Preparação para o Exame 730 DB2 9 Fundamentals, Parte 1: Planejamento do DB2

Este tutorial apresenta o básico dos produtos e ferramentas DB2 9, juntamente com conceitos que descrevem diferentes tipos de aplicativos de dados, data warehousing e OLAP. Este é o primeiro de uma série de sete tutoriais para ajudá-lo a se preparar para o exame 730 DB2 9 for Linux, UNIX, and Windows Fundamentals.

Paul C Zikopoulos, Database Specialist, IBM China

Paul ZikopoulosPaul C Zikopoulos, BA, MBA, é escritor e palestrante premiado com a equipe de Suporte de Vendas Global de Banco de Dados da IBM. Ele tem mais de nove anos de experiência com o DB2 UDB e escreveu inúmeros artigos para revistas e livros sobre isso. Paul é coautor dos livros: DB2 - The Complete Reference, DB2 Fundamentals Certification for Dummies, DB2 for Dummies, A DBA's Guide to Databases on Linux e DB2 Version 8: The Official Guide. Paul é DB2 Certified Advance Technical Expert (DRDA e Cluster/EEE) e DB2 Certified Solutions Expert (inteligência de negócios e Administração de Banco de Dados). É possível contatá-lo pelo e-mail: paulz_ibm@msn.com.



13/Out/2011

Antes de Iniciar

Sobre esta série

Pensando em buscar certificação nos fundamentos do DB2 (Exame 730)? Nesse caso, você está no lugar certo. Esta série de sete tutoriais de preparação para certificação de DB2 abrange todo o básico -- os tópicos que você precisará entender antes de ler a primeira questão do exame. Mesmo se não estiver planejando em buscar certificação imediatamente, este conjunto de tutoriais é um ótimo local para começar a aprender o que há de novo no DB2 9.

Sobre este tutorial

Este tutorial apresenta o básico dos produtos e ferramentas DB2 9, juntamente com conceitos que descrevem diferentes tipos de aplicativos de dados, data warehousing e OLAP. Ele discute como usar o Control Center, que é a ferramenta de gerenciamento central para servidores de dados DB2. Este tutorial também mostra como usar o Assistente de Configuração, que permite trabalhar facilmente com bancos de dados existentes, incluir novos, ligar aplicativos, configurar parâmetros de configuração e registro de clientes e importar e exportar perfis de configuração.

Este é o primeiro de uma série de sete tutoriais projetados para ajudá-lo a se preparar para DB2 9 Family Fundamentals Certification (Exame 730). O material deste tutorial cobre principalmente os objetivos da Seção 1 do teste, "Planning". É possível visualizar esses objetivos em: http://www-03.ibm.com/certify/tests/obj730.shtml.

Objetivos

Após concluir este tutorial, você deve entender:

  • As diferentes versões do DB2 e os vários produtos DB2.
  • As ferramentas incluídas com o DB2.
  • Como usar o Control Center para gerenciar sistemas, instâncias do DB2, bancos de dados, objetos de banco de dados e mais.
  • Como o Configuration Assistant permite manter uma lista de bancos de dados aos quais seus aplicativos podem conectar, gerenciar e administrar.
  • Todas as ferramentas independentes no Control Center e o Configuration Assistant.
  • O que é data warehousing e os produtos DB2 disponíveis para ajudar com data warehousing.

Pré-requisitos

O processo de instalar o DB2 não é coberto neste tutorial. Se ainda não tiver feito isso, recomendamos muito que você faça download e instale uma cópia do DB2 Express - C. Instalar o DB2 ajudará a entender muitos dos conceitos que são testados no exame DB2 9 Family Fundamentals Certification. O processo de instalação é documentado nos manuais Quick Beginnings, que podem ser localizados no Web site de DB2 Technical Support sob o título Technical Information.

Requisitos do Sistema

Não é necessário ter uma cópia do DB2 para concluir este tutorial. No entanto, você aproveitará melhor o tutorial se fizer download da versão de avaliação gratuita do IBM DB2 9 para trabalhar com este tutorial.


Produtos DB2

As diferentes edições do DB2

O DB2 9 entrega as soluções de gerenciamento de dados certas para qualquer negócio. Nenhum outro sistema de gerenciamento de banco de dados pode igualar os recursos avançados de desempenho, disponibilidade, escalabilidade e gerenciamento encontrados no DB2 9. No entanto, há diferentes edições do DB2 disponíveis, cada uma adequada para uma parte diferente do mercado. No exame Fundamentals, espera-se que você entenda os diferentes produtos e edições do DB2, por isso eles são cobertos nesta seção.

Todas as edições distribuídas são mostradas na figura abaixo. Esta figura representa uma progressão: cada edição exibida inclui todas as funções, recursos e benefícios das edições à sua direita à medida que você sobe na pilha, juntamente com novos recursos e funções. O código nas plataformas Linux, UNIX e Windows (luw) é aproximadamente 90% comum, com 10% do código em cada sistema operacional reservado para integração forte ao sistema operacional subjacente. Por exemplo, usando Huge Pages no AIX ou o sistema de arquivos NTFS no Windows.

Há dois outros membros da família DB2 que não são mostrados na figura abaixo: DB2 para System i e DB2 para System z. Apesar desses bancos de dados compartilharem diferentes códigos base que são especificamente padronizados para seus sistemas operacionais e arquiteturas de hardware sobre as quais são executados, seu SQL tem 95% de portabilidade, tornando-os realmente um membro da família DB2. Por exemplo, o DB2 para System i é integrado ao sistema operacional i5/OS. O DB2 para z/OS alavanca o Coupling Facility de hardware nos servidores System z e alavanca, assim, uma arquitetura de tudo compartilhado, em comparação ao DB2 luw, que usa uma abordagem de nada compartilhado.

Edições do DB2
Edições do DB2

Apesar de estar fora do escopo desta série de tutoriais discutir o licenciamento granular dessas edições, vale a pena observar que alguns recursos do DB2 9 estão disponíveis gratuitamente no DB2 Enterprise. Quando um recurso não é incluído gratuitamente com o DB2 Express ou o DB2 Workgroup, é possível comprar a função (na maioria dos casos) por meio de um Feature Pack complementar.

Por exemplo, com o DB2 Express 9 e o DB2 Workgroup 9, é possível incluir recursos em suas instalações do servidor de dados, comprando um dos feature packs a seguir:

Pure XML
Fornece os novos tipos e índices de colunas de dados XML do DB2 9. O DB2 9 é fornecido com um mecanismo híbrido que pode tratar de dados baseados em SQL, manipulados e armazenados de forma relacional e dados baseados em XML manipulados e armazenados de forma hierárquica.
High Availability
Fornece reorganização de tabela on-line, o Tivoli System Automation para AIX e Linux e a função High Availability Disaster Recovery (HADR). Incluídos gratuitamente no DB2 Enterprise.
Performance Optimization
Necessário para o uso das tabelas Multidimensional Clustering (MDC), Materialized Query Tables (MQTs) e paralelismo de consulta. Incluídos gratuitamente no DB2 Enterprise.
Workload Management
Fornece o Connection Concentrator, o DB2 Query Patroller e o DB2 Governor. Os recursos Connection Concentrator e DB2 Governor estão incluídos gratuitamente no DB2 Enterprise.

O DB2 Enterprise 9 é fornecido com os recursos complementares a seguir para estender os recursos desta edição do DB2:

Pure XML
Fornece os novos tipos e índices de colunas de dados XML do DB2 9. O DB2 9 é fornecido com um mecanismo híbrido que pode tratar de dados baseados em SQL, manipulados e armazenados de forma relacional e dados baseados em XML manipulados e armazenados de forma hierárquica.
Advanced Access Control (LBAC)
Para o fornecimento de uma arquitetura de segurança estendida que é baseada em acesso de função aos dados.
Recurso Geodetic Data Management
Para a modelagem de padrões de dados espaciais e esféricos usados em vários aplicativos, como análise de tempo, defesa militar e aplicativos que precisam levar em consideração a curvatura da terra em sua análise.
Recurso Storage Optimization
Para compactação no nível da linha e de backup/restauração que pode aumentar de forma significativa a velocidade das operações e minimizar custos de armazenamento para seus dados.
Recurso Performance Optimization
Fornece os produtos DB2 Performance Expert e DB2 Query Patroller para serem usados em um ambiente de servidor DB2 Enterprise.

DB2 Everyplace

O verdadeiro poder da computação remota está não no dispositivo móvel em si, mas em sua capacidade de tocar dados de outras fontes. O DB2 Everyplace traz o poder do DB2 para dispositivos móveis, alavancando a capacidade dos mesmos de sincronizar dados com outros sistemas. Isso faz com que seus dados corporativos fiquem literalmente nos bolsos de seus funcionários remotos e também permite que eles atualizem seus dados corporativos de locais remotos.

O DB2 Everyplace é mais do que apenas uma infraestrutura de computação remota. É um ambiente completo que inclui as ferramentas necessárias para desenvolver, implementar e suportar aplicativos eficientes de e-business. O DB2 Everyplace apresenta um mecanismo de "impressão digital" muito pequeno (aproximadamente 200 KB) cheio de recursos de segurança, como criptografia de tabela, e técnicas avançadas de indexação que levem ao alto desempenho. Ele pode ser executado de forma confortável (com suporte multiencadeado) em uma ampla variedade dos dispositivos portáteis mais comumente implementados nos dias de hoje, como: Palm OS, Microsoft Windows Mobile Edition, qualquer sistema operacional de 32 bits baseado no Windows, Symbian, QNX Neutrino, dispositivos Java 2 Platform Micro Edition (J2ME), como o pager Blackberry da RIM, distribuições Linux embarcadas (como o BlueCat Linux) e mais.

Se precisar de um mecanismo relacional e serviços de sincronização, em um dispositivo restrito, você deve usar o DB2 Everyplace. Deve considerar também esse produto para usuários remotos conectados ocasionalmente em laptops se seus aplicativos não precisarem de recurso (como acionadores) que não fazem parte do mecanismo do DB2 Everyplace.

O DB2 Everyplace também era enviado no DB2 8 como o recurso Mobility-on-Demand. Ao se deparar com esse recurso nos releases DB2 8 ou DB2 9, é possível supor que as funções entregues por ambos os produtos são idênticas. Apesar de o pacote mudar entre releases, o DB2 Everyplace e o DB2 Mobility-on-Demand entregam as mesmas funções, recursos e capacidades a seu ambiente.

No DB2 9, Mobility on Demand é fornecido gratuitamente com o DB2 Enterprise. Os usuários do DB2 Express e do DB2 Workgroup precisam comprar o DB2 Everyplace Enterprise Edition para obter esse nível de função.

DB2 Personal Edition

O DB2 Personal Edition (DB2 Personal) é um RDBMS de usuário único que é executado em desktops com hardware de baixo custo. O DB2 Personal está disponível para estações de trabalho baseadas no Windows e Linux. O DB2 Personal tem todos os recursos do DB2 Express, com uma exceção: clientes remotos não podem conectar aos bancos de dados que estão em executando essa edição do DB2. (No entanto, as estações de trabalho com o Control Center podem conectar a esses bancos de dados para executar administração remota.) Como o "DB2 é o DB2 que é o DB2", aplicativos que são desenvolvidos para o DB2 Personal serão executados em qualquer outra edição do DB2. Por exemplo, é possível usar o DB2 Personal para desenvolver aplicativos do DB2 antes de lança-los em um ambiente de produção no DB2 Enterprise 9 para AIX.

O DB2 Personal é útil tanto para PCs que não estão conectados a uma rede quanto para aqueles que estão. Em qualquer uma das duas situações, é útil para usuários que precisam de um armazenamento de dados eficiente para fornecer recursos de armazenamento do banco de dados e para ser possível conectar a servidores DB2 remotos.

Ocasionalmente, usuários conectados podem querer aproveitar o recurso de replicação integrado do DB2 e do DB2 Control Server para configurar um ambiente sincronizado no qual trabalhadores remotos podem ficar em contato com sua empresa. É claro que isso seria adequado para usuários de laptops e determinadas estações de trabalho, como aqueles que estão executando aplicativos de ponto de venda (POS).

DB2 Express - C

O DB2 Express - C não é realmente considerado uma edição da família DB2, mas ele fornece a maiorias dos recursos do DB2 Express. Em janeiro de 2006, a IBM anunciou essa versão especial gratuita do DB2 para sistemas operacionais baseados em Linux e Windows. O DB2 Express-C foi projetado para as comunidades de parceiros e de desenvolvimento, mas à medida que conhece essa versão, verá que pode ser aplicado praticamente em qualquer local. Uma característica definitiva do DB2 Express - C é que não tem os limites que geralmente estão associados a esses tipos de ofertas de outros fornecedores. Quando há limites, eles são mais que generosos para as cargas de trabalho projetadas para esses sistemas.

Por exemplo, o DB2 Express - C não vem com um limite de tamanho de banco de dados e pode abordar um modelo de memória de 64 bits. O DB2 Express-C é perfeito para desenvolvedores e implementações pequenas e médias, comunidades acadêmicas e mais. O DB2 Express-C tem toda a resiliência e robustez do DB2 Express, mas sem alguns dos recursos estendidos com a edição do DB2 Express baseada em taxa. Recurso que para estão incluídos no DB2 Express-C incluem:

  • Capacidade de recursos encontrados nos Feature Packs do DB2 Express - por exemplo, HADR
  • Replication Data Capture
  • Modelo de suporte 24x7 do IBM Passport Advantage

Se quiser alavancar qualquer um desses recursos em seu ambiente, você precisa no mínimo comprar o DB2 Express.

