Software open source vs software closed source

O open source é uma forma de se planejar e colaborar dentro da comunidade de software livre. Esta filosofia tem base na liberdade intelectual e nos princípios fundamentais: transparência, colaboração, entrega, inclusão e comunidade. A troca de ideias e softwares desenvolvidos pelas comunidades tem impulsionado o avanço criativo, científico e tecnológico em indústrias, como: educação, governo, direito, saúde e manufatura. Esse novo método de trabalho permitiu a comunidade global colaborar, compartilhar e auxiliar  as metas individuais e de grupo por meio do código-fonte.

O software open source é colaborativo, conta com a produção comunitária e revisão por colegas para usar, mudar e compartilhar código-fonte. Desenvolvedores compartilham insights, ideias e códigos para criar soluções de software mais inovadoras coletivamente e individualmente. Este software escalável e flexível garante que qualquer pessoa com o código-fonte  possa modificar, aprimorar e redistribuí-lo para promover melhor reuso e acesso. O Open source software opera com os princípios básicos de produção em pares e colaboração em massa, criando um desenvolvimento de software mais sustentável para  usuários finais.  

O closed source software (CSS) é um software proprietário, ou seja, não é distribuído para o público. O software é criptografado, portanto, apenas os autores originais que criaram o código exclusivamente têm direitos de copiar, modificar, atualizar e editar legalmente o código-fonte. O closed software impõe restrições sobre o que o usuário final pode fazer com o aplicativo, impedindo os usuários de modificar, compartilhar, copiar ou republicar o código-fonte.

Além do open e closed source, existe o Free/Open Source Software (FOSS) que permite que os usuários acessem o software de uma perspectiva mais filosófica. Dentro do FOSS, há a Free Software Foundation (FSF) para proteger a liberdade do usuário e a Open Source Initiative (OSI) para assegurar os valores técnicos do software confiável. Há uma grande variedade de licenças de software livre que podem ser usadas, modificadas e vendidas comercialmente, incluindo: Licenças GPL, LGPL e BSD.

Algumas das licenças de open source software mais populares incluem:

  • MIT License©:A MIT License é uma licença de software livre que permite que os usuários modifiquem o código original com poucas restrições. 
  • GNU General Public© (GPL): O GNU é uma série de licenças de software livre que garantem aos usuários finais a capacidade de executar, estudar, compartilhar e modificar o software. 
  • Apache®: A Apache License 2.0 é uma licença de software livre que permite que os usuários usem, modifiquem e distribuam o software para qualquer propósito. 
  • BSD: Essa licença tem menos restrições aos desenvolvedores, permitindo que os usuários usem e modifiquem o código sem ter que compartilhar modificações.
  • MySQL™: O MySQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados de open source com duas licenças separadas - o MySQL Standard Edition e o MySQL Enterprise Edition.
  • SUSE: O SUSE Linux foi desenvolvido com kernel Linux de open source e distribuído com sistema e software de aplicativos.
  • Ubuntu®: O Ubuntu é uma distribuição Linux feita de software livre e open source com versões para desktop, cloud e IoT.

A história do Unix® e do Linux

Desenvolvido pela Unix e iniciado em 1969 no AT&T® Bell Labs como um produto proprietário, mas licenciável.Para os próximos dez anos, o desenvolvimento do Unix teve várias versões incluindo V6, que se tornou a primeira versão disponível fora do Bell Labs.

Esse código logo chamou a atenção da comunidade acadêmica devido à natureza da nova linguagem. A University of California em Berkley iniciou o desenvolvimento de sua próprio Unix e logo desenvolveu uma versão acadêmica chamada de Berkley Software Distribution (licença BSD). Simultaneamente, a AT&T evoluiu sua versão do Unix para o Sistema V. Essas duas versões acabaram se fundindo para criar a sétima edição unificada do Unix e depois evoluíram ainda mais para programas, tais como: Sun Solaris, FreeBSD, NetBSD e OpenBSD.

