Visão geral

Por que a interoperabilidade é importante na assistência médica?

Sempre foi um desafio acessar e compartilhar dados de saúde de maneira segura. A natureza dos dados de saúde cria um paradoxo: Eles são difíceis de compartilhar porque são sensíveis e requerem um alto nível de privacidade e segurança. No entanto, se não for possível acessá-los quando eles forem necessários, poderão ocorrer danos significativos. A falta de interoperabilidade pode resultar em uma compreensão incompleta das necessidades de saúde de um indivíduo ou população, o que pode gerar resultados piores e custos mais elevados.

Com o envelhecimento das populações em todo o mundo e o tempo maior de vida das pessoas, a interoperabilidade e o compartilhamento de dados vão se tornando cada vez mais essenciais para uma assistência médica eficaz. Nos Estados Unidos, a Agency for Healthcare Research and Quality estimou que dois em cada três americanos mais idosos têm pelo menos duas condições comportamentais ou físicas crônicas. O tratamento de pessoas com diversas condições crônicas é responsável atualmente por cerca de 66% dos custos de assistência médica nos EUA.

Em seu roteiro nacional (PDF, 3,5 MB), o Office of the National Coordinator for Health Information Technology (ONC) diz que o uso de registros eletrônicos de saúde (EHRs) aumentou drasticamente nos Estados Unidos. Muitos hospitais agora têm acesso de rotina a registros médicos e dados de pacientes de provedores externos, no entanto, menos da metade deles está integrando os dados recebidos aos registros individuais dos pacientes. Por isso, embora o acesso a dados clínicos essenciais tenha melhorado, ainda há muito trabalho a se fazer para unir as partes interessadas e criar um ecossistema de dados integrado.

Além de ajudar os médicos e outros provedores de assistência médica a ter uma visão mais completa de seus pacientes, a interoperabilidade de dados de saúde ajuda as empresas de todo o mercado de assistência médica. Se os sistemas de informação de saúde fossem mais integrados, os planos de saúde seriam capazes de desenvolver uma melhor compreensão de suas taxas de utilização e da demanda por serviços. Prestadores de serviços governamentais seriam capazes de acessar dados da população para ver as tendências e atender às necessidades dos seus cidadãos. Além disso, as empresas de ciência da vida seriam capazes de potencializar conjuntos de dados robustos para conduzir pesquisas mais rápidas e informadas.

Com uma melhor interoperabilidade, as empresas parariam de tratar os indivíduos como pacientes em um dia, membros do plano de saúde em outro e consumidores de apps de saúde depois disso. Em vez disso, os responsáveis pela decisão do setor seriam capazes de analisar como as pessoas acessam e usam as informações de saúde, independentemente da origem, para conduzir melhores modelos de assistência, buscar uma segurança melhor para o paciente e melhorar as experiências das pessoas atendidas.

Benefícios da interoperabilidade na assistência médica

Melhor gerenciamento de assistência

Com acesso aos dados, os médicos têm acesso mais fácil às informações de saúde mais importantes de um paciente, o que pode levar a uma menor repetição de testes, à prevenção de interações de tratamento inadvertidas e à redução das falhas de comunicação.

Desempenho superior

Quando os dados podem ser combinados mais facilmente, eles também podem ser analisados mais facilmente. A interoperabilidade possibilita que as empresas estudem as tendências dos dados, o desempenho anterior e façam melhorias orientada por dados no atendimento aos pacientes e em outras áreas.

Melhores experiências

A interoperabilidade de dados pode reduzir a quantia de trabalho administrativo redundante dentro e fora das empresas, criando uma experiência mais satisfatória para os funcionários e os pacientes.

Visão geral do FHIR

O que é o FHIR?

Fast Healthcare Interoperability Resources, também conhecido como FHIR, é um modelo de padrões de software livre para dados de assistência médica que se baseia em um modelo de padrões anterior chamado HL7. O FHIR foi criado para facilitar a transferência dos dados de assistência médica entre sistemas.

Ele organiza os dados em recursos como pacientes, condições, medicamentos e fornece uma estrutura padronizada de organização e interpretação desses dados por diferentes aplicativos ou sistemas de computador. O FHIR também pode ser usado para estruturar dados financeiros e dados de fluxo de trabalho, como informações de reclamações, compromissos, entre outros.

Muitos grandes sistemas de assistência médica nos Estados Unidos já adotaram o FHIR em suas práticas de TI de saúde. A iniciativa Blue Button 2.0 da Medicare se baseia no FHIR e a Veteran’s Affairs Administration desenvolveu uma plataforma de FHIR chamada Lighthouse. Ambas fornecem plataformas para o acesso de pacientes a informações de assistência médica através do FHIR.