DB2 Express Edition

O DB2 Express Edition (DB2 Express) é um RDBMS de cliente/servidor ativado para a Web com função total. O DB2 Express está disponível para as estações de trabalho baseadas no Windows e no Linux. O DB2 Express fornece um servidor de nível de entrada de baixo custo, ou seja, destinado principalmente para computação de pequenas empresas e departamental. Ele tem as mesmas funções que o DB2 Workgroup, mas é diferenciado do DB2 Workgroup pela quantia de memória e unidades de valor (que equacionam para a eficiência dos núcleos de processadores de um servidor) que é possível ter no servidor.

Recursos adicionais podem ser incluídos para permitirem recursos estendidos, como alguns localizados no DB2 Enterprise, sem precisar comprar essa edição. Os Feature Packs disponíveis para o DB2 Express 9 foram descritos anteriormente neste tutorial.

O DB2 Express pode ser licenciado usando uma unidade de valor determinada pelos processadores que estão executando o aplicativo ou uma métrica por Usuário Autorizado. Usuários autorizados são um novo conceito para o DB2 9 e representam usuários registrados para acessarem os serviços e dados de um único servidor de dados no ambiente. Por exemplo, se você tivesse um usuário que precisasse de dois servidores de dados DB2 Express 9 diferentes e quisesse licenciar esse ambiente com usuários autorizados, um único usuário precisaria de duas licenças de usuário autorizado do DB2 Express (um para cada servidor).

O DB2 Express pode ter várias funções em um negócio. É um bom ajuste para pequenas empresas que precisam de um armazenamento de banco de dados relacional completo. Elas podem não ter os requisitos de escalabilidade de alguns aplicativos mais maduros ou mais importantes, mas gostam de sabe que têm um banco de dados de qualidade corporativa dando suporte a seu aplicativo que pode ser facilmente escalado (sem uma mudança no aplicativo) se precisarem. Conforme observado, um aplicativo escrito para qualquer edição do DB2 tem portabilidade transparente para outra edição em qualquer plataforma distribuída.

DB2 Workgroup Edition

O DB2 Workgroup Edition (DB2 Workgroup) é um RDBMS de cliente/servidor ativado para a Web com função total. Ele está disponível em todas as opções suportadas de UNIX, Linux e Windows.

O DB2 Workgroup fornece um servidor de nível de entrada de baixo custo, ou seja, destinado principalmente para computação de pequenas empresas e departamental. Funcionalmente, ele suporta todos os mesmos recursos que o DB2 Express. Recursos adicionais podem ser incluídos para permitir recursos estendidos, como aqueles localizados no DB2 Enterprise, sem precisar comprar o DB2 Enterprise. O DB2 Workgroup pode ser licenciado usando as mesmas opções do DB2 Express.

No DB2 8, havia dois tipos de Workgroup Edition: DB2 Workgroup Server Edition (DB2 WSE) e DB2 Workgroup Unlimited Edition (DB2 WSUE). O DB2 WSE era licenciado somente por uma licença de usuário denominada, além de uma licença de servidor base. O DB2 WSUE era licenciado somente por uma métrica de processador. No DB2 9, essas edições se mesclam em uma edição -- DB2 Workgroup. As licenças de usuário denominado e servidor foram substituídas por um Usuário Autorizado simplificado. A licença de processador ainda existe, apesar de ser pela conversão para precificação da Unidade de Valor por políticas de precificação da IBM.

O DB2 Workgroup pode ter várias funções em um negócio. É um bom ajuste para pequenas ou médias empresas (SMBs) que precisam de um armazenamento de banco de dados relacional completo que seja escalável e esteja disponível em uma rede de longa distância (WAN) ou rede local (LAN). Também é útil para ambientes corporativos que precisam de servidores silo para linhas de negócios ou para departamentos que precisam da capacidade de escalar no futuro. Conforme observado anteriormente, um aplicativo escrito para qualquer edição do DB2 tem portabilidade transparente para outra edição em qualquer plataforma distribuída.

DB2 Enterprise Edition

O DB2 Enterprise Edition (DB2 Enterprise) é um RDBMS de cliente/servidor ativado para a Web com função total. Ele está disponível em todas as opções suportadas de Linux, UNIX e Windows. O DB2 Enterprise destina-se a servidores departamentais grandes e médios. O DB2 Enterprise inclui todas as funções das edições DB2 Express e DB2 Workgroup, e mais. E determinados recursos do DB2 9 estão disponíveis somente para esta edição, como o novo DB2 9 Storage Optimization Feature.

O DB2 Enterprise pode ser licenciado usando uma unidade de valor determinada pela arquitetura do processador que está executando o aplicativo ou uma métrica por Usuário Autorizado. Os usuários autorizados são um novo conceito para o DB2 9 (apesar de essa métrica estar disponível no DB2 8 Enterprise Server Edition) e representam usuários que estão registrados para acessarem os serviços e dados de um único servidor de dados no ambiente. Por exemplo, se você tivesse um usuário que precisasse de dois servidores de dados DB2 Enterprise 9 diferentes e quisesse licenciar esse ambiente com usuários autorizados, um único usuário precisaria de duas licenças de usuário autorizado do DB2 Enterprise (um para cada servidor). Alguns recursos, como o Database Partitioning Feature, não estão disponíveis usando a métrica de usuário autorizado. O DB2 Enterprise também suporta oficialmente o licenciamento por subcapacidade, como LPARs e LPARs dinâmicas.

O DB2 Enterprise tem a capacidade de particionar dados dentro de um único servidor, entre diversos servidores de banco de dados (todos os quais precisam estar em execução no mesmo sistema operacional) ou dentro de uma grande máquina SMP pronta para uso, graças a seu recurso de particionamento de banco de dados (DPF).

É possível comprar o DPF como parte de uma licença de processador DB2 Enterprise, que também é convertido em Unidades de Valor. Com o DPF, o tamanho de seu banco de dados é limitado somente pelo número de computadores que você tem. O DB2 Enterprise com o DPF destina-se a armazéns de dados maiores ou a requisitos de processamento de transações on-line (OLTP) de alto desempenho. O DB2 Enterprise com o DPF também permite que diversas máquinas SMP sejam colocadas em cluster juntas sob uma única imagem de banco de dados para volumes de transações de escala muito grande.

Data Enterprise Developer Edition

Uma oferta especial chamada Data Enterprise Developer Edition (DEDE) está disponível para desenvolvedores de aplicativos. Essa edição oferece diversos produtos de gerenciamento de informações que permitem que um único desenvolvedor de aplicativos projete, desenvolva e crie protótipo para implementação em qualquer uma das plataformas de cliente ou servidor do IBM Information Management. Essa oferta para desenvolvedor abrangente inclui:

  • DB2 Workgroup 9 e DB2 Enterprise 9
  • IDS Enterprise Edition
  • IBM Cloudscape/Apache Derby
  • DB2 Connect Unlimited Edition
  • E a todas os recursos complementares do DB2 9 descritos anteriormente neste tutorial

Isso permite que clientes desenvolvam soluções que usem as tecnologias de servidor de dados mais recentes com uma oferta de preço reduzida. Os produtos localizados no DEDE estão restritos ao desenvolvimento, avaliação, demonstração e teste de seus programas de aplicativos.

O DB2 8 tinha uma oferta gratuita chamada DB2 Personal Developer's Edition que vinha com o DB2 8 Personal Edition e o DB2 8 Connect Personal Edition. Esse pacote foi removido e substituído pelo DB2 Express - C no DB2 9.

Clientes DB2

O DB2 9 simplifica muito a implementação da infraestrutura necessária para que seus aplicativos conectem a um banco de dados DB2. O DB2 9 fornece os seguintes clientes:

DB2 9 Runtime Client
A melhor opção se seus únicos requisitos forem ativar aplicativos para acessarem os servidores de dados DB2 9. Fornece as APIs necessárias para executar essa tarefa, mas esse cliente é fornecido sem ferramentas de gerenciamento.
DB2 9 Client
Inclui todas as funções encontradas no DB2 Runtime Client mais funções para configuração de cliente/servidor, administração do bando de dados e desenvolvimento de aplicativos por meio de um conjunto de ferramentas gráficas ricas. O DB2 9 Client substitui as funções encontradas em ambos os clientes DB2 8 Application Development e DB2 8 Administration.
Java Common Client (JCC)
Esse cliente totalmente redistribuível de 2 MB fornece aos aplicativos JDBC e SQLJ acesso a servidores de dados do DB2 sem instalar e manter o código do cliente DB2. Se estiver conectando a um servidor de dados DB2 para System i ou DB2 para System z, ainda é necessário comprar o produto DB2 Connect.
DB2 9 Client Lite
Novo no DB2 9, esse cliente executa funções semelhantes ao cliente JCC, mas, em vez de suportar acesso baseado em Java para um servidor de dados DB2, é usado para aplicativos CLI/ODBC. Este cliente é especialmente bem adequado para ISVs que desejam embarcar conectividade em seus aplicativos sem redistribuir e manter o código do cliente DB2.

DB2 Extenders

O DB2 Extenders discutido nesta seção pode levar seus aplicativos de banco de dados além dos dados numéricos e de caracteres tradicionais e fornecer funções adicionais ao servidor de dados subjacente.

XML Extender

O XML Extender do DB2 fornece tipos de dados que permitem armazenar documentos XML em bancos de dados DB2 e inclui funções que ajudam a trabalhar com esses documentos XML enquanto em um banco de dados.

É possível armazenar documentos XML inteiros no DB2 ou armazená-los como arquivos externos gerenciados pelo banco de dados. Esse método é chamado de Colunas XML. Também é possível decompor um documento XML em tabelas relacionais e, em seguida, recompor essas informações para XML ao sair do banco de dados. Basicamente, isso significa que seu banco de dados DB2 pode remover o XML de um documento e simplesmente pegar os dados ou pegar os dados e criar um documento XML a partir deles. Esse método é conhecido como Coleções XML.

E quanto ao Recurso pureXML que é novo no DB2 9?
Você pode estar confuso com relação ao XML Extender e ao recurso complementar pureXML que está disponível no DB2 9 para todas as edições desse produto. O DB2 XML Extender fornece os recursos XML que fazem parte do release do DB2 8. O recurso pureXML permite que os servidores DB2 alavanquem o novo mecanismo de armazenamento híbrido que armazena XML naturalmente no DB2 9. O desempenho, a usabilidade, a flexibilidade e a experiência geral de XML do pureXML não podem ser comparados à tecnologia antiga do XML Extender - no entanto, o XML Extender ainda é enviado no DB2 9 gratuitamente. Se estiver planejando usar XML em seu ambiente de dados, é altamente recomendável usar o recurso pureXML.

O recurso pureXML permite armazenar XML em uma representação em árvore analisada no disco, sem precisar armazenar o XML em um grande objeto ou compartilhá-lo em colunas relacionais, como se é forçado com o XML Extender. Isso pode ser muito benéfico para aplicativos que precisam persistir dados XML.

Com o XML Extender, é necessário usar funções e ele não suporta XQuery. Se estiver recuperando dados XML, é possível acessar apenas partes do documento XML sem ler o documento inteiro (se tiver sido armazenado em um LOB), retalhando-o e executando uma junção (se tiver sido armazenado em tabelas relacionais), que são os únicos métodos suportados pelo XML Extender.

O acesso aos dados é uma experiência muito natural quando se usa os recursos fornecidos pelo recurso pureXML. Por exemplo, é possível usar SQL ou XQuery para chegar aos dados relacionais ou XML.

O DB2 9 suporta a retaliação de dados XML em relacional da mesma maneira que o XML Extender, mas usa uma tecnologia diferente e muito superior para fazer isso. Você pode querer retalhar seu XML em relacional por diversas razões, como quando os dados XML são naturalmente tabulares. Para retalhar XML em relacional usando o DB2 XML Extender, é necessário gerar manualmente documentos de Definição de Acesso a Documentos que mapeiam nós para colunas, etc. Com o DB2 9, mesmo sem o recurso pureXML, é possível usar o DB2 Developer Workbench para retalhar seus dados e automatizar a descoberta desses mapeamentos. O novo mecanismo no DB2 9 também é significativamente mais rápido do que o método do XML Extender.

DB2 Net Search Extender

Esse extensor ajuda os negócios que precisam de desempenho mais rápido quando estiverem procurando informações em um banco de dados. Procuras na memória de alto desempenho são indispensáveis para aplicativos de e-commerce ou qualquer outro aplicativo com demandas de procura de texto de alto desempenho e com escalabilidade. Você provavelmente verá isso usado em aplicativos da Internet, em que são necessários excelentes desempenhos de procura em grandes índices e escalabilidade de consultas simultâneas. Esse extensor também é usado para procurar grandes documentos XML. Se precisar de uma procura na memória de alta velocidade, esse é o extensor para você. No DB2 8, o Text Information Extender foi mesclado com o Net Search Extender. Esse extensor é gratuito no DB2 9 (no DB2 8 era um recurso debitável).

DB2 Spatial Extender

Esse extensor permite armazenar, gerenciar e analisar dados espaciais -- informações sobre o local de recursos geográficos -- no DB2 juntamente com dados tradicionais para texto e números. Com esse recurso, é possível gerar, analisar e explorar informações espaciais sobre recursos geográficos, como os locais de edifícios de escritórios ou o tamanho de uma zona de alagamento. O DB2 Spatial Extender estende a função do DB2 com um conjunto de tipos de dados espaciais avançados que representam geometrias, como pontos, linhas e polígonos. Ele também inclui muitas funções e recursos que interoperam com aqueles tipos de dados. Esses recursos permitem integrar informações espaciais a seus dados de negócios, incluindo outro elemento de inteligência em seu banco de dados. Esse extensor é gratuito no DB2 9 (e tem sido desde o DB2 8.2).

