Watson Marketing Insights

O uso da computação cognitiva pelos profissionais de Marketing

Compartilhe:

Passamos hoje por uma situação bastante interessante, apesar de contraditória, no que se refere a como nos relacionamos com nossos clientes: nunca tivemos tantos dados e informações disponíveis que nos permitem conhecer e compreender a fundo seus interesses, mas por outro lado nossos desafios também nunca foram tão grandes para conseguir atingir esse resultado.

Há anos atrás, quando a quase totalidade dos dados disponíveis sobre nossos clientes estavam armazenadas nos nossos bancos de dados cadastrais ou transacionais, tínhamos uma quantidade limitada de informações que nos permitia entender os interesses e características desses consumidores.

Atualmente, com a massificação do uso da internet pelos dispositivos móveis, redes sociais, plataforma de publicação e compartilhamento de conteúdo, streaming de vídeo, comunidades e aplicativos de troca de mensagens, a quantidade de informações relevantes produzida pelos próprios clientes é imensa.

Estima-se que produzimos mais de 2,5 quintilhões de bytes (2,5 x 1018 bytes) de dados todos os dias, sendo 80% deles desestruturados (e-mails, tweets, posts, comentários, opiniões jurídicas, fotos, vídeos, blogs …).

Mas afinal, o que esse volume de dados existente hoje tem a ver com o assunto Computação Cognitiva?

Na verdade, tem tudo a ver! Explico na sequência.

Volume de dados e computação cognitiva

Imagine que todo esse conteúdo existente e disponível, gerado voluntariamente pelos próprios consumidores de sua marca, contém informações valiosas sobre seus interesses, momento de vida, planos, desejos, produtos/serviços que eles recomendam ou desaprovam.

Agora, como eu consigo analisar esse volume imenso de informações, obter entendimento sobre esse conteúdo, traduzir isso em oportunidades de relacionamento e transformar essas oportunidades em campanhas de forma efetiva? É aqui que a Computação Cognitiva entra e começa a trabalhar a favor dos profissionais de marketing.

De forma resumida, Computação Cognitiva é um sistema computacional que unifica várias tecnologias de Inteligência Artificial (como processamento de linguagem natural, geração de hipóteses baseada em evidências, aprendizado de máquina e dezenas de outros algoritmos e tecnologias), com o objetivo de gerar conhecimento através da interpretação e extração de significado dos dados, primariamente não-estruturados, os quais seriam muito difíceis de serem tratados por meio dos sistemas programáveis tradicionais.

Para conhecer mais sobre essas tecnologias posso citar um excelente artigo de outro especialista IBM: Inteligência Artificial, Machine Learning e Computação Cognitiva: o que são e suas diferenças.

Computação cognitiva e o Marketing

Através de sistemas Cognitivos, como o IBM Watson, é possível então analisar uma quantidade enorme de dados (posts em redes sociais, histórico de navegação, comentários em sites de avaliação de produtos, conteúdos mais curtidos e comentados, produtos mais visualizados, gravação de voz dos consumidores no seu Call Center etc), interpretar e entender esse conteúdo e devolver para você, profissional de marketing, os insumos necessários para personalizar o contato com cada cliente de forma única, baseado nesse profundo entendimento de seu interesse e necessidade. Isso sem que você precise trabalhar mais horas por dia!

De fato, o objetivo de um sistema Cognitivo é ajudar os profissionais de marketing a se concentrarem menos em tarefa tediosas do dia-a-dia (consolidação de planilhas, comparação de diversos indicadores em diferentes relatórios e sistemas, leitura/análise e trabalho de planilhar cada comentário publicado no seu site ou em uma rede social, dias de trabalho extraindo e consolidando bases de dados distintas) e dedicar muito mais tempo no planejamento e na estratégia, aumentando a eficiência das ações de relacionamento com os clientes.

Hoje, os profissionais gastam em média 70% de seu tempo em tarefas rotineiras e apenas 30% na elaboração de estratégias e criação de melhores experiências para os clientes. Tecnologias inovadoras como os sistemas cognitivos tendem a virar essa proporção 70/30, libertando os profissionais para concentrarem a maior parte do seu tempo e esforço em personalizar a jornada completa para cada cliente.

Em um próximo artigo, abordarei detalhes práticos de como a Computação Cognitiva embutida nas soluções da IBM  que já pode te ajudar hoje a obter melhores resultados nas suas campanhas e ações de marketing.

Enquanto isso, vejam nesse artigo até onde essa nova tecnologia irá te levar. E isso está muito mais próximo do que você pensa!

Sr. Technical Sales Engineer

Leia mais sobre Watson Marketing Insights

O que são Queries e como usá-las?

Query (ou, em Português, Consulta) é um conjunto de critérios que, quando executado, gera uma lista. Como a consulta é feita com base em critérios, essa lista é dinâmica e muda com o tempo conforme os dados são alterados para cada contato. Da mesma maneira que as Contact Lists, as queries são consultas realizadas em […]

Continuar lendo

O que são Contact Lists e como usá-las?

Para muitos profissionais de Marketing, Contact Lists (ou, em Português, Lista de Contatos) é a mesma coisa que banco de dados. Essa não é uma verdade! Conceitualmente, as listas de contatos são pequenos grupos de registros que foram segmentados em seu banco de dados com algum objetivo específico. Isto quer dizer que as listas fazem […]

Continuar lendo

Social Audiences – Como trabalhar integrado ao Watson Campaign Automation

O IBM Watson Campaign Automation Social Audiences (ou, Social Audiences) é uma solução muito interessante para quem trabalha (ou deseja trabalhar) com várias redes sociais e pode ser integrada com a base de dados existente em sua empresa. O Social Audiences é uma solução standalone, ou seja, que pode ser vendida separadamente de outras soluções […]

Continuar lendo