O National Coordinator for Health IT nos Estados Unidos fez do FHIR a parte fundamental do roteiro de interoperabilidade nacional (PDF, 3,5 MB). Novos regulamentos governamentais e regras de interoperabilidade requerem a adoção mais ampla do FHIR, por isso, é essencial que as empresas de assistência médica, especialmente aquelas que recebem pagamentos de serviços Medicare ou Medicaid, entendam o FHIR e o incorporem em suas estratégias de interoperabilidade.

Trocas de informação de saúde

Interoperabilidade e trocas de informação de saúde

Os consumidores modernos têm grandes expectativas quanto ao acesso a informações, e muitos agora esperam acesso rápido e contínuo a registros sobre sua saúde e seus cuidados. Por isso, muitas empresas de assistência médica estão criando trocas de informação de saúde (HIE), que são redes especializadas que dependem de sistemas interoperáveis para compartilhar informações eletrônicas de saúde de maneira perfeita e segura.

Ainda que a adoção de EHRs tenha sido um bom primeiro passo para a criação de HIEs, ainda há muitos desafios que precisam ser superados para alcançar o nível de interoperabilidade necessário para obter todos os benefícios dos HIEs. Entre os desafios estão:

Falta de padronização: embora os formatos de registro padrão, como o FHIR e o HL7, estejam se tornando mais comuns e novos regulamentos estejam pressionando os fornecedores de EHR a oferecer APIs que suportem a interoperabilidade, muitos provedores e sistemas de assistência médica usam sistemas customizados de EHR que podem ser difíceis de converter para um formato padrão e de compartilhar com outros.

Segurança: pode ser um desafio para as empresas de assistência médica equilibrar a necessidade de ter informações de saúde acessíveis com a necessidade de proteger informações sensíveis e manter a privacidade do paciente, especialmente com o número crescente de ciberataques em sistemas de assistência médica (PDF, 1,3 MB).

Consentimento: ao criar sistemas digitais de saúde nos quais a informação de saúde flui livremente de provedor para provedor, nem sempre é claro quando o consentimento do paciente é necessário e qual o nível de consentimento necessário. As empresas de assistência médica estão cautelosas com isso, compreensivelmente, e tendem ao erro ao optar por não compartilhar informações.

Dificuldades profissionais: quando novas ferramentas de registros são introduzidas, as pessoas precisam aprender a usá-las. Os profissionais de assistência médica são frequentemente cautelosos com novos sistemas, pois os sistemas de EHR costumam se sair melhor no suporte aos fluxos de trabalho administrativos e de faturamento do que às necessidades dos clínicos.

Esses desafios não são impossíveis. Com os avanços em computação em cloud, especialmente em cloud híbrida, as empresas têm mais facilidade para movimentar e proteger os dados de maneira consistente. Os ambientes de cloud oferecem oportunidades para que as empresas desenvolvam pipelines de dados que os padronizem em um formato padrão de mercado como o FHIR e proporcionem acesso seguro a pessoas que precisam deles, como pagadores, provedores ou pacientes.

um homem em pé olhando para uma lousa branca

Saiba mais sobre a ativação da interoperabilidade de dados de saúde

Exigências governamentais

Esforços do CMS para promover a interoperabilidade

Em 2016, o presidente Obama deu um grande passo para resolver o bloqueio de informações ao assinar o 21º Century Cures Act, que requer que os sistemas de EHR forneçam uma API voltada ao paciente para manter sua certificação federal. Em 2020, o Centers for Medicare and Medicaid Services (CMS) emitiram uma norma que requer que os provedores e planos de saúde que recebem recursos federais de seus programas adotem medidas para tornar as informações de saúde mais fáceis de acessar.

A maioria das políticas se concentra em incentivar que os pagadores implementem interfaces de programação de aplicativos (APIs) e trocas de dados que fornecem acesso seguro aos diretórios dos provedores, às reclamações do paciente e a outros recursos que facilitariam o acesso oportuno aos dados. Esse acesso daria aos pacientes, assim como aos provedores e pagadores, uma visão mais abrangente dos cuidados que as pessoas recebem e apoiariam esforços mais amplos de saúde pública.

profissional de saúde trabalhando em seu laptop

Prepare-se para a interoperabilidade

Veja como os padrões de interoperabilidade obrigatórios afetarão sua empresa.

Desafios de interoperabilidade

Os desafios da interoperabilidade na assistência médica

Embora muitos especialistas e líderes de assistência médica concordem que uma melhor interoperabilidade melhoraria a assistência médica de modo geral, há desafios comuns que as empresas de assistência médica tendem a enfrentar à medida que trabalham para tornar seus dados e sistemas mais interoperáveis. Vamos explorar esses desafios e ver como as empresas podem superá-los:

Coordenação desarticulada
Melhorar a interoperabilidade requer uma forte coordenação entre diferentes empresas, reguladores e líderes, além de coordenação interna nas empresas. Os reguladores fornecem padrões e regras para as empresas de assistência médica, mas aquelas que querem ser proativas quanto à interoperabilidade devem considerar a criação de uma estratégia de interoperabilidade dedicada e fazer com que o planejamento de interoperabilidade seja uma prioridade.

Orçamentos limitados
Nem todas as empresas têm os recursos financeiros ou técnicos necessários para investir na criação de um sistema verdadeiramente interoperável. Pode haver algumas concessões do governo disponíveis para atualizar os sistemas de registros de saúde, por isso, as empresas devem verificar se são elegíveis. Muitos fornecedores de cloud também oferecem modelos de pagamento pré-pago que poderiam tornar as despesas técnicas mais acessíveis e previsíveis.

Diversidade de necessidades de tecnologia
As empresas precisam seguir regras e regulamentos diferentes de acordo com o local e o tipo de atendimento fornecido, por isso, muitas empresas têm dados altamente customizados. As empresas podem ajudar a conectar diferentes sistemas internos e externos através de uma plataforma de cloud híbrida que oferece opções para combinar e integrar seus dados sem sacrificar as customizações necessárias.

Sistemas legados
As empresas de assistência médica com sistemas legados mais antigos enfrentam o duplo desafio de modernizar seus sistemas e atender aos requisitos de interoperabilidade. Para atender ambas as metas, deve-se usar uma abordagem de cloud híbrida para extrair dados de sistemas legados e torná-los mais acessíveis para aplicativos e programas modernos. Essa abordagem oferece a opção de manter a movimentação de dados durante a atualização dos sistemas.

Níveis de interoperabilidade

Níveis de interoperabilidade na assistência médica

A interoperabilidade para a assistência médica tem quatro níveis diferentes definidos por especialistas em informática e pela Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS). Alguns desses níveis podem ser alcançados hoje com os sistemas de TI e a arquitetura de TI de assistência médica existentes, mas outros requerem inovação e desenvolvimentos adicionais com relação a tecnologias centradas no paciente.

Esses níveis incluem:

um profissional de saúde analisando uma tela de computador

A jornada para a interoperabilidade

Descobrir as etapas de maturidade ao longo do caminho para a interoperabilidade

Recursos de interoperabilidade

Tecnologia em assistência médica

Descubra como a tecnologia irá moldar e conduzir inovações em assistência médica.

Transformação da assistência médica

Saiba como a tecnologia pode melhorar e suportar modelos de assistência centrados no paciente.

Análises de dados de assistência médica

Veja por que a assistência médica pode se beneficiar de insights e análises de dados robustos.

Benefícios da interoperabilidade para os pagadores

Conheça as oportunidades que a interoperabilidade oferece aos pagadores e seus membros.

Além da exigência de interoperabilidade de assistência médica

Saiba mais com dois especialistas sobre por que os investimentos de longo prazo em interoperabilidade valem a pena.

Soluções de interoperabilidade

Soluções de interoperabilidade de saúde

Da consultoria ao gerenciamento de dados e ao suporte intuitivo à API, a IBM oferece inúmeras soluções para suportar e desenvolver a estratégia de interoperabilidade de sua empresa.

Visualização universal e troca de imagens

Torne sua visualização de imagens mais simples com um visualizador universal de qualidade de diagnóstico que suporta a colaboração em tempo real de até dez usuários.

Archive neutro quanto ao fornecedor

Desenvolva uma estratégia de imagiologia que se conecte a toda a sua empresa com um archive de imagiologia que reúna todos os seus dados de imagem, independentemente da fonte ou do formato.

Sistema integrado de gerenciamento de desenvolvimento clínico

Simplifique seus testes clínicos com um sistema de gerenciamento de dados que oferece suporte em todas as fases do teste com uma plataforma intuitiva e unificada que pode ser usada em todos os seus sites de avaliação.

Consultoria de assistência médica

Os especialistas do setor podem ajudá-lo a lidar com os desafios de interoperabilidade e a desenvolver uma estratégia que suporte os requisitos e metas de sua empresa.