DB2 Geodetic Extender

Esse extensor permite aprimorar o tipo de aplicativos que é possível desenvolver com o DB2 Spatial Extender. O DB2 9 Geodetic Extender permite tratar o mundo como um globo e remove imprecisões causadas por projeções, como operações. Usando os mesmos tipos de dados espaciais e funções fornecidos no DB2 Spatial Extender, é possível usar o DB2 Geodetic Extender para executar consultas transparentes de dados em torno dos pólos da terra e dados que cruzam o 180º meridiano. É possível manter dados que são referidos em um local preciso na superfície da terra.

O DB2 Geodetic Extender é denominado para a disciplina de geodésia, que é o estudo do tamanho e forma da terra (ou qualquer corpo modelado por um elipsoide, como o sol ou uma esfera celestial). O DB2 Geodetic Extender é projetado para tratar de objetos definidos na superfície da terra com um alto grau de precisão. O DB2 Geodetic Extender está disponível somente para o DB2 Enterprise 9.

DB2 Connect

Uma grande parte dos dados em muitas organizações grandes é gerenciada pelo DB2 para i5/OS, DB2 para MVS/ESA, DB2 para z/OS ou DB2 para servidores de dados VSE e VM. Aplicativos que são executados em qualquer uma das plataformas distribuídas do DB2 suportadas podem trabalhar com esses dados de forma transparente, como se um servidor de dados local os gerenciasse. Também é possível usar uma ampla gama de aplicativos de banco de dados prontos para uso ou desenvolvidos de forma customizada com o DB2 Connect e suas ferramentas associadas. De forma bem simples, o DB2 Connect fornece conectividade aos bancos de dados de mainframe e de médio porte das plataformas Windows, Linux e UNIX.

Há diversas edições do DB2 Connect disponíveis: Personal Edition, Enterprise Edition, Application Server Edition e duas Unlimited Editions (uma para ambientes i5/OS e uma para ambientes z/OS). Os produtos DB2 Connect podem ser incluídos em uma instalação existente do servidor de dados DB2 ou podem agir como um gateway independente. De qualquer forma, é comprado separadamente (apesar de algumas licenças de usuário gratuitas serem fornecidas no DB2 Enterprise). Consulte Recursos para obter informações adicionais sobre o DB2 Connect.

Ferramentas complementares do DB2

Há dois tipos de ferramentas para o DB2: aquelas que são gratuitas e aquelas que são complementos que podem ser comprados separadamente. As ferramentas gratuitas vêm como parte de uma instalação do DB2 e podem ser lançadas a partir do Control Center, do Configuration Assistant ou por conta própria (você aprenderá sobre elas na próxima seção deste tutorial).

Um conjunto separado de ferramentas está disponível para ajudar a facilitar a tarefa do administrador de banco de dados (DBA) de gerenciar e recuperar dados e disponibilizá-los para versões distribuídas do DB2.

FerramentaDescription
DB2 Change Management ExpertMelhora a produtividade do DBA e reduz erro humano, automatizando e gerenciando mudanças estruturais complexas do DB2.
Data Archive ExpertResponde a requisitos legislativos, como Sarbanes-Oxley, ajudando DBAs a moverem dados raramente usados para uma mídia de armazenamento menos dispendiosa sem programação adicional.
DB2 High Performance UnloadMaximiza a produtividade do DBA, reduzindo janelas de manutenção para descarregamento e reparticionamento de dados.
DB2 Performance ExpertTorna DBAs mais proativos no gerenciamento de desempenho para maximizar o desempenho do banco de dados.
DB2 Recovery ExpertProtege seus dados fornecendo recursos de recuperação rápidos e precisos.
DB2 Table EditorMantém dados de negócios atuais, permitindo que usuários finais criem, atualizem e excluam dados de forma fácil e segura.
DB2 Test Database GeneratorCria dados de teste rapidamente e ajuda a evitar passivos associados a leis de privacidade de dados, protegendo dados de produção sigilosos usados em teste.
DB2 Web Query ToolAmplia o acesso do usuário final aos dados do DB2 usando a Web e dispositivo portáteis.

Nem todas essas ferramentas estão disponíveis para todas as edições do DB2 9. No entanto, as nuances de licenciamento estão fora do escopo deste tutorial.


Ferramentas do DB2

Visão geral das ferramentas

As ferramentas incluídas com o DB2 (doravante chamadas de Ferramentas do DB2, que não devem ser confundidas com as ferramentas do DB2 compráveis discutidas na seção anterior) fornecem um array inteiro de interfaces gráficas que economizam tempo e reduzem erros na maioria dos recursos do DB2. Com essas ferramentas, é possível executar as mesmas tarefas a partir de uma interface gráfica com o usuário (GUI) que você pode executar a partir de uma linha de comando ou API. No entanto, ao usar as ferramentas do DB2, não é necessário lembrar-se das instruções ou comandos complexos e é possível obter assistência adicional por meio da ajuda on-line e de assistentes -- então vamos dar uma salva de palmas para as ferramentas DB2!

As ferramentas do DB2 fazem parte do DB2 Client. Ao instalar um servidor DB2, na verdade está instalando todos os componentes de um DB2 Client também (apesar de a maioria das pessoas não perceber isso). O DB2 Client permite instalar as ferramentas do DB2 em qualquer estação de trabalho e permite gerenciar servidores de bancos de dados remotos. O DB2 Client também fornece os componentes necessários para configurar o desenvolvimento de um aplicativo.

As ferramentas do DB2 são realmente divididas em dois campos:

O Control Center (CC)
É usado principalmente para administrar servidores DB2. Há vários outros centros que são integrados e podem ser iniciados a partir do Control Center.
O Configuration Assistant (CA)
É usado para configurar comunicações de cliente/servidor e manter variáveis de registro, apesar de poder fazer mais. Saiba mais sobre o CA em breve.

Funções básicas das ferramentas

Há aproximadamente seis recursos básicos que você deve poder localizar em qualquer ferramenta DB2 (quando aplicável): Assistentes, Generate DDL, Show SQL/Show Command, Show Related, Filtro e Ajuda.

Assistentes

Assistentes podem ser muito úteis tanto para usuários novatos quanto especialistas do DB2. Os assistentes ajudam a concluir tarefas específicas, guiando por meio de cada tarefa passo a passo e recomendando configurações quando aplicável. Assistentes estão disponíveis por meio do Control Center e do Configuration Assistant.

Há assistentes para incluir um banco de dados em seu sistema (catalogando-o), criar um banco de dados, fazer backup e restaurar um banco de dados, criar tabelas, criar espaços de tabelas, configurar two-phase commits, configurar criação de log do banco de dados, atualizar sua documentação, configurar um par de Recuperações de Desastre de Alta Disponibilidade (HADR), ajustar seu desempenho e mais. A figura a seguir mostra alguns painéis do assistente Create Database no DB2 9.

Criando um Banco de Dados usando um Assistente
Criando um Banco de Dados usando um Assistente

Se estiver criando um banco de dados usando esse assistente, você poderia automatizar muitas das etapas pós-administração também. Por exemplo, na figura anterior, é possível ver que o banco de dados TESTME será criado com manutenção automática. Observe também a caixa de seleção Enable database for XML (Code set will be set to UTF-8) . Se estiver alavancando o recurso pureXML no DB2 9, é necessário criar seu banco de dados no formato unicode UTF-8; este é outro exemplo de como o assistente pode torná-lo mais produtivo. Se tiver se esquecido de especificar essa opção ao criar um banco de dados a partir do processador de linha de comando, seria necessário eliminar e recriar o banco de dados, já que essa é uma característica de um banco de dados que não pode ser alterada.

Orientadores
Há tipos especiais de assistentes que fazem mais do que apenas fornecer assistência na conclusão de uma tarefa. Assistentes tradicionais o guiam passo a passo por uma tarefa, simplificando a experiência, fazendo perguntas importantes ou gerando a sintaxe de comando complexa para a ação que você deseja executar. Quando um assistente tem mais inteligência do que apenas conclusão de tarefa e pode oferecer funções do tipo consultivo, o DB2 os chama de orientadores. Eles operam exatamente como assistentes, mas têm muita inteligência (alguns algoritmos bastante complexos) que produz conselho baseado em alguns fatores de entrada, como carga de trabalho ou estatísticas. Orientadores ajudam com atividades mais complexas, como tarefas de ajuste, reunindo informações e recomendando opções que você pode não ter considerado. É possível então aceitar ou rejeitar o conselho do orientador. É possível chamar orientadores a partir da GUI, de APIs e a interface da linha de comando.

Orientadores fazem parte do esforço de computação autônoma da IBM, que tem como objetivo tornar software e hardware mais SMART (autogerenciamento e ajuste de recurso)! Diferentemente de algumas ofertas competitivas, os Orientadores do DB2 estão todos incluídos sem encargos adicionais em toda edição do DB2, inclusive no DB2 Express - C.

O produto DB2 Cube Views também vem com um Optimization Advisor, mas esse tópico está fora do escopo da DB2 Fundamentals Certification.

Há dois orientadores principais no DB2 9: o Configuration Advisor e o Design Advisor. Há outro Orientador que vem com o DB2 chamado DB2 Recommendation Advisor. Esse Orientador pode ser acessado somente a partir do DB2 Health Center quando o DB2 apresenta um problema com a verificação de funcionamento regular de suas instâncias do DB2 e o banco de dados das mesmas (mais sobre isso em breve).

O Configuration Advisor pode ser usado para configurar parâmetros de configuração no nível da instância e do banco de dados para seu ambiente do DB2. Ele faz diversas perguntas de alto nível que descrevem seu ambiente (você se importa mais com o desempenho ou a disponibilidade de seu banco de dados - ou ambos igualmente, quantos usuários acessarão um banco de dados simultaneamente, quanta memória gostaria de dedicar para o uso do DB2 e mais). Após converter as respostas em parâmetros de entrada que são passados aos algoritmos subjacentes, o DB2 considera de forma SMART as respostas fornecidas e faz diversas recomendações de configuração com base em suas respostas. O Configuration Advisor é especialmente bem adequado para cargas de trabalho OLTP, mas também funciona bem com cargas de trabalho baseadas em inteligência de negócios.

O DB2 9 apresenta um novo recurso para ajuste automatizado para o conjunto de trabalhos de memória de banco de dados compartilhado (também disponível gratuitamente em todas as edições do DB2 9) chamado Self Tuning Memory Manager (STMM). Usando o Configuration Advisor com o STMM é uma excelente combinação para um sistema de banco de dados ideal, sem interferência de ajuste dinâmico.

O Configuration Advisor funciona tão bem que no DB2 9 ele é iniciado automaticamente após a criação de um banco de dados (em alguns casos) usando o Control Center. Mesmo se você for um DBA especialista, recomenda-se usar essa ferramenta. Pense nas horas que é possível economizar fazendo com que o DB2 forneça a você qual acredita ser uma configuração ideal para seu aplicativo. Em seguida, é possível sintonizar manualmente o desempenho para atingir o nível de especialista que você atingirá sem dúvida após obter sua certificação! Um exemplo do Configuration Advisor é mostrado abaixo.

O Design Advisor aceita como entrada uma carga de trabalho que é fornecida em um arquivo, capturada no cache, em um repositório do DB2 Query Patroller e mais. Usando a carga de trabalho, o Design Advisor pode sugerir uma mudança ao esquema de banco de dados subjacente para obter desempenho ideal com base na carga de trabalho enviada. O Design Advisor pode sugerir novos (ou mudanças em) índices, MQTs, MDCs e chaves de particionamento (usadas quando você tiver instalado o Database Partitioning Feature). Também pode identificar índices que não estão sendo usados para possível remoção.

Lembre-se ao usar esse orientador, no entanto, que as recomendações são baseadas somente na carga de trabalho enviada. É um ponto importante. O Design Advisor pode indicar que você deve eliminar um índice ou criar uma tabela MDC com base em uma consulta, mas isso pode funcionar contra o desempenho de outras consultas. Ao usar essa ferramenta, certifique-se de que esteja criando perfil das partes mais importantes de seu aplicativo. Um exemplo do Design Advisor é mostrado abaixo.

O Design Advisor é diferente de assistentes no sentido de que um assistente ajudaria a criar um índice, mas o orientador sugeriria efetivamente um índice específico a ser criado. Orientadores realmente permitem que DBAs melhorem sua produtividade e, potencialmente, suas qualificações, já que podem ser usados como uma ferramenta de aprendizado, reduzindo assim o esforço e o custo total de propriedade de uma solução DB2.

Bloco de notas
Outro tipo de ferramenta de assistência, um bloco de notas, difere dos assistentes, pois não o guia por um processo específico (como criar uma tabela). Blocos de notas simplificam a tarefa, reduzindo o tempo que leva para concluí-las. Essencialmente, os blocos de notas são excelentes para eliminar a necessidade de memorizar sintaxe quebrada. Blocos de notas existem para tarefas como configurar monitores de eventos, criar índices, buffer pools, acionadores, aliases, esquemas, visualizações e mais. A figura a seguir mostra o bloco de notas Create View.

Usando um bloco de notas para criar uma visualização
Usando um bloco de notas para criar uma visualização

Ao fazer o exame, você deve saber sobre todos os assistentes, orientadores e blocos de dados e como usá-los. É recomendável que você passe pelo Control Center e o Configuration Assistant, explorando esses auxiliares e executando as diversas tarefas com sua ajuda. Clique com o botão direito do mouse em tudo e explore com um banco de dados de teste; lembre-se, a prática leva à perfeição!

