O setor de varejo está se transformando com IoT

By | 3 minute read | 10/10/2017

Estamos escrevendo hoje nossa lista de compras para o futuro.

Até a década de 1950, a maioria das pessoas realizavam compras em pequenos mercados. Eles diziam ao funcionário o que eles queriam, e o funcionário selecionava os  produtos da prateleira ou do pequeno estoque na parte de trás da loja. Em 26 de junho de 1974, em um Supermercado da Marsh em Troy, Ohio, uma venda de US $ 0,67 mudou essa história para sempre. O UPC (Universal Product Code), mais conhecido como código de barras, criado e testado, juntamente com os Scanners que transformaram o setor varejista e nossos hábitos de consumo. Na década de 1970, grandes lojas, Supermercados e eventualmente Centros comerciais apareceram nas grandes cidades.

Essa inovação revolucionou a cadeia de suprimentos. Considera-se tão importante que a caixa de frutas suculentas de Wrigley de $ 0.67 – o primeiro produto a ser vendido usando o código de barras – Ainda está no Museu Nacional de História Americana da Smithsonian Institute em Washington, DC.

Grandes mudanças de tecnologia no histórico de varejo recente

Nos últimos anos, vimos tecnologias que quebram padrões e comportamentos em muitas áreas. Depois de mais de 40 anos de UPC e scanners dominando a logística de varejo, seu monopólio finalmente chegará ao fim? Como serão nossas compras em outros 10 ou 15 anos?

O consumidor desempenhará um papel importante na formação de futuras tendências de varejo. A Internet eliminou a necessidade de compras locais e trouxe opções de compra e revendedores que não estavam disponíveis anteriormente. Enquanto nós, consumidores, exigimos transparência e qualidade, a conveniência também se tornou um fator importante em nossas decisões de compra.

As grandes cadeias e os supermercados perderam território, e o antigo mercado do bairro e as lojas especializadas reaparecem para atender às necessidades dos consumidores exigentes. Portanto, os varejistas estão se preparando para adaptar a experiência de compra e às necessidades focada para cada pessoa. Juntamente com dados de transações on-line, sensores e dispositivos digitais tornarão nossa experiência de compra muito mais atrativa e personalizada. Com isso, as sugestões virtuais serão mais precisas e eficazes.

O que esperar no futuro do varejo

A robotização e a Internet das coisas (IOT) tornar-se mais fundamentais para muitos processos de varejo, como inventário, estoque de prateleiras e outros. O check-out, por exemplo, será feito remotamente à medida que saímos da loja com nossos produtos. Não há mais digitalização de cada produto, um por um, nas caixas registradoras. Os chips na embalagem dos produtos serão lidos por sensores nas saídas da loja, o que enviará um sinal aos aplicativos em nossos celulares para processar o pagamento. Será o fim de longas linhas de check-out. Veja
figura 1

E as nossas compras repetitivas mensais e semanais? Esses itens serão entregues automaticamente, por caminhões sem motoristas, ou drones. Eletrodomésticos, prateleiras, embalagens inteligentes e serviços de conveniência de assinatura poderão ativar pedidos assim que o produto atingir um nível mais baixo em estoque.

As vendas on-line que agora estão em 10% no mundo aumentará para 40% ou mais do total de vendas no varejo em 2027, de acordo com dados do Fórum Econômico Mundial.

As impressoras 3D permitirão que as lojas criem seus produtos sob demanda, o que trará inúmeras novas e pequenas empresas para o mercado. Além disso, muitos produtos podem ser impressos localmente, reduzindo os custos de transporte, armazenagem e logística.

A tecnologia de jogo e a realidade virtual transformarão profundamente nossas experiências de compras em casa ou nas lojas. Os consumidores poderão explorar produtos em um inventário virtual antes de comprá-los.
Há muito a esperar!

O que esperar da transformação do varejo?

Sem dúvida, será emocionante ver o que vem por ai no setor varejista. Depois de décadas de exibição solitária no Museu da História Americana, essa caixa de US $ 0,67 da Fruit Juicy de Wrigley só pode obter alguma empresa. E quem sabe o que os exploradores de museus podem pedir para as impressoras 3D ou óculos de realidade virtual!
Confira este vídeo para saber mais sobre a Internet das coisas no varejo: