Automação

Hiperautomação: o fim do trabalho humano?

Compartilhe:

Tenho certeza de que toda vez que lemos ou escutamos o termo IA (Inteligência Artificial) e Automação, uma das primeiras imagens que vem à nossa cabeça são dos filmes de ficção: “I, Robot”, “A.I. – Inteligência Artificial”, “Blade Runner”, “O Exterminador do Futuro” e diversos outros. E, com certeza, também acompanhada de perguntas como: “o meu trabalho está ameaçado?”,  “é o fim do trabalho humano?”.

Te convido a explorar um pouco mais essas questões ao longo deste artigo. Ao final, preparamos uma seleção das principais dúvidas sobre o tema para você consultar e ajudar a esclarecer as ideias.

Quando vejo ou escuto essas perguntas, me recordo daquelas atividades que fazíamos e que, muitas vezes, não gostávamos porque faziam com que nos sentíssemos subestimados. Por outro lado, ainda tínhamos certeza de que, em breve, alguém ou algo seria feito para melhorar.

Posso citar várias – algumas das quais muitos de vocês nunca ouviram falar e podem até achar um absurdo terem sequer existido. Por exemplo:  

  • Escrituração fiscal: se pegava nota a nota fiscal para escrever em um livro de registro (livros fiscais). Pasmem: quando errávamos, precisávamos passar uma solução com água sanitária para corrigir!
  • Cópias mimeografadas com papel estêncil embebidos em álcool (o que hoje em dia seria inaceitável!). Foi muito utilizado pelas professoras para tirar cópias de provas ou carbono das notas fiscais, documentos, e que normalmente costumavam sujar muito as mãos.
  • Além dessas a título de exemplo, diversas outras atividades manuais e repetitivas…

Tempos Modernos

A tirinha abaixo de Bob Thaves (1996), apresentada recentemente em uma webinar que participei, ilustra muito do que estamos falando: profissionais que eram tratados como robôs, sem muitas vezes entender o resultado final do que faziam ou entregavam para os clientes.

Inclusive, podemos retomar o clássico “Tempos Modernos” de Charles Chaplin para dar o tom da nossa conversa.

Levando em consideração estes temas e as características citadas, o contexto da nossa conversa se deve a várias evoluções e revoluções no mundo:

  • primeira – mecanização da produção e utilização de máquinas a vapor;
  • segunda – produção em massa e novas fontes de energia;
  • terceira – globalização e revolução digital;
  • quarta – internet das coisas (IoT – Internet of Things).

E para tranquilizar: NÃO É O FIM DO TRABALHO HUMANO

Mas, sim, uma nova abordagem, uma transformação. Estamos nos adaptando para as novas tendências. Existem diversos artigos acadêmicos e comerciais que indicam que, enquanto algumas profissões estão sendo esvaziadas, surgem diversas outras, que nem existiam antigamente (como cientistas de dados).

O ser humano possui características que, muito dificilmente, a automação e IA irão substituir, tais como:

  • Escuta ativa (verbal/não verbal);
  • Percepção social;
  • Sentimentos;
  • Resolução de problemas complexos;
  • Relacionamentos.

Em contrapartida, executamos atividades que podem ser delegadas para sermos mais eficiente:

  • Ler e-mails;
  • Extração de informações relevantes de documentos;
  • Tomar decisões com base em riscos e políticas;
  • Interagir com trabalhadores humanos.

Chamamos este profissional digital – que surgiu para nos auxiliar nestas tarefas repetitivas – de Digital Workers ou Digital Twin (gêmeo digital), pelo Gartner.

Podemos dizer que a hiperautomação é uma jornada e passa por algumas fases de maturidade e evolução no decorrer desta transformação digital.

Fazendo uma mimetização das características e capacidades do ser humano, estes profissionais digitais (digital workers) podem nos ajudar da seguinte forma:

  • Lado direito do cérebro: podemos usar Machine Learning e IA para expandir nossas capacidades cognitivas;
  • Lado esquerdo do cérebro: modelos de regras prescritivas e preditivas para expandir nossa capacidade racional;
  • Memória: utilizar capacidades de gestão de conteúdo para armazenamento e recuperação de informações;
  • Sistema nervoso central: podemos utilizar soluções de orquestração e coordenação de atividades, levando a ações coordenadas de cálculos, visão, etc.;
  • Em relação à nossa capacidade de leitura e interpretação, podemos usar mecanismos de OCR (Optical Character Recognition) e ICR (Intelligent Character Recognition) para reconhecimento de textos digitais ou manuscritos, combinados com NLU (Natural Language Understanding) para reconhecer e extrair informações relevantes de documentos;
  • E, finalmente, podemos utilizar RPA (Robotic Process Automation) para interagir com sistemas, planilhas e documentos externos, mimetizando nossas atividades manuais.

Visão IBM das capacidades integradas no CPABA (Cloud Pak for Business Automation) para automação de negócios

Podemos dizer que a hiperautomação é uma jornada que passa por algumas fases de maturidade e evolução no caminho para a transformação digital.

E você? Onde está nesta jornada?

Recentemente, foi apresentada na quarta edição do IBM Talk’ n’ Labs uma palestra chamada “O Impacto do RPA e a Hiperautomação”, que instigou engajamento e interesse por parte dos participantes. Pensando nisso, reunimos as principais dúvidas enviadas durante o evento e preparamos insights para você consultar e se aprofundar ainda mais no assunto:

  • Em que segmento de mercado a robótica está mais desenvolvida em termos de aplicação? E por quê?

Neste contexto, podemos considerar dois segmentos: nos setores industriais (fábricas) e escritórios nas áreas de backoffice/atendimento, com consideráveis atividades repetitivas e estáveis, onde implementa-se a robótica para aumentar a produtividade e eficiência.

  • A IA na área de RH vai dispensar 100% um recrutador na decisão de um candidato ou ainda é muito cedo para dar este tipo de responsabilidade para essa tecnologia?

Conforme mencionado neste artigo, muitas das atividades do recrutador dificilmente serão substituídas, por se tratar de aspectos inerentes ao ser humano. O processo de entrevista conta com a conversa, o relacionamento, e sabemos que muitas das avaliações consideram o lado comportamental. O profissional digital irá (e está) ajudando na pré-seleção, organizando tarefas e provendo insights sobre o candidato.

  • O RPA pode desempenhar atividades analíticas e interpretativas. Neste aspecto, é correto afirmar que, gradativamente, profissões como de advogados (por exemplo) também poderão ser substituídas?

É preciso ressaltar que, como no exemplo anterior, muitas das atividades do advogado consideram relacionamento, entendimento, dissertação e conversas. O crivo humano da escuta ativa e a capacidade de relacionamento dificilmente serão substituídos. Por outro lado, para auxiliar o processo de trabalho na área, já utilizamos mecanismos de automação para levantamento e análise de dados.

  • Como auditar/avaliar as decisões automáticas tomadas?

Em relação à auditoria/avaliação, podemos definir “guarda rails”, ou limites de tomadas de decisão. Além disso, todas as ferramentas possuem processo de auditoria e logs das transações.

  • A tendência atual de RPA é cada vez mais ser utilizada com Inteligência Artificial? E quais seriam as aplicabilidades da IA em RPA?

Sim! Além da execução das tarefas repetitivas, podemos usar RPA com soluções de Machine Learning e Natural Language para auxiliar em tomadas de decisão preditivas integradas, por exemplo: de acordo com a previsão de determinado fato, o script do RPA pode ser configurado para tomar ações com bases nestas respostas. Saiba mais sobre os processos de automação combinados com IA neste artigo.

  • Eu preciso ter o IBM RPA dentro do CP4BA (Cloud Pak for Business Automation) para utilizar todo esse ecossistema de soluções?

Particularmente, considero o CP4BA como uma caixa de ferramentas, onde temos o RPA, Workflow, Gestão Conteúdo e outras capacidades. Você pode usar, de forma isolada, cada uma das capacidades, ou, dependendo do caso de uso, combinar funcionalidades para resolver os desafios. Todas as soluções se integram por API’s ou eventos.