Generate DDL

A função Generate DDL permite recriar e, como opção, salvar em um arquivo de script, a Linguagem de Definição de Dados (DDL), instruções de autorização necessárias para recriar os privilégios em um objeto, o espaço de tabela onde o objeto reside, grupos de nós, buffer pools, estatísticas de banco de dados e praticamente qualquer outra coisa que forme a base de seu banco de dados (exceto os dados).

Usando o recurso Generate DDL, é possível salvar a DDL para criar tabelas, bancos de dados e índices definidos de forma idêntica em outro banco de dados -- usando-o como um cortador de cookie, por assim dizer. Administradores gostam de usar essa opção para criarem um ambiente de teste que emite o ambiente de produção. Uma boa coisa sobre o DB2, já que é possível atualizar manualmente as estatísticas (algo que você nunca deve fazer em um ambiente de produção), é que é possível usar esse recurso com a função Generate DDL para criar um banco de dados de teste sem precisar carregar os dados nas tabelas. Ao clicar na opção Generate DDL, você está na verdade executando o comando db2look do sistema DB2.

Se quiser mover dados para seus novos objetos de banco de dados para configurar rapidamente um banco de dados de teste, você poderia usar os utilitários tradicionais LOAD ou IMPORT ou o comando db2move . Essa ferramenta facilita a movimentação de um grande número de tabelas entre bancos de dados DB2 localizados em estações de trabalho distribuídas. db2move consulta as tabelas de catálogos do sistema para um banco de dados específico e compila uma lista de todas as tabelas de usuários. Exporta então tabelas no formato PC/IXF.

Show SQL/Show Command

Se uma ferramenta gerar instruções SQL ou comandos do DB2, então o botão Show SQL ou Show Command estará disponível na interface dessa ferramenta. Selecionar esse botão mostrará a instrução real ou o comando que o DB2 usará para executar a tarefa solicitada. É possível salvar as informações retornadas por esse recurso como um script para reutilização futura (assim, não é necessário digitá-las novamente), planejá-lo para execução posterior ou apenas usá-lo para obter uma melhor ideia do que está acontecendo atrás da interface. Também é possível usar os recursos copiar e colar de seu sistema operacional para trabalhar com a sintaxe gerada em outro aplicativo.

A figura a seguir mostra o comando CREATE DATABASE que foi gerado pelo Assistente Create Database (é claro que se o assistente tivesse gerando SQL, a opção seria mostrar o SQL gerado para a tarefa) para um banco de dados chamado CHLOE que:

  • Será usado com o recurso pureXML
  • Tem um plano de manutenção automatizado pelo qual a manutenção off-line pode ser executada nos sábados e domingos entre 1h e 5h.
  • Cujos contêineres serão divididos entre as unidades C: e D: usando o recurso de gerenciamento de armazenamento automatizado do DB2
  • Enviará notificações por e-mail a DBAs pode meio do servidor de correio 4fddew.ibmcanada.com para um pager

A opção Show Command fornece a sintaxe para a tarefa que você está tentando realizar; aí está muita DDL escrita manualmente que você acaba de economizar de precisar escrever.

A opção Show Command
A opção Show Command

Show Related

O recurso Show Related retorna o relacionamento imediato entre tabelas, índices, visualizações, aliases, acionadores, espaços de tabela, funções definidas pelos usuários (UDFs) e tipos definidos pelo usuário (UDTs). Por exemplo, se você selecionar uma tabela e optar por mostrar as visualizações relacionadas, você verá as visualizações que são baseadas diretamente nessa tabela base específica. Você não verá visualizações que são baseadas nas visualizações relacionadas, pois essas visualizações não foram criadas diretamente a partir da tabela.

Vendo uma lista de objetos relacionados, é possível entender melhor a estrutura de um banco de dados, determinar quais objetos já existem em um banco de dados e seus relacionamentos uns com os outros e muito mais. Por exemplo, se quiser eliminar uma tabela com visualizações dependentes, o recurso Show Related identificará quais visualizações ficarão inoperantes como resultado de eliminar esse objeto.

A figura a seguir mostra os resultados de usar o recurso Show Related em uma visualização. Como é possível ver, a visualização VIPER.PATIENTDOCTOR tem dependências das tabelas VIPER.PATIENTS e VIPER.DOCTORS. Usando essas informações, você deve ser capaz de dizer que se qualquer uma dessas duas tabelas for eliminada, a visualização VIPER.PATIENTDOCTOR ficaria inoperante. A opção Show Related mostra os relacionamentos dentro ou entre objetos de banco de dados -- neste caso, uma visualização e sua tabela base.

Filtro

É possível filtrar as informações que são exibidas na área de janela de conteúdo de qualquer ferramenta do DB2. Também é possível filtrar informações que são retornadas de uma consulta (como limitar o número de linhas em um conjunto de resultados).

As ferramentas permitem salvar e denominar diversos filtros e rechamá-los posteriormente. Se você selecionar o botão View no canto inferior direito da área de janela Control Center que exibe os objetos de banco de dados destacados, verá um diálogo pop-up no qual é possível criar, salvar e editar filtros. Faça uso de seu tempo agora para criar um filtro para todos os objetos de banco de dados criados sob ser próprio ID do usuário. Em seções posteriores deste tutorial, é possível usar então esse filtro para localizar de forma rápida e fácil os objetos de banco de dados com os quais deseja trabalhar. Você pode imaginar a importância desses filtros, principalmente ao trabalhar com aplicativos de gerenciamento da cadeia de fornecimento (SCM) ou de planejamento de recurso corporativo (ERP), como o SAP, que têm dezenas de milhares de tabelas.

Ajuda

Informações extensivas da ajuda são fornecidas com as ferramentas do DB2 usando o mecanismo da ajuda do Eclipse. Um botão Help existe na maioria das caixas de diálogo, assim como na barra de ferramentas do menu. Esses recursos fornecem ajuda geral e ajudam a preencher os campos e executar tarefas de uma ferramenta específica. A partir dos menus da ajuda, também é possível acessar um glossário e índice de termos usados no diálogo ou nas informações de referência, juntamente com as informações fornecidas nos manuais dos produtos.

A ajuda do DB2 é orientada por tarefa, o que deve facilitar a localização de informações necessárias para executar uma tarefa específica (por exemplo, criar um banco de dados). O DB2 também fornece um assistente de atualização para notificar que há atualizações da documentação esperando sua instalação.

Os processadores do DB2: Uma introdução

O DB2 Command Line Processor (DB2 CLP), comum em todos os produtos DB2, é um aplicativo que pode ser usado para executar comandos do DB2, comandos do sistema operacional ou instruções SQL. Essa ferramenta pode ser um método um tanto quanto misterioso para se chamar comandos do DB2. No entanto, o DB2 CLP pode ser uma ferramenta eficiente, pois estende sua capacidade de armazenar sequências de comandos ou instruções frequentemente usadas em arquivos em lote que podem ser executados quando necessário.

Algumas implementações do DB2 podem usar a interface da linha de comando nativa do sistema operacional para inserir comandos do DB2; outras não. Por essa razão, vamos fazer referência a dois processadores diferentes no DB2: o DB2 Command Line Processor (DB2 CLP) e o DB2 Command Window (DB2 CW). As pessoas tendem a chamá-los pelo mesmo nome, já que eles compartilham o mesmo ícone. Neste tutorial, vamos fazer referência ao modo no qual não é necessário colocar prefixo nos comandos com a palavra-chave db2 como o DB2 CLP no modo interativo .

O DB2 CLP permite inserir comandos do DB2 de forma interativa, sem usar o prefixo db2 para indicar ao sistema operacional que você está planejando inserir um comando do DB2. No entanto, se quiser inserir um comando do S.O., é necessário colocar como prefixo o ponto de exclamação, também chamado de tecla bang (!). Por exemplo, no DB2 CLP, se quisesse executar o comando dir , você inseriria !dir.

Para todos os sistemas operacionais diferentes do Windows, o DB2 CW é integrado ao CLP nativo do sistema operacional. Em um ambiente Windows, é necessário iniciar um DB2 CW a partir de um prompt de comandos do Windows inserindo o comando db2cmd ou selecionando a opção apropriada no menu Start.

É possível iniciar o DB2 CLP a partir de um DB2 CW inserindo o comando db2 sozinho. A figura a seguir mostra um comando inserido por meio do DB2 CW.

Inserindo um comando com o DB2 CW
Inserindo um comando com o DB2 CW

Observe que precisei inserir a palavra-chave db2 para que esse comando do DB2 fosse executado. Se eu não tivesse feito isso, o sistema operacional teria considerado que esse era um comando do sistema operacional e retornaria um erro. Se você estiver usando o DB2 CLP, não é necessário fazer isso, conforme mostrado na figura abaixo.

Inserindo um comando com o DB2 CW no Modo Interativo
Inserindo um comando com o DB2 CW no Modo Interativo

Usando os processadores do DB2

ao usar um processador do DB2, é possível usar opções da linha de comandos que alteram a maneira como o processo, ou uma única instrução ou comando inserido a partir dele, se comporta. É possível especificar uma ou mais opções o processador ao chamar um comando do DB2. Algumas das opções que podem ser controladas são:

  • A confirmação automática de cada instrução que é possível definir usando o sinalizador c .
  • Um arquivo de entrada que fornece os comandos do DB2 e instruções SQL que é possível definir usando o sinalizador f .
  • O caractere de fim de instrução (o caractere padrão é ;), definido pelo sinalizador t .

É possível obter uma lista de todas as opções válidas inserindo list command options em um processador do DB2 (não se esqueça de quando seria necessário incluir o prefixo db2 para isso funcionar). Execute esse comando agora e você verá que há mais de 15 diferentes opções, conforme mostrado abaixo.

As várias opções do DB2 CLP
As várias opções do DB2 CLP

Há duas maneiras para alterar as opções de um processador do DB2. É possível configurar opções de comando para uma sessão configurando a variável de registro DB2OPTIONS (que deve estar em maiúsculas) ou especificando sinalizadores da linha de comando ao inserir um comando do DB2. O segundo método substituirá quaisquer configurações feitas no nível do registro. Se você alterar o comportamento para uma única instrução, isso substituirá quaisquer configurações na sessão e no registro.

Para ativar uma opção, use como prefixo da letra de opção correspondente um sinal de menos (-); por exemplo, para ativar o recurso de confirmação automática (que é o padrão), insira:

db2 -c comando ou instrução...

Para desativar uma opção, coloque a letra da opção entre sinais de menos (-c-) ou coloque um prefixo de sinal de mais (+). Leia as duas últimas sentenças novamente, pois isso pode ser confuso: um sinal de menos antes de um sinalizador ativa uma opção, mas um sinal de menos antes de e após um sinalizador ou um sinal de mais antes do sinalizador, desativa essa opção. Não isso não é muito intuitivo (ei, não fui eu que escrevi o código). Como isso pode ser confuso, vamos acompanhar um exemplo com a opção de confirmação automática.

Algumas opções da linha de comando estão ativadas por padrão e algumas estão desativadas. A explicação anterior (e o exemplo a seguir) descreve o comportamento e o efeito das opções da linha de comando nas opções que estão ativadas por padrão. Você usaria a lógica oposta se uma opção da linha de comando estivesse desativada por padrão.

Por padrão, o recurso de confirmação automática está configurado para (-c). Essa opção especifica se cada instrução for confirmada ou retrocedida automaticamente.

Se uma instrução for bem-sucedida, ela e todas as instruções bem-sucedidas que foram emitidas antes dela com confirmar automaticamente configurado para desativado (+c ou -c-) são confirmadas. Se, no entanto, uma instrução falhar, ela e todas as instruções bem-sucedidas que foram emitidas antes dela com confirmar automaticamente configurado para desativado são retrocedidas. Se confirmar automaticamente estiver configurado para desativado para a instrução, você deve emitir explicitamente um comando de confirmação ou de retrocesso.

Na figura a seguir, o valor do recurso de confirmação automática na linha de comando foi alterado para ilustrar esse processo.

Alterando opções da linha de comando no tempo de execução
Alterando opções da linha de comando no tempo de execução

Então o que aconteceu? Bem, primeiro criei uma tabela chamada A, mas fiz isso enquanto, ao mesmo tempo, desativava a opção de confirmação automática padrão, usando a opção +c da coluna. (Poderia ter colocado esse sinalizador com um sinal de mais (-c-) e teria feito a mesma coisa.) Após criar a tabela A (mas não confirmando essa ação, lembre-se), criei outra tabela chamada B enquanto desativava o recurso de confirmação automática também. Em seguida, fiz uma junção cartesiana em ambas as tabelas, novamente desativando de forma dinâmica o recurso de confirmação automática do DB2 CLP. Por fim, fiz um retrocesso e executei a mesma instrução SELECT novamente e, desta vez, ela falhou.

Se der uma olhada na transação, nunca emiti uma confirmação. Se a primeira SELECT não tivesse incluído a opção +c , ela teria confirmado a criação das tabelas A e B e as tabelas (já que SELECT foi bem-sucedida) e isso, portanto, retorna com sucesso os mesmos resultados que a primeira instrução SELECT .

Tente a mesma sequência exata de comandos, mas desta vez use a opção -c- da coluna. Você deve observar o mesmo comportamento. Após isso, tente sem quaisquer opções na primeira instrução SELECT e veja se a segunda SELECT retorna resultados ou não.

Seu sistema operacional pode ter um número máximo de caracteres que pode ler em qualquer instrução (mesmo quando quebra para a próxima linha em sua exibição). Como solução alternativa para essa limitação ao inserir uma instrução longa, é possível usar o caractere de continuação de linha ( \ ). Quando o DB2 encontrar o caractere de continuação de linha, ele lê a próxima linha e concatena as duas linhas durante o processamento. É possível usar esse caractere com ambos os processadores do DB2; no entanto, esteja ciente de que o DB2 tem um limite de instrução de 2 MB (isso é muita digitação de linha de comando). A figura abaixo ilustra seu uso no DB2 CLP.

