e estruturas fossem semelhantes? Ou ainda qual software atingiria uma grau de maturidade considerado muito bom mais rapidamente?<div>&nbsp;</div> o segundo ponto é que o fato de um software ser livre não obriga o mesmo a ser gratuito. E mesmo que seja, com a complexidades dos softwares de hoje em dia, se faz necessário treinamento e suporte para a plena utilização de todas as funcionalidades do mesmo. Outra coisa, você não precisa liberar 100% do código do seu produto. Se o mesmo for desenvolvido de forma modular e estruturada, pode-se disponibilizar apenas as partes básicas do mesmo, deixando as partes que fazem a diferença dos concorrentes fechadas, de forma que você garanta o diferencial e "segurança do código" que tanto almeja.<div>&nbsp;</div> Mas lembre-se, que da mesma forma que você desenvolveu um rotina "super-mega-power" poderosa, outros profissionais também podem fazê-lo, bastando para isso ver o seu software funcionando uma única vez, entender como ele funciona e fazer um outro que faça a mesma coisa, talvez melhor.<div>&nbsp;</div> Espero ter esclarecido alguns pontos dos seus questionamentos.<div>&nbsp;</div> Abraços.

2 localhost commented Permalink

Luis Herrera comentou algo interessante, pois ele causou uma confusão que muitos também causam. Ele confundiu código aberto com software gratuito.<div>&nbsp;</div> "Reflexão:- Como uma empresa pode sobreviver criando programas para oferecer gratuitamente?<div>&nbsp;</div> - Será que é possível trabalhar de graça, sem ter custos operacionais?<div>&nbsp;</div> - Tudo que se dá "De Graça" tem um objetivo oculto por trás, e que na maioria das vezes não é muito ético.<div>&nbsp;</div> - Não há garantia de continuidade, se não se tem um retorno sobre o que se faz."<div>&nbsp;</div> 1, 2, 3: estes são pontos que se aplicam a software GRATUITO, e não a código aberto (open source) e software livre (free sofware e GPL).<div>&nbsp;</div> 4: garantia de continuidade não existe, independente do modelo de licenciamento do software. A diferença é que com código aberto, caso o fabricante pare de suportar (Windows 98 da Microsoft, por exemplo), qualquer empresa ou individual pode pegar o código e adaptar as suas necessidades. O poder fica na mão do usuário da tecnologia, e não do fabricante.<div>&nbsp;</div> Recomendo a todos que pensam como o Luis Herrera a ir buscar a definição correta de código aberto para evitar o papelão de confundir com software gratuito (o qual possui um termo proprio há muito tempo: freeware).

3 localhost commented Permalink

A princípio agradeço ao Sr. Marco Antonio Abreu pelas explicações que ajudaram a ver com outros "olhos" esse conceito de Open Source.<div>&nbsp;</div> Já ao Henrique Alves, quero dizer que palavras podem ser interpretadas de várias formas, em função do contexto usado, principalmente o idioma português que tem vários significados para qualquer palavra, em função de sua riquesa e da lingua ser considerada altamente VIVA, pois diariamente surgem novos vocábulos.<div>&nbsp;</div> Sobre o "papelão" que ele citou, desculpe mas não concordo. Papelão é alguém criticar outro sem uma correta avaliação, principalmente porque a finalidade, acredito eu, seja de compartilhar e elucidar e não de menospresar os outros.<div>&nbsp;</div> Meu comentário, ao usar as palavras "gratuitamente" e "de graça" nos itens denominados por ele de 1,2,3, não se referem ao software gratuito, vulgo Freeware, mas sim a entregrar todo o trabalho realizado de forma aberta, então o "gratuitamente" para qualquer um. Isso quer dizer que se trabalha, perquisa e desenvolve com um grande custo e se transfere o conhecimento "gratuitamente" ao disponibilizar o código fonte aberto, vulgo "open source". Isso foi o exposto e não como fui interpretado.<div>&nbsp;</div> Contudo a grande explicação do Sr. Marco Antonio Abreu elucidou o fato tão claramente. Não havia pensado nessa hipótese de se ter parte do código protegido e parte aberta para aperfeiçoamento, desta forma o serviço de suporte e treinamento sim fazem todo o sentido.<div>&nbsp;</div> Espero com isso ter esclarecido uma colocação talvez indevida de um termo, apesar de em um dos itens ter colocado o mesmo entre aspas, mas isso é compreensível, pois faz parte da natureza humana.<div>&nbsp;</div> Obrigado novamente.