  • Dentro do contexto de hyperautomation, qual a solução da IBM para monitoramento de eventos?

Dentro do Cloud Pak for Business Automation temos a capacidade de Inteligência Operacional (BAI – Business Automation Insights), que coleta os eventos e pode atualizar uma base Hadoop, como datalake da empresa, e disponibilizar informações em dashboards operacionais para gestão.

  • Eu consigo implantar um RPA da IBM num app de rota? E qual o custo?

Precisamos entender o caso de uso, mas pense da seguinte forma: todas as atividades executadas manualmente (acesso a um sistema, consultas, obtenção de dados, navegação etc.) podem ser desenvolvidas programaticamente.

  • Na modelagem da supervisão do RPA, podemos definir KPIs para avaliar sua aderência aos parâmetros de conformidade e riscos predefinidos pela alta administração?

Você pode definir KPI’s com base nos parâmetros atuais da sua empresa, alertando sobre eventuais desvios e gerando alertas a serem enviados.

  • O Watson pode ser integrado com outras ferramentas de RPA de mercado?

O Watson e a maioria das soluções da IBM são baseadas em arquiteturas abertas, fornecendo API’s para integração. Maiores detalhes podem ser obtidos na IBM Cloud – Catálogo. Informando Watson, serão listadas todas as opções (Assistant, Discovery, Knowledge Catalog, OpenScale, Studio, Machine Learning) com documentação (API docs) e possibilidade de testes free (trial).

Entenda

Acesse o IBM Play e conheça um hub de webinars e conteúdos exclusivos para aprofundar seu conhecimento técnico.

Saiba mais

Conheça outros casos de sucesso de hiperautomação aplicada à transformação dos negócios:

Pré-sal Petróleo SA

Banco Popular

Vamos conversar

Entre em contato com um representante da IBM e entenda como a relação entre as soluções de RPA, BPM e API/MicroESBs pode representar uma vantagem para as operações do seu negócio. 

Referências

Forrester – The total Economic Impact: https://www.ibm.com/downloads/cas/O5A0BD4R

Infomoney – Tendência profissões que irão desaparecer: https://www.infomoney.com.br/carreira/estas-10-profissoes-devem-desaparecer-como-nao-perder-a-vaga-para-um-robo/

Canal do Ensino – Profissões do futuro: https://canaldoensino.com.br/blog/20-profissoes-do-futuro-segundo-especialistas

Gartner 2021 – Hyperautomation: https://www.gartner.com/smarterwithgartner/gartner-top-strategic-technology-trends-for-2021/

Gartner 2020 – Hyperautomation: https://www.gartner.com/smarterwithgartner/gartner-top-10-strategic-technology-trends-for-2020

Cloud Pak for Business Automation: https://www.ibm.com/br-pt/cloud/cloud-pak-for-business-automation

Tech Sales Business Automation na IBM

Leia mais sobre

Fluxos de trabalho inteligentes na nuvem: Tribanco

Tribanco se alia à IBM para agilizar serviços aos clientes com a criação de fluxos de trabalho inteligentes na nuvem. Com Inteligência Artificial nos processos, as áreas administrativa e financeira do banco serão transformadas em operações de negócios ágeis. A transformação digital é algo que não tem mais volta e agora está chegando com bastante […]

Inteligência Artificial além dos assistentes virtuais

Em nosso segundo encontro, o Dose de Dados propõe um papo com experts da IBM para explorar as aplicações da Inteligência Artificial para além dos assistentes virtuais. Saiba como podemos trabalhar a geração de insights aplicando a Inteligência Artificial em mecanismos de descoberta com processamento de linguagem natural. O #Dose de Dados é um projeto […]

Nuvem Distribuída: Turbinando a Transformação Digital – Parte 2

Segunda parte da nossa série sobre nuvem distribuída: vamos examinar estas importantes abordagens de computação em nuvem. Nuvem distribuída e outros modelos Em meu post anterior, eu descrevi as diferenças entre as seguintes abordagens de ambientes cloud: – Nuvem única; – Nuvem híbrida; – Multi nuvem ou multicloud; – Nuvem distribuída. Em geral, observamos estes […]