Usando o caractere de continuação de linha com o DB2 CLP
Usando o caractere de continuação de linha com o DB2 CLP

Se estiver usando o DB2 CW para inserir comandos, pode ocorrer um problema com alguns destes caracteres especiais:

$ & * ( ) ; < > ? \ ' "

O shell do sistema operacional pode interpretar esses caracteres de forma indevida. (É claro que isso não é um problema no DB2 CLP, já que é um aplicativo separado projetado especialmente para comandos do DB2.)

É possível contornar operadores do sistema que deseja que sejam interpretados pelo DB2 e não pelo sistema operacional colocando toda sua instrução ou comando entre aspas, como a seguir:

db2 "select * from staff where dept > 10"

Tente inserir o comando anterior em um DB2 CW sem as aspas. O que aconteceu? Verifique o conteúdo do diretório no qual emitiu o comando. Aposto que encontrará um arquivo lá chamado 10 que tem um erro de SQL nele. Por quê? Bem, o DB2 interpretou sua instrução SQL

select * from staff where dept

e tentou colocar esse conteúdo em um arquivo chamado 10. O programa > é uma instrução do sistema operacional para canalizar qualquer saída da exibição padrão para um arquivo especificado (neste caso 10). A instrução select * from staff where dept é claramente uma instrução SQL incompleta; portanto, o erro. Os resultados incorretos são devidos à interpretação indevida do caractere especial pelo sistema operacional.

Você deve experimentar com ambos os processadores do DB2 para obter uma sensação de qual é a melhor opção em qualquer circunstância específica. Use algum tempo agora para inserir comandos em ambos o DB2 CLP e o DB2 CW.


O Control Center

Visão geral do Control Center

O Control Center (CC) é a ferramenta de gerenciamento central para servidores de dados do DB2. É possível usar o CC para gerenciar sistemas, instâncias do DB2, bancos de dados, objetos de bancos de dados e muito, muito mais. A partir do CC, também é possível abrir outros centros e ferramentas para ajudar a otimizar consultas, planejar tarefas, escrever e salvar scripts, criar procedimentos armazenados e funções definidas pelo usuário, trabalhar com comandos do DB2, monitorar o funcionamento de seu sistema do DB2 e mais. (Algumas dessas funções são fornecidas por ferramentas ativadas a partir do CC.)

É possível iniciar o CC inserindo o comando db2cc a partir do prompt de comandos do sistema operacional ou localizando o Control Center na interface baseada na GUI do sistema operacional.

Entre outras tarefas, um DBA pode usar o CC para:

  • Incluir sistemas DB2, sistemas federados, subsistemas DB2 para z/OS, sistemas IMS e instâncias e bancos de dados locais e remotos na árvore de objetos para gerenciamento (alguns destinos são limitados com relação às ações que é possível executar nos mesmos).
  • Gerenciar objetos de banco de dados. É possível criar, alterar e eliminar bancos de dados, espaços de tabela, tabelas, visualizações, índices, acionadores e esquemas. Também é possível gerenciar usuários.
  • Gerenciar dados. É possível carregar, importar, exportar, reorganizar e coletar estatísticas sobre seus dados.
  • Executar manutenção preventiva fazendo backup e restaurando bancos de dados ou espaços de tabelas.
  • Planejar tarefas para serem executadas sem assistência. Para planejar tarefas por meio do CC, você deve criar primeiramente um banco de dados de catálogo TOOLS. Se não tiver criado esse banco de dados quando instalou o DB2 (é uma parte opcional do processo de instalação), é possível fazer isso a partir da opção Tools Settings na visualização Tools . Se ainda não tiver feito isso, crie-o agora.
  • Configurar e ajustar instâncias e bancos de dados.
  • Gerenciar conexões com o banco de dados.
  • Monitorar e sintonizar o desempenho. É possível executar estatísticas, verificar o caminho de execução de uma consulta, iniciar monitoramento de eventos e capturas instantâneas, gerar SQL ou DDL de objetos ou comandos de banco de dados e visualizar relacionamentos entre objetos do DB2.
  • Solucionar problemas.
  • Gerenciar replicação de dados.
  • Gerenciar aplicativos.
  • Gerenciar o funcionamento de seu sistema DB2.
  • Ativar outros centros do DB2.
  • E MAIS!!

O CC é mostrado abaixo. Deve ser possível usar essa ferramenta facilmente, já que é semelhante a muitas outras interfaces no mercado; objetos estão à esquerda e detalhes desses objetos estão à direita.

Observe o painel do banco de dados que aparece ao conectar a um banco de dados. Isso fornece aos DBAs um local de parada única para visualizar rapidamente o funcionamento de seus bancos de dados DB2. Por exemplo, na figura anterior, é possível ver que não existe nenhum backup de banco de dados para esse banco de dados e que a manutenção automatizada está somente parcialmente ativada. Não há nenhuma informação para as outras categorias que poderia sugerir que as desativei ou que o DB2 ainda não teve tempo para retornar informações sobre esses objetos.

Para ver tudo que é possível fazer com o CC, clique com o botão direito do mouse em qualquer objeto da árvore de objetos. Um menu pop-up mostra todas as funções que podem ser executadas em um objeto selecionado. Por exemplo, na pasta Tabelas , é possível criar uma nova tabela (também é possível criar uma tabela a partir de uma operação IMPORT ), criar um filtro para o que é exibido na área de janela de conteúdo ou atualizar a visualização. As tarefas que podem ser executadas dependem do objeto selecionado. Recomendo muito que você verifique cada pasta e objeto e clique com o botão direito do mouse para se familiarizar.

O CC permite customizar o que é exibido na árvore de navegação para uma visualização mais simples ou uma visualização customizada. A figura abaixo fornece um exemplo desse processo.

Customizando seu DB2 Control Center
Customizando seu DB2 Control Center

É possível ver na figura anterior que escolhi uma visualização Basic , que simplifica muito a árvore do Explorer. É possível customizar as pastas e opções que podem ser vistas ao clicar com o botão direito do mouse em um objeto. Por exemplo, você poderia customizar o CC para que mostrasse somente a pasta Tabelas ou até mesmo customizar as ações exibidas ao clicar com o botão direito do mouse nessa pasta para permitir somente que você crie uma nova tabela, não altere uma existente.

As próximas diversas seções apresentam uma descrição detalhada das ferramentas do CC que podem ser iniciadas a partir da barra de ativação. Cada ferramenta ativada inclui a barra de ativação; portanto, é possível ativar qualquer ferramenta do DB2 a partir de qualquer outra ferramenta do DB2. Esta seção cobre as ferramentas e centros do DB2 que são usados mais frequentemente. Outras seções deste tutorial cobrirão as ferramentas restantes disponíveis a partir da barra de ativação que não são cobertas nesta seção.

O DB2 Replication Center

Use o DB2 Replication Center (DB2 RC) para administrar a replicação entre um servidor de dados DB2 e outros bancos de dados relacionais (DB2 ou não DB2). A partir do DB2 RC, é possível definir ambientes de replicação, aplicar mudanças designadas de um local em outro e sincronizar dados em dois ou mais locais.

É possível iniciar o DB2 RC a partir do menu Start, da barra de ativação de uma ferramenta do DB2 ou inserindo o comando db2rc no prompt de comandos. A figura a seguir fornece uma ideia da aparência do RC.

Uma barra de ativação específica da replicação, mostrada acima, está disponível para guiá-lo por algumas das funções básicas de replicação. É possível usar o RC para todos os tipos de replicação que são suportados em um ambiente DB2. No entanto, parte dessas funções requer produtos adicionais. Por exemplo, a replicação baseada em Q é integrada ao produto WebSphere MQ Series e faz parte da família de produtos WebSphere Information Integrator.

Algumas das tarefas chaves que podem ser executadas com o RC incluem:

  • Criar tabelas de controle de replicação
  • Registrar origens de replicação
  • Criar conjuntos de assinaturas
  • Operar o programa Capture
  • Operar o programa Apply
  • Monitorar o processo de replicação
  • Executar resolução de problemas básica para replicação.

O DB2 Satellite Administration Center

Use o Satellite Administration Center (DB2 SAC) para configurar e administrar um grupo de servidores DB2 que executam a mesma função de negócios. Esses servidores, conhecidos como satélites, executam, todos eles, o mesmo aplicativo e têm a mesma configuração do DB2 (definição do banco de dados) para suportar esse aplicativo. Usando o DB2 SAC, é possível usar diversos servidores de dados DB2 para sincronizar e manter a configuração e dados dos mesmos com um servidor principal. É possível iniciar o DB2 SAC a partir da barra de ativação em qualquer ferramenta do DB2.

O DB2 Command Editor

Use o DB2 Command Editor para desenvolver e executar comandos do DB2 e instruções SQL e para visualizar uma representação gráfica do plano de acesso para uma instrução SQL.

É possível iniciar o Command Editor a partir do CC, de um prompt de comandos do sistema operacional ou um menu Start na interface gráfica de seu sistema operacional. O Command Editor também está disponível como um aplicativo baseado na Web que é possível acessar a partir de um navegador da Web, mas seus recursos nesse modo não são tão ricos quanto ao executá-lo a partir de um cliente DB2 instalado localmente. A ferramenta Query Results do Command Editor é mostrado abaixo.

Diferentes guias no DB2 Command Editor fornecem diferentes recursos:

Commands
Permite executar instruções SQL ou comandos do DB2. (Inserir comandos do DB2 no Command Editor é como trabalhar no modo interativo do DB2 CLP: não é necessário usar o prefixo db2 .) Para executar um comando ou instrução inseridos, selecione o botão verde Reprodução ou pressione Ctrl+Enter. Também é possível inserir comandos específicos do sistema operacional do DB2 CC antecedendo o comando com um sinal bang (! ). Por exemplo, para listar o conteúdo do diretório atual, insira !dir.

Essa guia fornece a opção para: recuperar de um histórico de comandos executados desde que o editor foi iniciado, especificar um caractere de fim de terminação para sua sessão e incluir facilmente conexões com o banco de dados nos quais deseja executar suas instruções.

Query Results
Mostrada na figura anterior, essa guia permite que você veja os resultados de sua consulta. Também é possível salva os resultados da consulta ou editar o conteúdo da tabela diretamente (supondo que você tenha os privilégios para fazer isso).
Access Plan
Permite ver o plano de acesso para qualquer instrução explicável executada nesse editor. O DB2 irá gerar automaticamente o plano de acesso ao compilar a instrução SQL. É possível usar essas informações para ajustar suas consultas para um melhor desempenho. Se você especificar mais de uma instrução em uma única operação, um plano de acesso é criado somente para a primeira instrução.

O DB2 Command Editor também vem com a ferramenta SQL Assist, que tem mais cobertura na próxima seção. Para chamar a ferramenta SQL Assist, selecione o botão SQL Assist na guia Commands .

O DB2 Command Editor também pode ser executado em um modo baseado na Web. Nesse modo, qualquer navegador da Web, PDA, telefone celular ou outro dispositivo disseminado que tenha acesso à Internet pode executar comandos com relação a um servidor DB2. Isso ajuda os DBAs a se manterem de forma contínua em contato com seus sistemas DB2. No modo da Web, o Command Editor não tem os recursos Visual Explain ou SQL Assist.

O DB2 Task Center

Use o DB2 Task Center (DB2 TC) para executar tarefas, seja imediatamente ou de acordo com um planejamento, e notificar pessoas sobre o status de tarefas concluídas. É possível iniciar o DB2 TC a partir do menu Start em um ambiente Windows, a partir da barra de ativação de uma ferramenta do DB2 ou inserindo o comando db2tc de um prompt de comandos.

Uma task é um script acompanhado por condições de falha ou de sucesso, planejamentos e notificações associados. É possível criar uma tarefa dentro do DB2 TC, criar um script dentro de outra ferramenta e salvá-lo no DB2 TC, importar um script existente ou salvar as opções de um diálogo ou assistente do DB2 (como do assistente Load) como um script. O script pode conter comandos do DB2, de SQL ou do sistema operacional.

Para cada tarefa, é possível:

  • Planejar a tarefa
  • Especificar condições de sucesso e falha
  • Especificar ações que devem ser executadas quando essa tarefa for concluída com sucesso ou quando falhar
  • Especificar endereços de e-mail (incluindo pagers) que devem ser notificados quando essa tarefa for concluída com sucesso ou quando falhar.

Também é possível criar uma tarefa de agrupamento, que combina diversas tarefas em uma única unidade de trabalho lógica. Quando uma tarefa de agrupamento atende as condições de sucesso ou falha definidas, quaisquer tarefas de continuidade são executadas. Por exemplo, seria possível combinar três scripts de backup em uma tarefa de agrupamento e, em seguida, especificar uma reorganização como uma tarefa de continuidade que será executada se todos os scripts de backup forem executados com sucesso. Todos esses recursos tornam o DB2 TC um recurso indispensável para DBAs encarregados pelo gerenciamento de um ambiente do DB2.

O DB2 Health Center

Use o DB2 Health Center (DB2 HC) para monitorar o estado de um ambiente do DB2 e fazer quaisquer mudanças necessárias no mesmo. É possível iniciar o DB2 HC a partir do menu Start em um ambiente Windows, a partir da barra de ativação de qualquer ferramenta do DB2 ou inserindo o comando db2hc em um prompt de comandos.

