OpenPOWER

Power Systems: a plataforma aberta de inovação

Share this post:

Os CEOs sabem que a tecnologia para negócios está em contínua transformação e as inovações costumam ser um esforço colaborativo que engaja múltiplos parceiros de negócios. Alcançar o sucesso da transformação digital no ambiente competitivo de hoje exige um ecossistema aberto que inclua recursos flexíveis que se adaptem às necessidades específicas de TI.

Os CIOs e CTOs desejam combinar serviços de data center e nuvem utilizando a flexibilidade da TI híbrida e, ao mesmo tempo, obter novos insights mais rapidamente por meio da aceleração. Os servidores OpenPOWER são diferentes em seus designs, mas projetados em todos os níveis para serem mais poderosos e abertos do que outros sistemas distribuídos.

Você não precisa dividir e substituir sua infraestrutura existente para transformar seus negócios. Basta colocar suas cargas de trabalho com maior volume de dados nos servidores projetados para executá-las. Além disso, a era cognitiva está aqui. Você está pronto para utilizá-la a favor da sua organização?

Possibilitando a inovação aberta

A transformação digital é uma abordagem que permite que as organizações promovam mudanças inovadoras em seus modelos de negócios e processos operacionais através do aproveitamento de suas competências digitais. Do ponto de vista de TI, existem modelos de análises de dados atuais e aplicativos cognitivos emergentes que juntos podem criar novas oportunidades. Mas é essencial escolher cuidadosamente a base de infraestrutura de TI que melhor satisfaça essa abordagem.

A maioria dos novos aplicativos se beneficiará diretamente de uma infraestrutura de servidor de um ou dois soquetes de alto desempenho. Para muitos líderes de TI, é essencial encontrar uma estratégia de servidor sustentável de um ou dois soquetes que dê suporte a essa jornada de transformação digital. Há muitas variáveis ​​a serem consideradas, tanto para as expectativas de carga de trabalho a curto prazo, quanto a longo prazo.

Assim, a IDC acredita que o desenvolvimento das capacidades digitais de uma organização depende da adoção de aplicativos e infraestrutura de TI corretas, suportados por um ecossistema aberto. A seguir, um resumo de um white paper da IDC, patrocinado pela IBM, sobre esse tema.

Uma nova geração de servidores

Para que a TI percorra efetivamente o roteiro do servidor de um ou dois soquetes, desde aplicativos da Web sem estado, até cargas de trabalho cognitivas e preditivas, o hardware do servidor com o qual a infraestrutura é projetada precisa atender a uma variedade de requisitos. À medida que essas cargas de trabalho evoluem, elas não podem ser implementadas com êxito em hardwares básicos de baixo custo, pois as demandas na infraestrutura serão superiores.

Os servidores precisam ser fáceis de configurar e suportar implementações rápidas, oferecendo suporte aos aplicativos da próxima geração que serão a chave da transformação digital da organização. Esses servidores devem ter um desempenho excelente com cargas de trabalho de dados intensos e, idealmente, apoiar várias tecnologias de aceleração abertas e padronizadas. Além disso, precisam estar seguros e fornecer alta disponibilidade em toda a pilha.

A infraestrutura de servidor de um ou dois soquetes para essas cargas de trabalho também deve ser gerenciável sem exigir habilidades muito avançadas para isso. É importante que eles suportem um amplo ecossistema de software e sejam habilitados para nuvem. Os servidores devem ser executados em um sistema operacional adotado para a transformação digital e devem executar todas as soluções de software de código aberto.

Muitos líderes empresariais que buscam implementar aplicativos de transformação digital, mas que não desejam executá-los em seu ambiente de expansão, estão analisando a infraestrutura de um ou dois soquetes. No entanto, o que muitos não estão fazendo é comparar as ofertas de um ou dois soquetes no x86 com as ofertas de um ou dois soquetes no IBM Power Systems, a única alternativa ao x86, que pode ser considerado um líder de preço e desempenho.

A arquitetura IBM POWER foi projetada para se adaptar às novas formas de dados, sejam dados estruturados, medidos em petabytes, blobs de dados não estruturados ou fluxos. O sistema tem taxas de ingestão de dados muito altas e seus caches foram desenvolvidos para manter o processador ocupado.

Com o Power Systems, uma nova geração de ofertas de um ou dois soquetes low-capex e low-opex chega ao mercado com little endian, que aparenta ser o sistema operacional mais adequado para os aplicativos intensivos de dados suportarem a transformação digital.

Por fim, a grande vantagem do POWER na nuvem é que a arquitetura é completamente aberta e licenciável – do hardware ao código, como o modelo ARM. Os provedores de nuvem de hiperescala, como Google e Rackspace, afirmaram que estão desenvolvendo e fabricando componentes de arquitetura POWER para seus data centers, licenciados da IBM por meio da OpenPOWER Foundation.

Para saber mais sobre a infraestrutura de scale-out mais poderosa e econômica para sua jornada de transformação digital, clique aqui. Se preferir, agende uma conversa com nossos especialistas.

Content Marketing Manager, IBM Systems

More OpenPOWER stories

Conheça as previsões do IBM Research para a IA em 2019

Em 2018, tivemos grandes avanços na divulgação, treinamento e uso de técnicas de inteligência artificial (IA) aplicada a negócios, com uma sólida contribuição da IBM e seus pesquisadores. E para 2019, o que se espera desta onda tecnológica? Grandes avanços levarão as empresas a adotar, dimensionar e confiar cada vez mais na inteligência artificial. Dario […]

Continue reading

Uma espiada no campus de infraestrutura do Think 2019

““Pode ser difícil acompanhar todas as novidades tecnológicas e mudanças nos dias de hoje. O IBM Think me ajuda, pois aborda esses temas, incluindo inteligência artificial, nuvem, análise, infraestrutura, segurança e até mesmo tendências emergentes, como a computação quântica!” – Craig S. Mullins, presidente e consultor principal da Mullins Consulting Inc.” O Think 2019 já […]

Continue reading

Machine Learning in a Box

Nos últimos anos, tornou-se popular a aplicação de técnicas de Machine Learning (ML) e Deep Learning (DL) na análise profunda de informações para a tomada de decisões, em diversos níveis dentro das organizações. Esta nova onda veio como a solução para uma análise mais profunda do Big Data, permitindo-se identificar padrões e visões bem além […]

Continue reading