Em 1984, Richard Stallman criou um clone livre do Unix chamado GNU (GNU não é Unix). Esta versão estava aberta para ser usada de maneira livre, modificada e redistribuída conforme a necessidade. Em 1991, a Linus Torvalds criou o kernel do sistema operacional conhecido como “Linux” ou o kernel do Linux. Combinado com os componentes FSF e BSD, o Linux se tornou um sistema operacional completo. Ele agora pode ser executado em várias arquiteturas e foi adotado ou suportado por fornecedores antigos da Unix.


Open source nas empresas

O open source corporativo é mais do que um software livre, é uma integração de uma única biblioteca open source com licença livre que é executada em open source. Para ser um open source corporativo, um produto deve ser testado, ajustado e avaliado por uma equipe de segurança que pode responder a problemas de segurança a fim de identificar quaisquer falhas. O open source corporativo também possui recursos convenientes, como conexão única (SSO) e integração com plataformas SSO, além de gerenciamento de diretório.

Os ambientes de TI corporativos requerem muito investimento e planejamento, muitas vezes tornando o software desatualizado pelo tempo que os aplicativos são instalados. Esses aplicativos também muitas vezes requerem treinamentos e certificações adicionais, que são declarados nos acordos de serviços. No entanto, o open source corporativo tem um ciclo de vida previsível com informações e componentes que se movem em velocidades diferentes. O software tem uma longa expectativa de vida com aplicações importantes. Por exemplo, o Red Hat® Enterprise Linux tem um ciclo de vida de 10 anos.   

Muitas empresas e indivíduos preferem usar o software open source do que o software proprietário ou comercial devido à sua versatilidade, segurança, evolução, comunidade, treinamento e estabilidade. O open source apresenta algumas vantagens: custo e economia, flexibilidade de customização de código e liberdade de alavancar uma comunidade em vez de um único fornecedor. O open source também apresenta algumas desvantagens: suporte abaixo da média, documentação deficiente, complexidade indevida, publicidade intrusiva e vulnerabilidades.

Para aqueles que ainda precisam de software proprietário, existem as desvantagens de trabalhar com um software desatualizado, produtos em massa, custos mais altos ou inesperados, acordos de licenciamento confusos e dependência de um único fornecedor.  No entanto, algumas empresas são atraídas por um único fornecedor para compras completas, produtos escalonáveis de nível corporativo, interface profissional, atualizações de rotina, não há necessidade de programação e integração com aplicativos e produtos. 


História e evolução

Compromisso com o software livre

Muitas empresas como a IBM têm se comprometido com o open source, desde apoiar comunidades emergentes até contribuir para o desenvolvimento de licenças e defender mecanismos de governança e padrões.

Modelos flexíveis de blockchain

Descubra mais sobre o Hyperledger Fabric, o framework blockchain que está ajudando os profissionais inovadores com uma transformação global de negócios.

Recursos

Experiência em open source corporativo

Saiba como sua empresa pode criar, adotar e ajustar a escala do open source para promover um ambiente corporativo com software livre.

Novos projetos de open source

Nossos desenvolvedores estão criando novos códigos de open source para blockchain, contêineres e IA.

Estudo de mercado da Forrester

Saiba como as empresas estão aproveitando a tecnologia de open source para adoção de software em grande escala.

Soluções

Soluções de servidor Linux

Integre o Linux em sua infraestrutura de TI local e na cloud para melhorar a flexibilidade e o controle.

Linux on IBM Z

O sistema operacional Linux na plataforma de mainframe IBM Z apresenta privacidade de dados e segurança cibernética em uma multicloud híbrida.

IBM LinuxONE

Descubra o servidor protegido de open source software com segurança e escalabilidade ideais para aplicativos críticos.

Enterprise Linux on Power Systems™

Gerencie grandes quantias de dados para cargas de trabalho modernas usando esses servidores operacionais e infraestrutura aberta.

Sistema operacional IBM AIX®

Aproveite de um sistema operacional escalonável com base em padrões com configurações de segurança confiáveis, tempo de atividade incomparável e proteção do investimento garantida.

Aplicativos Red Hat na IBM Cloud

Com o Red Hat, é possível criar e desenvolver aplicativos para implementar em cloud pública ou privada IBM.