Ao usar o DB2, um monitor controla de forma contínua um conjunto de indicadores de funcionamento. Se o valor atual de um indicador de funcionamento estiver fora do intervalo de operação aceitável definido por seus limites de aviso e de alarme, o monitor de funcionamento gera um alerta de funcionamento. O DB2 vem com um conjunto de valores de limites predefinidos, que podem ser customizados. Por exemplo, é possível customizar os limites de alarme e de aviso para a quantia de memória alocada para um heap específico ou para notificar quando classificações estão derramando no disco, etc.

Dependendo da configuração da instância do DB2, algumas ou todas as ações a seguir podem ocorrer quando o monitor de funcionamento gera um alerta:

  • Uma entrada é gravada no log de notificação de administração, que é possível ler a partir do Journal.
  • O indicador de status do DB2HC aparece no canto inferior direito da janela de uma ferramenta do DB2.
  • Um script ou tarefa é executado.
  • Uma mensagem de e-mail ou de pager é enviada aos contatos especificados para esse propósito.

A figura a seguir representa o DB2 HC e uma estratégia de resolução sugerida na resposta para uma condição que detectou.

É possível ver que uma instância do DB2 em execução no Windows está usando o serviço de sistema de mensagens integrado no Windows para notificar um DBA de que há um problema com classificação.

Há diversas tarefas chaves que podem ser executadas com o DB2 HC. Por exemplo, é possível:

  • Visualizar o status do ambiente do DB2. Ao lado de cada objeto na árvore de navegação, um ícone indica o status desse objeto (ou de quaisquer objetos contidos por esse objeto). Por exemplo, um ícone em forma de losango verde ao lado de uma instância significa que a instância e os bancos de dados contidos na instância não têm nenhum alerta.

  • Visualizar alertas para uma instância ou banco de dados. Ao selecionar um objeto na árvore de navegação, os alertas desse objeto são mostrados na área de janela à direita.

  • Visualizar informações detalhadas sobre um alerta e ações recomendadas. Ao dar um clique duplo em um alerta, aparece um bloco de notas. Uma página mostra os detalhes para o alerta; outra mostra quaisquer ações recomendadas, etc. (A segunda página desse Orientador é mostrada na figura anterior.)

  • Configurar definições do monitor de funcionamento para um objeto específico ou as configurações padrão para um tipo de objeto ou para todos os objetos dentro de uma instância.

  • Selecione quais contatos serão notificados sobre alertas por mensagem de e-mail ou de pager.

  • Revisar o histórico de alertas de uma instância ou banco de dados.

Algumas das ações que podem ser executadas com o DB2 HC são mostradas na figura anterior. Ao abrir o Health Center, é possível ver que há outros diversos problemas que o DB2 identificou como não funcional. Um DBA pode selecionar um problema e solicitar que o DB2 recomende o melhor método para resolver o problema. O Recommendation Advisor fará diversas perguntas e, baseado em suas respostas, sugerirá o melhor curso de ação para resolver o problema em questão.

O DB2 Journal

O DB2 Journal exibe informações de histórico sobre tarefas, ações e operações de banco de dados, ações do Control Center, mensagens, alertas de funcionamento emitidos e mais. É possível iniciar o DB2 Journal a partir do menu Start em um ambiente do Windows ou a partir da barra de ativação de qualquer ferramenta do DB2.

A figura abaixo mostra o DB2 Journal, com algumas informações de eventos passados exibidos.

Há quatro guias nessa ferramenta, cada uma fornecendo a um DBA informações valiosas:

Task History
Mostra os resultados de tarefas que foram executadas anteriormente. É possível usar essas informações para fazer uma estimativa do tempo de execução de tarefas futuras. Essa página contém uma linha para cada execução de uma tarefa.

Para cada execução concluída de uma tarefa, é possível executar as seguintes ações:

  • Visualizar os resultados da execução
  • Visualizar a tarefa que foi executada
  • Editar a tarefa que foi executada
  • Visualizar as estatísticas de execução da tarefa
  • Remover o objeto de execução da tarefa do Journal
Database History
Mostra informações do arquivo histórico de recuperação. Esse arquivo é atualizado quando várias operações são executadas, inclusive: backup, restauração, avanço, carregamento, reorganização e mais. Essas informações podem ser úteis se for necessário restaurar um banco de dados ou espaço de tabela.
Messages
Mostra mensagens que foram emitidas anteriormente a partir do Control Center e de outras ferramentas de GUI.
Notification Log
Mostra informações do log de notificação de administração.

O DB2 License Center

O DB2 License Center exibe o status das informações de licença e uso de seu DB2 para os produtos DB2 instalados em seu sistema. Também permite configurar seu sistema para monitoramento de licença apropriado. É possível usar o DB2 License Center para incluir novas licenças, configurar políticas de usuários autorizados. atualizar uma licença try-and-buy para uma licença de produção e mais. Também é possível controlar as licenças do DB2 por meio da linha de comando usando o comando db2licm .

O DB2 Information Center

Use o Information Center para localizar informações sobre tarefas, material de referência, resolução de problemas, programas de amostra e Web sites relacionados. Esse centro provará ser seu local único para informações do DB2. É possível iniciar o Information Center a partir do Control Center, do menu Start em um ambiente do Windows ou inserindo o comando db2ic especificado.


O Configuration Assistant

Visão Geral

O Configuration Assistant (CA) permite manter uma lista de bancos de dados aos quais seus aplicativos podem conectar, gerenciar e administrar. Ele é usado principalmente para configurações de clientes. É possível iniciar o CA inserindo o comando db2ca em um prompt de comandos ou, em um ambiente do Windows, a partir do menu Start. Algumas das funções disponíveis no CA são mostradas na figura a seguir.

O Configuration Assistant
O Configuration Assistant

Cada banco de dados que você deseja acessar a partir do CA deve estar catalogado em um cliente DB2 antes de ser possível trabalhar com ele. É possível usar o CA para configurar e manter conexões com o banco de dados que você ou seus aplicativos estarão usando. O assistente Add Database (mostrado acima) ajudará a automatizar o processo de catalogar nós e bancos de dados, enquanto o protege das complexidades inerentes dessas tarefas.

A partir do CA, é possível trabalhar com bancos de dados existentes, incluir novos, ligar aplicativos, configurar parâmetros de configuração e registro do cliente (também mostrado acima) e importar e exportar perfis de configuração. A interface gráfica do CA facilita essas tarefas complexas por meio de:

  • Assistentes que ajudam a executar determinadas tarefas.
  • Campos dinâmicos que são ativados com base em suas opções de entrada.
  • Dicas que ajudam a tomar decisões de configuração.
  • O recurso Discovery, que pode recuperar informações conhecidas sobre bancos de dados que residem em sua rede.

Como é possível ver na figura acima, o CA exibe uma lista dos bancos de dados aos quais seus aplicativos podem conectar a partir da estação de trabalho onde foi iniciado. Cada banco de dados é identificado primeiro por seu alias de banco de dados, em seguida, por seu nome. É possível usar o assistente Change Database para alterar as informações associadas aos bancos de dados nessa lista. O CA também tem uma visualização Advanced, que usa um bloco de notas para organizar informações de conexão pelos seguintes objetos:

  • Sistemas
  • Nós de instâncias
  • Bancos de dados
  • Bancos de dados de Database Connection Services (DCS) para System i e System z
  • Origens de dados

É possível usar o CA para catalogar bancos de dados e origens de dados (como parâmetros de CLI e ODBC), configurar sua instância e importar e exportar perfis de clientes.

Use algum tempo agora para incluir um banco de dados criado em sua lista de conexões. Se você tiver os recursos, tente incluir um banco de dados que reside em um servidor separado, usando o recurso de descoberta. Agora, passe por cada um dos outros recursos do CA para entender a estrutura na qual o CA os apresenta. Foque principalmente perfis; qualquer DBA de valor irá querer entender perfis, pois eles permitem cortar em cookies uma instalação de cliente DB2 para implementação em massa (incluindo as conexões com o banco de dados e as definições de configuração).


Outras Ferramentas do DB2

Há uma enorme quantidade de outras ferramentas do DB2 que podem ser usadas para facilitar seu trabalho. Essas ferramentas são entregues gratuitamente como ferramentas independentes no Control Center ou no Configuration Assistant. Não confunda essas ferramentas com as ferramentas complementares do DB2 que estão disponíveis separadamente, sobre as quais você aprendeu em Ferramentas complementares do DB2.

Visual Explain

O Visual Explain permite visualizar o plano de acesso para uma instrução SQL explicada como um gráfico. É possível usar as informações disponíveis a partir do gráfico para sintonizar sua consulta SQL para um melhor desempenho. O Visual Explain permite explicar de forma dinâmica uma instrução SQL e visualizar o gráfico do plano de acesso resultante. O Visual Explain está disponível como uma ferramenta independente a partir do Control Center ou por meio de interfaces associadas ao Command Editor e ao Developer Workbench.

O otimizador do DB2 escolhe um plano de acesso e o Visual Explain exibe esse plano, no qual tabelas e índices -- e operações nos mesmos -- são representados como nós e o fluxo de dados é representado pelos links entre os nós. Para obter informações adicionais sobre qualquer etapa do plano de consulta, dê um clique duplo nesse objeto na saída de explicação.

A melhor parte do Visual Explain é que não é nem mesmo necessário executar a consulta para obter as informações que você está procurando. Por exemplo, vamos supor que você suspeite que uma consulta que possui esteja escrita de forma ineficiente; usando o Visual Explain, é possível ver graficamente o custo da consulta sem realmente executá-la.

É possível obter o plano de acesso gráfico de uma consulta sem executá-la, inserindo-a no Control Center. na visualização em árvore do Control Center, selecione o banco de dados com o qual deseja trabalhar, clique com o botão direito do mouse e selecione Explain SQL. Insira a instrução SQL que deseja explicar e selecione OK. Um exemplo de uma consulta visualmente explicada é mostrado abaixo.

Representação visual do plano de acesso de uma consulta usando o Visual Explain
Representação visual do plano de acesso de uma consulta usando o Visual Explain

Os Snapshot e Event Monitors

Há dois monitores utilitários fornecidos no DB2 para ajudar a entender melhor seu sistema e o impacto de operações sobre ele.

A ferramenta Snapshot Monitor captura informações do banco de dados em pontos específicos do tempo. Você determina o intervalo de tempo entre esses pontos e os dados que serão capturados. O Snapshot Monitor pode ajudar a analisar problemas de desempenho, ajustar instruções SQL e identificar condições de exceção com base em limites. No DB2, você tem a capacidade de recuperar informações de captura instantânea em uma tabela do DB2 usando um SQL UDF ou programaticamente usando uma API C.

A ferramenta Event Monitor permite analisar uso de recursos gravando o estado do banco de dados no momento que eventos específicos ocorrem. Por exemplo, é possível usar o Event Monitor quando for necessário saber quanto tempo levou para concluir uma transação ou qual porcentagem de recursos de CPU disponíveis foi usada por uma instrução SQL.

Tool Settings

O bloco de notas Tools Settings permite customizar as ferramentas gráficas do DB2 e algumas de suas opções. É possível usar esse bloco de notas para:

  • Configurar as definições gerais de propriedades, como o caractere de terminação, a inicialização automática das Ferramentas do DB2, as características da ajuda instantânea e de pop-up informativo, o número máximo de linhas em um conjunto de resultados e mais
  • Alterar as fontes para menus e texto
  • Configurar propriedades do DB2 for z/OS Control Center
  • Configurar preferência de notificação do Health Center
  • Configurar preferências da documentação
  • Configurar um banco de dados de planejamento do DB2 padrão usado para manter tarefas planejadas

DB2 Governor

O DB2 Governor pode monitorar o comportamento de aplicativos que são executados com relação a um banco de dados e pode alterar determinados comportamentos, dependendo das regras especificadas no arquivo de configuração do Governor.

Uma instância do Governor consiste em um arquivo de configuração e em um ou mais daemons. Cada instância do Governor iniciada é específica de uma instância do gerenciador do banco de dados. Por padrão, ao iniciar o Governor, um daemon do Governor é iniciado no banco de dados. Cada daemon do Governor coleta informações sobre os aplicativos que são executados com relação ao banco de dados. Ele verifica então essas informações com relação às regras especificadas no arquivo de configuração do Governor para esse banco de dados.

O Governor gerencia transações de aplicativos conforme especificado pelas regras no arquivo de configuração. Por exemplo, aplicar uma regra pode indicar se um aplicativo está usando muito de um recurso específico. Possivelmente, após uma consulta ter sido executada por essa quantia de tempo ou se estiver consumindo uma determinada quantia de ciclos de CPU, a regra especificaria a ação a ser tomada (como alterar a prioridade do aplicativo ou força-lo a desconectar do banco de dados).

O DB2 Governor é gratuito com o DB2 Enterprise e pode ser incluído em uma instalação do DB2 Express ou do DB2 Workgroup comprando-se o DB2 Workload Management Feature.

DB2 Developer Workbench

O DB2 9 tem um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) totalmente novo chamado DB2 Developer Workbench (DB2 DWB), projetado especificamente para DBAs e desenvolvedores eficientes que precisam desenvolver lógica de negócios para seus bancos de dados. O DB2 9 DWB substitui o DB2 8 Development Center (DB2 DC), que foi um sucessor do DB2 7 Stored Procedure Builder (DB2 SPB). O DB2 DWB é uma ferramenta completamente diferente desenvolvida sobre a base do Eclipse, de forma que a interface é idêntica a de outros produtos DB2 que usam essa arquitetura, como o DB2 SQL Warehousing Tool, o Rational Application Developer, o Rational Data Architect e mais.

O DB2 DWB é um ambiente de desenvolvimento iterativo rápido que pode ser usado para desenvolver procedimentos armazenados (SPs), funções definidas pelo usuário (UDFs) e tipos de dados estruturados. Também é útil para criar instruções XQuery, registrar esquemas XML, anotar documentos de Esquema XML para retaliação e muito mais.

O DB2 DWB foi completamente reescrito na plataforma Eclipse, enquanto que o DB2 DC era baseado em classes Java-Swing. A nova arquitetura permite escalabilidade aprimorada e maior produtividade dessa ferramenta. Diferentemente do DB2 DC, o DB2 DWB é um produto instalável separadamente (e é gratuito). É necessário fazer o download e instalá-lo separadamente com um cliente DB2. O DB2 DWB é mantido como uma instalação separada no DB2 9 de forma que possa ser atualizado mais frequentemente do que o servidor de dados em si.

Além dos recursos oferecidos no DB2 8 DC (principalmente o desenvolvimento de procedimentos armazenados usando Java e SQL/PL e funções e tipos definidos pelo usuário), o DB2 DWB inclui suporte para:

  • Um Data Development Project, no qual é possível agrupar de forma lógica o desenvolvimento de rotinas, instruções SQL, scripts e instruções XQuery.
  • Ferramentas para gerenciar o ciclo de vida dos objetos em um Data Development Project. Por exemplo, rotinas podem ser copiadas ou arrastadas da visualização Database Explorer para um Data Development Project na visualização Data Project Explorer. (Também é possível copiar e colar ou arrastar e soltar rotinas entre projetos.)
  • Um assistente de conteúdo que fornece conclusão de instrução SQL sensível ao contexto nos diversos editores para UDF, procedimento armazenado e desenvolvimento de instrução SQL. Por exemplo, ao inserir um nome de esquema seguido por um ponto (.), o DB2 DWB irá enumerar automaticamente os objetos dentro do esquema para fácil seleção.
  • A capacidade de importar rotinas para um Data Development Project. Usando esse recurso, é possível criar um procedimento armazenado ou uma função definida pelo usuário importando o código da rotina ou selecionando uma ou mais rotinas existentes de um projeto dentro da área de trabalho.
  • A implementação de rotinas para diferentes servidores de dados que não estão na mesma plataforma. É possível usar o Deploy Wizard para implementar suas rotinas em um servidor de dados do DB2 a partir das visualizações Database Explorer ou Data Project Explorer. Por exemplo, é possível criar uma rotina em um DB2 para servidor Windows e, em seguida, implementá-lo em uma plataforma DB2 para z/OS. É possível até mesmo mover rotinas de um servidor de dados Apache Derby/IBM Cloudscape para um DB2 para servidor de dados Linux, UNIX, Windows ou z/OS. Também é possível especificar opções para a implementação, como a maneira para tratar nomes de rotinas duplicados, manipulação de erros, etc.
  • Um utilitário de comparação que pode comparar o código de origem e atributos entre duas rotinas e, como opção, sincronizar o código contido dentro de um Data Development Project.
  • Ajuste de Desempenho. Usuários podem ativar o utilitário Visual Explain para DB2 z/OS e DB2 para Linux, UNIX e Windows no corpo de uma rotina ou em uma instrução SQL independente. (O Visual Explain é ativado como um programa de aplicativo separado.)
  • Para o desenvolvimento de aplicativos SQLJ com recursos para gerar um arquivo de modelo SQLJ com um assistente, conversão e compilação automáticas, customização com um assistente, impressão do arquivo de perfil, edição de seus aplicativos SQLJ com assistente de código e modelos e a capacidade de depurar arquivos SQLJ.
  • Um conjunto completo de ferramentas de desenvolvimento SQL que inclui um SQL Query Wizard, um SQL Query Builder, um SQL Script Editor, um SQL Query Model e um SQL DML parser. Usando essas ferramentas, é possível criar instruções SQL usando o SQL Query Builder, que fornece aos usuários assistência gráfica para desenvolver suas consultas.
  • A migração de projetos do DB2 8 Development Center.
  • O Teaming Support que permite compartilhar os objetos desenvolvidos no DB2 DWB com software de equipe, como CVS ou IBM Rational ClearCase. Após compartilhar um projeto, é possível gerenciar todas as mudanças, o histórico de atualização e a sincronização com o repositório usando ações do menu de seu projeto.
  • A edição e navegação de dados de XML e relacionais.
  • A criação, o registro e a edição de documentos de Esquema XML dentro do DB2 XML Schema Repository (.XSR).
  • O desenvolvimento de instruções XQuery com o XQuery Builder.

Um exemplo do DB2 DWB é mostrado abaixo.

Memory Visualizer

O Memory Visualizer ajuda os DBAs a entenderem as alocações de memória de seus sistemas por instância. É possível iniciar essa ferramenta clicando com o botão direito do mouse na instância com a qual deseja trabalhar no Control Center e selecionando View Memory Usage. Também é possível selecionar a ferramenta diretamente a partir do menu Start em um ambiente do Windows. A figura a seguir mostra o Memory Visualizer monitorando uma instância chamada DB2.

A área de janela superior do Memory Visualizer mostra componentes de memória organizados em uma árvore de navegação. Limites de valores de histórico, de alarme e de aviso são mostrados à direita de cada componente. A área de janela inferior mostra um plot de uso de memória.

Os componentes de memória de alto nível que essa ferramenta monitora incluem: memória compartilhada do gerenciador do banco de dados, memória global do banco de dados e memória privada do agente. Cada componente de alto nível é dividido em componentes de nível inferior que determinam como a memória é alocada e desalocada. Por exemplo, a memória é alocada e desalocada quando o gerenciador do banco de dados é iniciado, quando um banco de dados é ativado e quando um aplicativo conecta a um banco de dados.

Algumas das tarefas chaves que podem ser executadas com o Memory Visualizer incluem:

  • Visualizar uso geral da memória.
  • Especificar quais informações de memória exibir e quais informações ocultar para uma instância do DB2 e seus bancos de dados.
  • Atualizar os parâmetros de configuração para um componente de memória individual para evitar que ele use muita ou muito pouca memória.
  • Salvar os dados de alocação de memória.
  • Carregar os dados de alocação de memória de um arquivo para a janela Memory Visualizer.

Storage Management

O DB2 tem uma ferramenta Storage Management que ajuda DBAs a entenderem seus requisitos de armazenamento e considerações em potencial. O DB2 9 inclui gerenciamento de armazenamento automatizado, em que o DB2 pode aumentar automaticamente contêineres que requerem mais espaço e, até mesmo, gerenciar os espaços de tabelas (esse recurso está disponível somente com espaços de tabelas baseados em DMS FILE). Se estiver usando os recursos de gerenciamento de armazenamento automatizado no DB2 9, a ferramenta Storage Management pode não ser tão útil se você optar por um mecanismo de armazenamento baseado em manual para seu servidor de dados.

É possível usar a ferramenta Storage Management para planejar ou capturar imediatamente uma captura instantânea de recursos de armazenamento atualmente alocados. Inicie a ferramenta Storage Management selecionando um banco de dados no Control Center, clicando com o botão direito do mouse e selecionando View Storage.

A ferramenta Storage Management também permite especificar limites de aviso e de alarme (há padrões fornecidos prontos para uso) para os critérios de armazenamento a seguir:

Uso de espaço
Mede da quantia de espaço em disco usado em um banco de dados, em um grupo de partições de bancos de dados ou, até mesmo, no nível do espaço de tabela.
Distribuição não uniforme de dados
Mede o balanço de dados entre as partições ou tabelas de bancos de dados.
Proporção de cluster
Mede a qualidade de cobertura que um índice tem em uma tabela.

Um exemplo da ferramenta Storage Management no DB2 9 é mostrado abaixo.

In-doubt Transaction Monitor

O In-doubt Transaction Monitor ajuda DBAs a trabalharem com transações globais que estão em um estado de dúvida. Por exemplo, uma linha de comunicação interrompida poderia deixar uma transação preparada, mas ainda não confirmada nem retrocedida. Na maioria dos casos, não será necessário usar essa ferramenta e é possível simplesmente esperar que o Transaction Manager ressincronize; mas se não puder esperar, é possível usar o In-doubt Transaction Manager. Somente DBAs experientes devem tentar isso -- essa ferramenta é para pessoas que realmente sabem o que estão fazendo. É possível iniciar essa ferramenta selecionando-a no menu Start ou inserindo o comando db2indbt de um prompt de comandos.

SQL Assist

O SQL Assist é uma ferramenta gráfica que pode ser usada para desenvolver instruções SELECT, INSERT, UPDATE e DELETE. A ferramenta usa um bloco de notas para ajudar a organizar as informações necessárias para criar uma instrução SQL. O SQL Assist está disponível a partir de diversas ferramentas e assistentes.

O SQL Assist facilita muito para usuários novatos para apontarem e clicarem pelo caminho de criação de consulta e desenvolverem instruções SQL mais complexas. Da próxima vez que consultar seu banco de dados com o Command Editor ou desenvolver uma visualização usando o Control Center, chame a ferramenta SQL Assist para obter uma sensação do quanto ela pode ajudá-lo. A figura a seguir mostra a ferramenta SQL Assist.

First Steps

First Steps é uma ferramenta gráfica que ajuda a iniciar com o DB2. First Steps tem diversas opções; todas estão disponíveis clicando-se no ícone ao lado da ação desejada.

Com First Steps, é possível criar bancos de dados de amostra, ativar as ferramentas do DB2 para gerenciamento e conectividade, criar novos bancos de dados, verificar atualizações de produtos, visualizar a biblioteca de produtos, acessar recursos de desenvolvimento de aplicativos, localizar mais recursos do DB2 na Web e mais. Se ainda não tiver feito isso, certifique-se de criar o banco de dados SAMPLE usando essa ferramenta para ajudar a reforçar o que aprenderá neste e nos tutoriais seguintes. A ferramenta First Steps no DB2 9 é mostrada abaixo.

O Activity Monitor

O Activity Monitor pode ajudar a monitorar desempenho de aplicativos, simultaneidade de aplicativos, consumo de recursos e uso de instruções SQL. Ele pode ajudá-lo a diagnosticar problemas de desempenho de banco de dados, como situações de espera de bloqueio e o ajuste de consultas para uso otimizado dos recursos de banco de dados. O Activity Monitor também vem com vários relatórios que o DB2 gera automaticamente.

Na figura a seguir, é possível ver as diferentes cadeias de bloqueio do aplicativo associadas com seus respectivos IDs de autorização. O aplicativo de AMUSERB está causando bloqueio no aplicativo de AMUSERC, que por sua vez está bloqueando AMUSERD e AMUSERE. AMUSERD, por sua vez, está bloqueando outros aplicativos.

O Activity Monitor
O Activity Monitor

Se você clicar com o botão direito do mouse em qualquer um dos aplicativos conectados ao banco de dados, é possível descobrir detalhes adicionais sobre o bloqueio, mostrar a instrução SQL que está causando o bloqueio ou forçar o bloqueio.


Data warehousing

O que é data warehousing?

Há dois tipos principais de aplicativos de banco de dados: processamento transacional on-line (OLTP) e data warehousing, que inclui relatório, processamento analítico on-line (OLAP) e aplicativos de mineração de dados. O DB2 9 é excepcional em ambos. O que diferencia um sistema OLTP de um sistema de data warehousing de Inteligência de Negócios (BI)? As consultas típicas que estão acessando os dados.

Um sistema OLTP é típico de um sistema de pedidos pela Web, em que transações são executadas pela Web (como a solicitação de um produto). Esses aplicativos são caracterizados por consultas de linha única granulares com lógica que provavelmente atualiza um pequeno número de registros. Em contraste, as consultas do tipo BI executam grandes varreduras de tabelas ao tentarem localizar padrões de dados em grandes quantias de dados. Se alguma vez tiverem solicitado a você para resumir todas as vendas da região oeste, essa é uma consulta de warehousing.

De forma bem simples, pense OLTP, pense direto ao ponto. Pense BI, pense em procurar uma agulha no palheiro ou agregar muitos dados para relatório. É claro que não é só isso, mas você entendeu.

Sistemas que contêm dados operacionais -- os dados que executam as transações diárias de um negócio -- são os sistemas OLTP. No entanto, esses sistemas contêm informações que analistas de sistemas podem usar para melhor entenderem como os negócios estão operando. Por exemplo, podem ver quais produtos foram vendidos em quais regiões em qual época do ano. Isso ajuda a identificar anomalias ou projetar vendas futuras.

No entanto, há diversos problemas se analistas acessarem dados operacional de acesso (OLTP) diretamente para relatório e outras atividades de BI:

  • Pode ser que não tenham o conhecimento para consultar o banco de dados operacional. Em geral, os programadores que têm o conhecimento para consultar o banco de dados operacional têm um emprego de período integral de manutenção de banco de dados e seus aplicativos.

  • O desempenho é crítico para muitos bancos de dados operacionais, como um banco de dados usado para processar transações bancárias. Esses sistemas não podem tratar de usuários que estão fazendo consultas ad hoc em armazenamentos de dados operacionais. Considere, por exemplo, o tempo que você leva para pagar contas on-line. Ao selecionar OK, geralmente leva somente alguns segundos para processar um pagamento. Agora, considere um analista bancário que esteja tentando descobrir como ganhar mais dinheiro de uma base de clientes existente. O analista executa uma consulta que é tão complexa que sua transação bancária agora leva aproximadamente 30 segundos para concluir! Obviamente esse tempo de desempenho não é aceitável (nem são os novos encargos com os quais o analista está sonhando). Por essa razão, armazenamentos de dados operacionais e armazenamentos de dados de relatório (incluindo bancos de dados OLAP) geralmente são separados.

    Nos últimos anos, no entanto, os armazenamentos de dados de relatório tendem a se tornar pseudo-operacionais e atuais. Esses armazenamentos são chamados de armazenamentos de dados operacionais (ODSs) ou, até mesmo, armazéns de dados ativos . Considere o segmento de mercado de telecomunicações, por exemplo. ODSs são populares com essas empresas à medida que tentam identificar cobranças fraudulentas o mais rápido possível. O DB2 é um dos poucos bancos de dados que é bem adequado para cargas de trabalho operacionais e de relatório.

  • Os dados operacionais geralmente não estão no melhor formato para serem usados pelos analistas de negócios. Os dados de vendas resumidos por produto, região e estação são muito mais úteis para analistas do que dados de transações brutos.

Data warehousing soluciona esses problemas. Em data warehousing, você cria armazenamentos de dados informativos -- dados extraídos de dados operacionais e, em seguida, transformados e purificados para a tomada de decisão do usuário final. Por exemplo, uma ferramenta de data warehousing pode copiar todos os dados d vendas de um banco de dados operacional, executar cálculos para resumir os dados e gravar os dados resumidos em um banco de dados separado dos dados operacionais. Os usuários finais podem consultar o banco de dados separado (o armazém) sem afetarem os bancos de dados OLTP.

Produtos DB2 para data warehousing

O DB2 é desenvolvido para inteligência de negócios. O DB2 não é apenas o banco de dados mais escalável do mundo, também tem um conjunto robusto de funções de inteligência de negócios. O DB2 tem dois Data Warehouse Editions (DB2 DWE) que fornecem descontos elevados para um conjunto completo de ferramentas de data warehousing. Algumas dessas ferramentas estão disponíveis para compra fora dos pacotes do DB2 DWE e algumas não. O DB2 DWE vem em Base e Enterprise Editions.

O DB2 DWE agrega e estende o eficiente produto DB2 Enterprise 9 para fornecer desempenho aprimorado e usabilidade de data warehousing, além de recursos analíticos, para insight e tomada de decisão em tempo real para obter informações on demand. Os recursos do DB2 DWE incluem ferramentas para gerenciamento de armazém, desenvolvimento de aplicativo analítico, OLAP, mineração de dados e gerenciamento de consulta de banco de dados muito grande (VLDB) e de recursos.

Os produtos incluídos no DB2 DW Enterprise Edition são:

DB2 Enterprise
DB2 Data Partitioning Feature
Esse recurso permite particionar um banco de dados dentro de um único servidor ou em um cluster de servidores. O DB2 Data Partitioning fornece aos negócios a escalabilidade para suportar bancos de dados muito grandes, comuns em um ambiente de data warehousing, assim como cargas de trabalho complexas e maior paralelismo para tarefas de administração. Esse recurso está disponível para venda fora do produto DB2 DWE.
DB2 Data Warehouse Edition Design Studio
Algumas das funções de modelagem da Rational Data Architect (RDA) baseada em Eclipse estão incluídas e estendidas para formarem o DWE Design Studio, um ambiente de desenvolvimento para soluções de BI. O Design Studio integra as tarefas a seguir em um ambiente gráfico: modelagem de dados físicos (RDA), construção de armazém baseada em SQL do DB2, modelagem de cubo OLAP e modelagem de mineração de dados.

Essa ferramenta de design permite que designers conectem a bancos de dados de origem e de destino, realizem engenharia reversa de modelos de dados físicos, criem fluxos de dados e fluxos de mineração baseados em SQL do DB2, configurem cubos OLAP e preparem aplicativos para implementação em sistemas de tempo de execução. Como é baseado na ferramenta Eclipse, a ferramenta tem aparência idêntica ao DB2 Developer Workbench.

SQL Warehousing Tool
Para suportar soluções de inteligência de negócios requisição, o DB2 DWE fornece uma infraestrutura para desenvolvimento e manutenção de armazém, incluindo ferramentas para design de aplicativo, implementação, execução e administração.

O SQL Warehousing Tool soluciona problemas de integração de dados em um ambiente de armazém de dados do DB2. Usuários podem modelar fluxos lógicos de operações de nível superior, que geram unidades de código organizadas dentro dos planos de execução. A ferramenta fornece um sistema de metadados e um IDE para criar, editar e gerenciar esses fluxos e um sistema de geração de código que entende o gráfico de origem e traduz o mesmo em código SQL otimizado para execução. Quando o desenvolvimento de fluxos for concluído, a segunda parte do sistema entra na jogada: o empacotamento do código gerado e dos artefatos associados em um aplicativo de armazém de dados que pode ser implementado em vários sistemas de tempo de execução de destino.

Desenvolvedores e arquitetos de aplicativos de armazém de dados usam o Design Studio para criarem:

  • Modelos de dados físicos para bancos de dados de origem e de destino e tabelas de migração de dados.
  • Fluxos de dados que representam a movimentação de dados de origens por meio de etapas de transformação e para bancos de dados de destino. Por exemplo:
    • Fluxos de dados de SQL que usam o poder de processamento de SQL do DB2 para operações de desenvolvimento de armazém que trabalham em dados de tabelas relacionais, arquivos simples, etc.
    • Fluxos de mineração que integram operações de mineração de dados chaves a um modelo baseado em SQL
    • Fluxos de dados de SQL que incorporam tarefas ETL opcionais do DataStage como subfluxos
  • Fluxos de controle que ordenam um conjunto de fluxos de dados relacionados e definem regras de processamento para a execução desses fluxos de dados.
  • Pacotes de implementação que contêm todos os arquivos e parâmetros que formam um aplicativo completo pronto para instalação e execução.

Os processos do fluxo de controle podem ser executados e gerenciados, com o DB2 Data Warehouse Edition funcionando como o mecanismo de tempo de execução e o software IBM WebSphere® Application Server fornecendo recursos de controle e planejamento. O WebSphere Application Server fornece o ambiente de implementação de tempo de execução para aplicativos de armazém de dados. Administradores acessam o WebSphere executando o Data Warehouse Edition Administration Console baseado em navegador a partir de um computador de Web client.

DB2 Data Warehouse Edition Administration Console
O DB2 DWE Administration Console é um aplicativo baseado na Web para gerenciar e monitorar aplicativos de BI. Instalado com o WebSphere Application Server, o DWE Administration Console usa Web clients para acessar e implementar aplicativos de armazém de dados modelados e projetados no DWE. O console usa o modelo de segurança do WebSphere, permitindo que usuários com funções de administrador, gerente e operador executem várias tarefas administrativas a partir de um único conjunto unificado de páginas do console. O console suporta cinco categorias de funções:
  • DWE Common: Criar origens de dados e ativar bancos de dados para OLAP e mineração.
  • SQL Warehousing: Implementar, planejar e monitorar aplicativos de data warehousing que foram criados no Design Studio. Visualizar estatísticas e logs associados a processos e solucionar problemas de falhas de tempo de execução.
  • OLAP: Importar e exportar modelos de cubos, usar o otimizador de OLAP e exibir conteúdo de metadados para o modelo de cubo, como suas tabelas, junções, medidas e atributos.
  • Mining: Visualizar, exportar, atualizar e excluir modelos do banco de dados de mineração. Também é possível importar modelos de mineração para o banco de dados e carregar modelos no cache. A ferramenta de visualização de mineração fornece representações gráficas dos resultados do modelo de mineração.
  • Alphablox: Ativar a ferramenta Alphablox Administration nativa.
DB2 Data Warehouse Edition OLAP Acceleration
Anteriormente conhecido como DB2 Cube Views. Com os recursos OLAP incluídos no DWE Design Studio e no Administration Console, usuários podem criar, manipular, otimizar, implementar, importar ou exportar modelos de cubos, cubos e outros objetos de metadados a serem usados em análise de OLAP. O DWE Design Studio fornece assistentes de fácil utilização e janelas para ajudarem usuários a trabalharem com metadados OLAP.
DB2 Data Warehouse Edition Data Mining
Usando os recursos de mineração de dados do DB2 DWE, é possível descobrir relacionamentos ocultos em seus dados sem exportar dados para um computador de mineração de dados especial ou servindo-se de pequenas amostras de dados. O DB2 DWE entrega DB2 Extensions para as seguintes operações de modelagem: análise da cesta básica, segmentação de mercado, criação de perfil e mais.
DB2 Data Warehouse Edition Data Visualization Feature
Para visualizar os modelos de mineração criados.
Analítica do DB2 Alphablox
O DB2 Alphablox fornece a capacidade de criar rapidamente aplicativos baseados na Web customizados que se ajustam à infraestrutura corporativa e atingem uma ampla gama de usuários, dentro e fora do firewall corporativo. Aplicativos desenvolvidos com o DB2 Alphablox são executados em navegadores da Web padrão, permitindo análise multidimensional altamente customizável em tempo real de um computador cliente. O DB2 Alphablox é fortemente integrado ao DWE Cube Views, que fornece metadados comuns e otimização de banco de dados pala análise multidimensional do Alphablox.
DB2 Data Warehouse Edition Query Workload Management Feature
O DB2 Query Patroller é o recurso de gerenciamento de carga de trabalho de consulta do DWE. Esse produto também está disponível fora do pacote do DB2 DWE. O DB2 Query Patroller é um sistema de gerenciamento de consulta eficiente que pode ser usado para controlar de forma proativa e dinâmica o fluxo de consultas com relação a seu banco de dados DB2 nas seguintes maneiras chaves:
  • Definir classes de consultas separadas para consultas de diferentes tamanhos para melhor compartilhar recursos do sistema entre consultas e para evitar que consultas menores fiquem presas atrás das grandes.
  • Dar prioridade alta a consultas enviadas por determinados usuários para que essas consultas sejam executadas antes.
  • Colocar consultas grandes automaticamente em espera para que possam ser canceladas ou planejadas para execução durante horários fora de pico.
  • Controlar e cancelar consultas runaway.

Os recursos do DB2 Query Patroller permitem regular a carga de trabalho de consulta de seu banco de dados de forma que pequenas consultas e consultas de alta prioridade possam ser executadas imediatamente e os recursos do sistema sejam usados de forma eficiente.

Informações sobre consultas concluídas também podem ser coletadas e analisadas para determinarem tendências entre consultas, usuários pesados e tabelas e índices usados frequentemente. Os administradores podem usar o DB2 Query Patroller para:

  • Configurar políticas de uso de recursos nos níveis do sistema e do usuário.
  • Monitorar e gerenciar ativamente uso do sistema, cancelando ou replanejando consultas que poderiam afetar o desempenho do banco de dados.
  • Gerar relatórios que ajudam a identificação de tendências no uso do banco de dados, como quais objetos estão sendo acessados e quais indivíduos ou grupos de usuários são os melhores contribuidores para a carga de trabalho.
  • Os requisitantes de consultas podem usar o DB2 Query Patroller para: monitorar as consultas que enviaram; armazenar resultados de consultas para recuperação e reutilização futuras, eliminando de forma efetiva a necessidade de envio de consulta repetitiva; e configurar várias preferências para customizar seus envios de consultas, como se receber notificação por e-mail quando uma consulta for concluída.

Summary

Summary

Neste tutorial, você aprendeu sobre as diferentes versões do DB2 e os vários produtos DB2. Nós discutimos as ferramentas incluídas com o DB2. Você também aprendeu sobre o Control Center, o Configuration Assistant e todas as ferramentas independentes do Control Center e do Configuration Assistant. Discutimos data warehousing e os produtos DB2 associados.

Para ficar de olho nesta série, marque a página da série, série de tutoriais de preparação para o exame 730 DB2 9 Fundamentals.

Recursos

Aprender

Obter produtos e tecnologias

  • Uma versão de avaliação do DB2 9 está disponível para download gratuito.
  • Faça o download das O DB2 Express-C, uma versão gratuita do DB2 Express Edition para a comunidade que oferece os mesmos recursos de dados principais que o DB2 Express Edition e fornece uma base sólida para desenvolver e implementar aplicativos.

Comentários

developerWorks: Conecte-se

Los campos obligatorios están marcados con un asterisco (*).


Precisa de um ID IBM?
Esqueceu seu ID IBM?


Esqueceu sua senha?
Alterar sua senha

Ao clicar em Enviar, você concorda com os termos e condições do developerWorks.

 


A primeira vez que você entrar no developerWorks, um perfil é criado para você. Informações no seu perfil (seu nome, país / região, e nome da empresa) é apresentado ao público e vai acompanhar qualquer conteúdo que você postar, a menos que você opte por esconder o nome da empresa. Você pode atualizar sua conta IBM a qualquer momento.

Todas as informações enviadas são seguras.

Elija su nombre para mostrar



Ao se conectar ao developerWorks pela primeira vez, é criado um perfil para você e é necessário selecionar um nome de exibição. O nome de exibição acompanhará o conteúdo que você postar no developerWorks.

Escolha um nome de exibição de 3 - 31 caracteres. Seu nome de exibição deve ser exclusivo na comunidade do developerWorks e não deve ser o seu endereço de email por motivo de privacidade.

Los campos obligatorios están marcados con un asterisco (*).

(Escolha um nome de exibição de 3 - 31 caracteres.)

Ao clicar em Enviar, você concorda com os termos e condições do developerWorks.

 


Todas as informações enviadas são seguras.


static.content.url=http://www.ibm.com/developerworks/js/artrating/
SITE_ID=80
Zone=Information Management
ArticleID=757095
ArticleTitle=Preparação para o Exame 730 DB2 9 Fundamentals, Parte 1: Planejamento do DB2
publish-date=10132011